Nenete e Dorinho









Página Inicial


Para saber mais...


Página Índice dos Compositores e Intérpretes


Ouvir Música Caipira





Waldemar de Franchesi, o Nenete, nasceu em Pirassununga-SP em 1919 e faleceu em 1989, vítima de uma tentativa de assalto.

Isidoro Cunha, o Dorinho (apelido carinhoso que ele tinha desde a infância), nasceu em Bernardino de Campos-SP no dia 09/07/1933 (algumas biografias mencionam Piraju-SP como a cidade-natal de Dorinho, mas na verdade, Piraju-SP é a cidade onde ele foi registrado, no dia 18/10/1933) e faleceu em Campinas-SP, no dia 08/10/2011.

Nenete já havia participado amadorísticamente da dupla "Nenete e Ditinho" no ano de 1943, em sua Pirassununga natal e já integrou também o "Trio Saudade", com Ninão e Nininho.

Com o "Trio Saudade", Nenete chegou a atuar na Rádio Record de São Paulo-SP, no programa "Hora dos Municípios" comandado por Genésio Arruda entre 1947 e 1955.

Nenete também atuou durante 5 anos com o nome artístico de Limeira e formou dupla com Luizinho (Luís Raymundo, nascido em São Paulo-SP em 1916 e falecido também em São Paulo-SP em 1983), tendo atuado durante um ano nos programas "Imagens do Sertão" e "Alma da Terra" na Rádio Tupi de São Paulo-SP.

Luizinho e Limeira foi a famosa dupla que gravou pela primeira vez o célebre "Menino da Porteira" (Teddy-Veira - Luizinho). É preciso ser citado que Luizinho mais tarde desfez a dupla com Limeira (que até então era o Nenete), tendo então convidado seu irmão Ivo Raymundo (nascido em São Paulo-SP em 1924) para cantar com ele, mantendo o mesmo nome de Limeira. Em vez de continuar como dupla, no entanto, eles se juntaram à acordeonista Carmela Bonano (nascida em São Paulo-SP em 1928 e falecida em Perdizes-SP em 1982) e formaram o famoso trio Luizinho, Limeira e Zezinha (foto acima e à direita). Carmela Bonano era descendente de família italiana e foi apelidada de Zezinha ainda na infância.

Conforme menciono também na página dedicada a Luizinho, Limeira e Zezinha, o nome artístico de Limeira, por sinal, já foi adotado por diversos artistas sertanejos, (inclusive o célebre compositor Sulino), provavelmente homenageando a simpática cidade de Limeira-SP, próxima a Piracicaba-SP.

Isidoro Cunha, por outro lado, desde criança, aos 8 anos de idade, já cantava e tocava Cavaquinho.

Estreou como Músico no ano de 1949 na Rádio Difusora de Ourinhos-SP, cantando no "Trio Bernardinense".

E, no ano de 1950, Dorinho se mudou para a Capital Paulista, tendo formado a dupla "Doro e Dorinho", a qual se apresentou durante algum tempo no programa "Mutirão do Sumaré", comandado pela dupla Brinquinho e Brioso.

A dupla "Doro e Dorinho" também foi vencedora de um concurso na Rádio Record de São Paulo-SP. Na foto acima à direita, Dorinho com seu Violão, na sua residência em Campinas-SP no dia 27/03/2008.

E foi no ano de 1954 que Dorinho, participando do Concurso de Violeiros do IV Centenário da Cidade de São Paulo-SP, conheceu Nenete, e com ele formou a célebre Dupla Caipira "Nenete e Dorinho", que gravou os dois primeiros Discos 78 RPM em 1955, pela RCA Victor:

  • Nº 80-1490, tendo no Lado A a Toada "O Milagre das Rosas" (Padre Ciro Turino) e no Lado B o Cururu "Toca Sino" (Príncipe Maluco).
  • Nº 80-1506, tendo no Lado A o Rasqueado "Linda Matogrossense" (Teddy Vieira - Diogo Mulero (Palmeira)) e no Lado B a Guarânia "Ingrata" (Nenete).

    Tendo se surpreendido com a voz de Dorinho e, há um ano procurando por um parceiro, Nenete convidou Dorinho para que lhe visitasse e a partir daí, nasceu a renomada dupla.

    Pouco tempo depois, a dupla "Nenete e Dorinho" passou a ser acompanhada pelo famoso acordeonista Nardelli (Antônio Onofre Figueiredo), que com eles formou um trio de bastante sucesso, que deu um novo ritmo à Música Sertaneja e que foi levado pela professora Dulce Palma de Franceschi à Rádio Tupi, onde fizerem sua estréia como trio.

