Solistas de Viola









Página Inicial


Para saber mais...


Página Índice dos Compositores e Intérpretes


Ouvir Música Caipira





Nessa página será mostrado um pouquinho de um trabalho muito interessante que vem sendo feito pela nossa Música Caipira Raiz, por músicos que "nem sempre cantam", mas tocam em solo de forma virtuosística a tradicional Viola Caipira.

Como se sabe, a Viola foi trazida para o Brasil pelos Colonizadores Portugueses oriundos de diversas regiões, principalmente do Norte de Portugal; a partir do Litoral Brasileiro, as Violas foram seguindo rumo ao Interior e se espalhando por todo o país.

A Viola era na época o instrumento musical mais popular em Portugal com diferentes estilos regionais para o instrumento, sem fugir, no entanto, do seu padrão típico.

Aliás também herdamos de Portugal o culto ao São Gonçalo do Amarante (desde 1551), "Protetor dos Violeiros" que tocava e dançava com as prostitutas, para que elas não pecassem. Por esse motivo, São Gonçalo é reverenciado com danças tanto em Portugal como também no Brasil que herdou a tradição.

E, conforme o Apreciador já observou, é muito comum que o Violeiro tenha as famosas fitinhas coloridas amarradas no braço do tradicional instrumento musical caipira raiz.

Suas cores possuem significado de acordo com as tradicionais Folias de Reis que acontecem no mês de Janeiro em diversas regiões do Brasil. A Fita Branca representa Jesus, enquanto que a Cor-De-Rosa representa José e a Azul representa Maria, ao passo que os Três Reis Magos são representados pelas Fitas Amarela (Belchior), Vermelha (Baltazar) e Verde (Gaspar).

E, caso seja observada a existência de uma fita preta , essa representa o "coisa ruim", com o qual o violeiro pode ter feito o famoso pacto... No entanto, diversos excelentes Violeiros, tais como Chico Lobo e também o "Cumpadre" Luiz Viola (foto à direita) de Bauru-SP não têm a fita preta em sua Viola Caipira!! Lamentavelmente, o Blog do Violeiro, que era desenvolvido por Luiz Viola, e continha informações preciosas sobre a Viola e a Cultura Caipira, não existe mais... Com muita tristeza, eu tenho que noticiar que, no início de 2013 o UOL "fez o favor" de desativar o Blog, e o Site O Violeiro do "Cumpadre" Luiz Viola, diminuindo drasticamente a quantidade de Conteúdo Cultural na Internet... Lamentavelmente só nos resta continuar visitando o Trabalho de Artes Plásticas do "Cumpadre" Luiz Viola, em seu Blog O Desenhista... E a ordem é: conheça-o, antes que mais uma "mente inculta" resolva tirá-lo do ar...

Naturalmente que não poderemos jamais falar em Solistas de Viola sem mencionar Tião Carreiro pois foi ele que, em 1976, numa iniciativa corajosa para a época, gravou pela primeira vez no Brasil um disco onde predominam solos de viola tendo pouquíssimas músicas cantadas.

Além do "É Isto Que O Povo Quer", de 1976, Tião Carreiro também gravou o LP "Em Solo de Viola Caipira", em 1979, e os dois LP's foram lançados no CD "Tião Carreiro - Dose Dupla - Volume 2" pela Warner Music, em 1995.

Também não podemos jamais deixar de mencionar o Pantaneiro Almir Sater também excelente Solista de Viola que aprendeu parte de sua técnica com o próprio Tião Carreiro.

Tanto Tião Carreiro como Almir Sater têm páginas e eles dedicadas nesse site. Existem tambem grandes músicos, alguns dos quais de "formação erudita" que desenvolveram de tal forma a técnica da Viola, mantendo, no entanto, o sentimento Raiz do Interior que enriquecem nossa Música Caipira Raiz e merecem muito mais do que esta página a eles dedicada!

Conheça um pouquinho da obra de grandes "Solistas de Viola":

Adauto Santos

Adelmo Arcoverde

Braz da Viola

Enúbio Queiroz

Fernando Caselato

Fernando Deghi

Fernando Sodré

Gedeão da Viola

Helena Meireles

Índio Cachoeira

Ivan Vilela

Júlio Santin

Junior da Violla

Luciano Queiroz

Marcus Biancardini

Mazinho Quevedo

Nestor da Viola

Neto Stefani

Paulo Freire

Renato Andrade

Roberto Corrêa

Rodrigo Delage

Sidnei de Oliveira

Valdir Verona

Zeca Collares

Zé Coco Do Riachão



E, para saber mais sobre a Viola Caipira, Clique aqui e visite o Site de Paulo Moura Castro na página do mesmo dedicada à Viola Caipira num artigo do Professor Alceu Maynard de Araújo publicado em artigos, na Revista Sertaneja Nºs. 4, 5, 6, 7, 8, 9, 13 e 14, de Julho de 1958 a Maio de de 1959. Temos, nessa página, um verdadeiro tratado sobre o tradicional instrumento da Música Caipira Raiz.