    O trio "Nenete, Dorinho e Nardelli" recebeu inclusive o Troféu Roquete Pinto por seus sucessos. Foi também considerado como o trio mais premiado do Brasil pelos troféus e medalhas que recebeu em sua Trajetória Artística.

    A quase totalidade dos discos de "Nenete, Dorinho e Nardelli" foi gravada na RCA (atual BMG), gravadora da qual em 1966 Nenete foi também nomeado produtor, cargo que ocupou até o ano de 1971, e no qual supervisionou diversas Duplas que se tornaram célebres, dentre as quais Leo Canhoto e Robertinho e Belmonte e Amarai, apenas para citar algumas.

    "Nenete, Dorinho e Nardelli" fizeram sucesso com Composições dos próprios integrantes do trio, como foi o caso de "O Cantar Da Siriema" (Nardelli - Nenete), "Recordação" (Nenete - Goiá) (a Música cujo trecho o Apreciador ouve no momento em que acessa essa página), "A Seca Do Nordeste" (Nenete - João Pacífico), "Goiano Valente" (Nenete - Piraci), "Minha Boiada" (Nenete - Nardelli), "Saudades De Pirassununga" (Nenete - Margarida Padilha), "Flor Do Campo" (Nízio - Nenete), além de belíssimas Composições de outros Autores como por exemplo "Belezas Do Sertão" (João Pacífico), "Bom Exemplo" (Nonô Basílio - Piraci), "Incruziada" (Angelino de Oliveira), "Trenzinho Malvado" (Pitangui - Carlos Armando Pascoalim), "No Mundo Da Lua" (Ângelo Reale - Capitão Furtado), "São Gonçalo" (Palmeira - Piraci), "Conselho De Amigo" (Nonô Basílio - Tito Neto) e "Maria" (Anacleto Rosas Jr. - Luís Rosas), apenas para citar algumas.

    Nenete e Dorinho gravaram na RCA (hoje BMG) por 16 anos e gravaram ainda mais 3 Discos na Continental (hoje Warner) tendo sido ao todo um total de 20 LP's e mais de 30 discos 78 RPM. Após gravar mais um disco na Copacabana, Nenete resolveu parar com o trabalho por motivos de saúde.

    Dorinho e Nardelli formaram então, juntamente com Reinaldo Benediti (o Maracá) o trio "Maracá, Dorinho e Nardelli", trio esse que gravou mais dois LP's. E, por motivos particulares, Nardelli deixou o trio em 1970 e foi substituído pelo Ponteli (João Pontel, nascido em Olímpia-SP no dia 22/06/1938). O novo trio gravou então mais dois discos pela Phillips (hoje Universal) e encerrou as atividades em 1975.

    Quero aqui abrir um parêntesis para reproduzir uma matéria sobre o Nardelli, a partir de uma entrevista por ele concedida ao Radialista Odair Manzano, em Bauru-SP, no dia 11/02/2011:


    "Antonio Onofre Figueiredo (Nardelli), nasceu no Distrito de Quilombo no município de Iacanga, na região de Bauru-SP, no dia 25/10/1933.

    Como praticamente todos os Artistas da Canção Cabocla são oriundos do Interior e são todos de familias simples, honestas e conservadoras de seus princípios morais e religiosos, com a familia de Nardelli não foi diferente: Filho de Antonia Marangon Figueiredo e José Alcântara Figueiredo, Nardelli não teve um trabalho mais árduo na lavoura conforme tantos outros artistas que se hoje fazem sucesso no plano artístico,"levando o ouro", também já "deixaram o couro" no serviço bruto da roça.

    Sêo José era sitiante e retireiro, e o máximo que o filho fazia eram algumas roçadas de pasto, além de ajudar a apartar bezerros, vacinar o gado e coisas similares.

    Com 10 anos de idade, Nardelli já tocava uma sanfona de 8 baixos que era de seu avô, Antonio Florêncio Figueiredo. Sua Avó Maria Alcântara Figueiredo o incentivava muito e com isso nele se despertou o interesse e o sonho por um dia conquistar a Carreira Artística.

    Aos 15 anos, ganhou de seu pai uma Sanfona de 80 Baixos da marca Stradella Dalape. Foi se aperfeiçoando e tomando gosto pela carreira tão sonhada, tocando as Músicas da época como: "Asa Branca" (Luiz Gonzaga - Humberto Teixeira), "Saudades de Matão" (Antenógenes Silva - Jorge Gallati - Raul Torres), "Saudades de Ouro Preto" (D. P. - Adaptação: Antenógenes Silva - Edmundo Lys) e outras Valsas que predominavam na época.

    Já começou a tocar e animar festas e bailes de barracas nos sítios e fazendas da região.

    Com 23 anos deixou a terrinha e partiu para a Paulicéia Desvairada, onde foi trabalhar numa indústria de transformadores de rádio chamada: Orlando Stevaux, cujo gerente era seu primo, por nome João de Souza Abreu.

    Num de seus dias de folga, no ano de 1957, frequentando o famosíssimo "Café dos Artistas", ele conheceu o sanfoneiro Canhotinho (Carlos Paviani) que formava o trio: Torrinha, Tropeirinho e Canhotinho. Então, Canhotinho lhe disse para procurá-lo no dia seguinte na Rádio Record, e que com certeza teria uma grande chance para se despontar para a tão almejada carreira.

    Canhotinho tinha como objetivo, colocar o Nardelli para formar um trio com Raul Torres e Florêncio que a tempos já procuravam por um Sanfoneiro. Porém, ao ser apresentado ao Raul Torres, este lhes informou que estavam aguardando a chegada de um Sanfoneiro do Estado do Rio Grande do Sul, por nome: Cid Gaucho, com quem já haviam assumido um compromisso. No entanto, ficou pendente a possibilidade de um teste com Nardelli, caso Cid Gaucho não comparecesse no dia seguinte conforme combinado.

    Nardelli então ficou numa feliz expectativa e torcendo para o Cid Gaucho não comparecer, até que, alguns dias depois ouviu na Rádio Record, Raul Torres, Florêncio e Cid Gaucho. Nardelli se sentiu muito decepcionado e até constrangido.

    O próprio Canhotinho então, lhe prometeu apresentá-lo à dupla Nenete e Dorinho. Promessa cumprida! Nenete, praticamente convocou Nardelli a comparecer com sua Sanfona em seu apartamento, na Avenida São João, Nº 1737, no centro da Capital Paulista.

    Nardelli ao chegar se deparou com um sanfoneiro por nome Robertinho (O mesmo que infelizmente já subiu ao Pavimento Superior e que até a pouco tempo integrava o Viola Minha Viola, apresentado pela "Madrinha" Inezita Barroso), na TV Cultura de São Paulo-SP).

    Nardelli e Robertinho do Acordeon foram alí mesmo submetidos a testes ministrados pelo próprio Nenete, que por sinal era criterioso e exigente porém, muito criativo e de personalidade marcante.

    Nardelli foi o vencedor e hoje até detalha em suas entrevistas onde foi o ponto em que acertou mais que o Robertinho para conquistar essa extraordinária façanha. Começava aí uma carreira gloriosa. Nenete pôs em prática sua criatividade e lhe impôs o simpático slogan:
    'O Sanfoneiro dos Dedos de Ouro', além de sugerir o nome Nardelli, para dar sequência e herdar o nome de um Sanfoneiro por nome José Nardelli que fazia parte de uma familia tradicional da cidade de Pirassununga-SP (terra natal do Nenete); e esse Sanfoneiro por alguns mêses chegou a acompanhar Nenete e Dorinho logo no início da carreira da Dupla. Porém, sem muito êxito, logo desistiu e parou de vêz.

    Nenete, Dorinho e Nardelli formou um dos trios mais badalados e de maior sucesso em toda a História da Música Sertaneja. Por 20 anos, exatamente de 1957 a 1977, ficaram juntos se apresentando na Rádio Tupi (na época, nos 1040 khz) e lotando circos e teatros em todo o Brasil.

    Em 1977, com o trio já com suas atividades encerradas, Nenete voltou à sua tão querida Pirassununga-SP, onde viveu em sua chácara até meados de 1989, quando fora convocado pelo Pai Eterno a subir ao Pavimento Superior...

    Dorinho hoje reside em Campinas-SP, onde se casou pela segunda vêz e formou um trio cantando com sua atual esposa Iara, e são acompanhados pelo Sanfoneiro, com o qual formam o trio Dorinho, Iara e Pontelli.

    Nardelli, por sua vêz, ainda formou trios de pouca duração e, sem ter gravado nenhum disco, com Brasão e Brasãozinho e posteriormente com Tibagi e Miltinho.

    Gravou vários LP's em Carreira-Solo e voltou para o Interior, onde hoje reside em Bauru-SP, com sua esposa Terezinha com quem está casado a mais de 50 anos e teve com ela 3 filhos, 5 netos e até agora 1 bisneto!

    Se algum fã ou mesmo alguém da Imprensa quiser entrar em contato com
    'O Sanfoneiro dos Dedos de Ouro', ligue e fale diretamente com ele: Nardelli: (14) 3222-6675"



    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, o Radialista Odair Manzano e o Acordeonista Nardelli. Foto essa tirada na residência de Nardelli no dia 11/02/2011 e gentilmente fornecida pelo Odair Manzano.




    O programa "Odair Manzano-Show " vai ao ar todos os Sábados das 16:00 às 18:00 pela Rádio Difusora AM - 1180 kHz de Santa Cruz do Rio Pardo-SP e é dedicado à Música Caipira Raiz! O Apreciador pode também participar pelo telefone (14) 3372–1763 ou pelo e-mail [email protected] para enviar seus pedidos musicais, críticas, elogios, sugestões, etc.)

    Muito obrigado, "Cumpadre" Odair Manzano, pela valiosíssima Colaboração!!!

    E, conforme mencionado pelo "Cumpadre" Odair Manzano, Dorinho se casou com Iara Aparecida Benedeti Cunha (nascida em Campinas-SP em 1958), filha de Maracá e, a partir de então, passaram a cantar juntos.

    E, em 1989, ocorreu o trágico falecimento de Nenete, conforme já foi mencionado.


    No ano de 1994, Dorinho e Iara se profissionalizaram e convidaram o Acordeonista João Pontel, o Ponteli, para fazer parte do novo trio que acabava de nascer: "Dorinho, Iara e Ponteli", conhecido carinhosamente como sendo "Um Trio de Ouro".

    O trio "Dorinho, Iara e Ponteli" já gravou quatro CDs (sendo um deles no "sistema dose dupla") e também se apresentou no excelente programa Viola Minha Viola, que vai ao ar aos Sábados e Domingos pela TV Cultura de São Paulo-SP, apresentado pela "Madrinha" Inezita Barroso.


    Na foto abaixo, o trio Dorinho, Iara e Ponteli, em sua residência em Campinas-SP, no dia 27/03/2008:



    Na foto abaixo, Dorinho (à direita) sendo entrevistado pelo Radialista Vagner Boneto (à esquerda) para o programa "Trajetórias" que vai ao ar todos os Sábados das 10:00 às 11:00 da manhã pela Rádio Valinhos FM - 105,9 MHz - em Valinhos-SP. Entrevista gravada em 23/02/2007.




    O Acordeonista desse Trio de Ouro também apresenta o Programa do Ponteli, que vai ao ar de Segunda a Sexta-Feira das 06:00 às 08:00 da manhã nos 540 kHz da Rádio Nova Sumaré - AM, que também transmite pela Internet. E Ponteli também já gravou alguns CD's como Solista de Acordeon.



    Na foto abaixo, Dorinho em sua residência em Campinas-SP, no dia 27/03/2008, ao lado do Radialista José Francisco que apresenta junto com Maikel Monteiro o Programa "Brasil Caboclo" nos 630 kHz da Rádio Paraná Educativa (e-Paraná) - AM de Curitiba-PR, programa esse que vai ao ar todos os Domingos das 07:00 às 09:00 da manhã.



    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, o Acordeonista Ponteli, o Radialista Wagner Boneto e Ricardinho na residência de Dorinho, num agradável e descontraído encontro no dia 27/03/2008:



    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Ricardinho, Iara, Dorinho, Ponteli e o Radialista Wagner Boneto na residência de Dorinho, no mesmo agradável encontro de 27/03/2008:



    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, o Radialista José Francisco, Dorinho, Iara, Ponteli e Ricardinho na residência de Dorinho, também no dia 27/03/2008.




    Clique nos links abaixo, veja e ouça a participação do Trio de Ouro "Dorinho, Iara e Ponteli" no Programa "Caminhos da Roça" na EPTV, no Programa que foi ao ar no dia 12/03/2011, apresentado pelo Mazinho Quevedo:

    Primeira Parte
    Segunda Parte



    Isidoro Cunha, o Dorinho, "passou para o Oriente Eterno" quando contava 78 anos de idade, às 06:00 da manhã do dia 08/10/2011 na UTI do Hospital do Instituto Cardiológico de Campinas-SP, onde estava internado, vítima de insuficiência cardíaca.

    Seu corpo foi velado no Velório da Saudade e seu sepultamento se deu às 08h:30min do Domingo (09/10/2011), no Cemitério da Saudade em Campinas-SP.

    Dorinho era casado com a Sra. Iara Aparecida Benedeti Cunha, que cantava em Dupla com ele, conforme já mencionado acima. Dorinho deixa as filhas: Ionara, Izabela e Inayara.

    Sua "Partida" deixa sem dúvida um enorme "vazio" na Música Caipira Raiz...

    Dorinho: Receba de Ricardinho essa singela homenagem...




    Ao que consta, a Apresentação na EPTV no Programa "Caminhos da Roça" na EPTV, citada logo acima, foi a penúltima cantoria de Dorinho, pois, de acordo com a informação do Ponteli, pelo telefone, e também de acordo com a informação que me foi enviada, por e-mail, pelo "Cumpadre" Pedro Ornellas do Grupo "Os Trovadores do Campo", num artigo do Jornal Porto Ferreira Hoje, a última apresentação de Dorinho foi em Pirassununga-SP, no dia 10/07/2011, por ocasião da Semana Nenete de Música Sertaneja.

    De acordo com esse artigo, baseado em informação de Roberto Bragagnollo (Secretário de Cultura de Pirassununga-SP):

    " ... A última apresentação de Dorinho se deu em Pirassununga-SP, no dia 10 de Julho deste ano, no palco da Semana Nenete de Música Sertaneja, quando, na condição de 'Destaque do Ano', recebeu das mãos do Vice-Prefeito Edgar Sagioratto, a 'Medalha Huquiles de Carli de Incentivo às Tradições Caipiras', como reconhecimento da População Pirassununguense à tão brilhante Carreira ao lado de Nenete e Nardeli.

    'Naquela tarde, sem condições físicas, com o braço fraturado, debilitado, Dorinho fez questão de retribuir a homenagem que Pirassununga-SP lhe fazia, oferecendo um grandioso e emocionante show. Ao retornarmos a Campinas-SP, Dorinho era só felicidade', contou Iara.

    Dorinho atendeu a um pedido do Vice-Prefeito Edgar Sagioratto:
    'Pedi a eles que cantassem aquela que, na minha opinião, é o 'Segundo Hino de Pirassununga-SP': a Música ‘Cachoeira de Emas’ (Nenete - Dorinho). Quem poderia imaginar que aquela seria a última aparição de Dorinho em público?', concluiu Sagioratto... "





    Algum tempo depois, Iara passou a cantar em Dupla com Irene Lopes, formando o novo Trio "Irene, Iara e Pontelli", que conta com o Acompanhamento Musical do já mencionado Acordeonista Pontelli e também do Violonista Valmir!!!

    Importante lembrar que Irene Lopes já havia cantado em Dupla com sua Prima Aparecida Martins Batista, de Saudosa Memória... Era o inesquecível Duo Ciriema!!!

    Clique aqui e assista à primeira apresentação do Trio "Irene, Iara e Pontelli", a qual se deu no Programa Essência Cultural, gravado em Araguari-MG, no dia 21/03/2012 às 20:00!!! Apresentado por João Gonçalves, produzido e dirijido por Baltazar Brazão, esse programa foi o de número 60 e foi ao ar no mês de Abril de 2012, podendo também ser apreciado na íntegra no Site do Programa Essência Cultural!!!

    O mesmo programa também contou com a participação das Duplas "Ada e Bruno" (Araguari-MG) e "Odair e Odilon" (Campinas - SP)!!!

    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Irene, Iara, João Pontelli e Walmir, no Programa Essência Cultural supra-mencionado:




    Obs.: As informações contidas no texto dessa página foram fornecidas pelo Radialista Vagner Boneto e também pelo próprio Dorinho (no encontro descontraído em sua residência no dia 27/03/2008), além de informações originárias do Livro de Rosa Nepomuceno "Música Caipira - Da Roça Ao Rodeio", do Livro de Ayrton Mugnaini Jr "Enciclopédia Das Músicas Sertanejas, e também dos sites: Dicionário Ricardo Cravo Albin de Música Popular Brasileira, IMMUB - Instituto Memória Musical Brasileira, Fundação Joaquim Nabuco e Instituto Moreira Salles. Ver também mais detalhes e links na página Para saber mais... onde constam as Referências Bibliográficas sem as quais a elaboração deste site teria sido impossível.



    Essa viagem pela Música Caipira Raiz continua: Clique aqui e pegue o trem, que ele agora irá para Maracaju-MS, a terra-natal desse casal de primos que, pouco tempo depois de se unirem pelos Laços Matrimoniais, trocaram o Mato Grosso do Sul pela Paulicéia Desvairada, onde fizeram sucesso gravando suas Composições em ritmos de Raiz, tais como Maxixe Matogrossense, Cana Verde, Arrasta-Pé e, principalmente, Rasqueado. Conheça um pouquinho da trajetória artística de Délio e Delinha.


    Ou então, se você preferir outro compositor ou intérprete, clique aqui e "pegue outro trem para outra estação", na Página-Índice dos Compositores e Intérpretes.

















  • Voltar ao Topo