Vamos então aos resumos biográficos de alguns excelentes Solistas de Viola:


Adauto Santos:

"Considero Adauto Santos o maior compositor do gênero nos dias de hoje. E o que dizer da voz? É aquela que vai lá dentro do coração despertar tudo o que andava adormecido na gente. É mesmo uma voz de anjo bom. Adauto, você é um filme precioso que precisamos revelar com todas as cores para o mundo". ( Inezita Barroso).

Adauto Antonio dos Santos foi Cantor, Compositor, Violonista e Violeiro, tendo sido excelente solista no tradicional instrumento da Música Caipira. Nasceu em Bernardino de Campos-SP no dia 22/04/1940 (algumas fontes bibliográficas dizem que Adauto nasceu em São Bernardo do Campo-SP) e faleceu em São Paulo no dia 22/02/1999.

Paulista criado em Londrina-PR, está entre os "símbolos da resistência dentro da Música Caipira Raiz, ao lado de Renato Andrade, Zé Mulato e Cassiano, Almir Sater, Pena Branca e Roberto Corrêa, apenas para citar alguns.

Adauto Santos situa-se entre as maiores preciosidades de Voz e Viola do Brasil. Foi na cidade de Londrina-PR, onde se criou, que iniciou sua carreira artística cantando ao lado de sua irmã com quem formou o "Duo Havaí", que venceu inclusive o Festival Roda de Violeiros, do Capitão Furtado, naquela cidade, tendo gravado nessa época o seu primeiro disco.

Em 1962, Adauto mudou-se para São Paulo, e passou a cantar na Noite Paulistana. Além de sua bela e afinadíssima voz, foi aos poucos introduzindo o toque da Viola Caipira em suas interpretações, o que chamou a atenção de muita gente, inclusive de clientes estrangeiros hospedados nos hotéis da Capital Paulista. Durante vários anos, apresentou-se no Jogral, renomado bar paulistano onde tocava Viola.

Em suas apresentações, mostrava um repertório eclético, misturando obras de compositores como João Pacífico, Milton Nascimento, Mário Lago e Rolando Boldrin, além de suas próprias composições. Mesclando a "Fina Flor da MPB" com a Música Caipira, o efeito tomou um caráter positivo e, aos poucos foi conquistando espaço no rádio, na TV e nos jornais, apesar de ter sido de modo bastante limitado, muito aquém do verdadeiro talento de Adauto. Segundo ele próprio, seu trabalho "foi sempre muito artesanal com muito suor e pouco reconhecimento".

Suas primeiras composições foram gravadas em 1963 pelo grupo "Os Amantes do Luar", que interpretou o bolero "Não Me Esquecerei de Ti" e o rasqueado "Deita Em Meus Braços".

Participou algumas vezes do inesquecível programa "Som Brasil" apresentado por Rolando Boldrin na Rede Globo aos Domingos pela manhã, no início da década de 80, ocasião na qual o nome de Adauto Santos e seu trabalho começaram a ganhar projeção nacional.

Sua primeira composição que realmente marcou foi, sem dúvida "Triste Berrante", que fez parte da trilha sonora da novela Pantanal da extinta TV Manchete e também foi gravada por excelentes duplas caipiras a exemplo de Pena Branca e Xavantinho. E como compositor, teve como parceiros "feras" da MPB, tais como Mário Lago, Paulo Vazolini, Eduardo Gudin e João Pacífico, com quem compôs "Juca", "Vontade de Voltar" e "Homenagem da Montanha", entre outras.

Seu primeiro disco foi "Triste Berrante" e o último foi "Tocador de Vida e Viola", gravado em 1997 pela gravadora do CPC/UMES, o qual foi indicado para o Prêmio Sharp de Música Regional daquele ano. Merecem destaque também os CDs “Adauto Santos: Brasil Viola” e “Varanda Sertaneja”, lançados pela Brasis / Movieplay. No CD "Brasil Viola" (acima e à direita), Adauto apresenta 11 das 14 faixas em excelente solo de Viola: são verdadeiros Clássicos Caipiras tais como "Recordação" (Nenete - Goiá), "Pagode" (Tião Carreiro - Carreirinho) e "Mágoa de Boiadeiro" (Índio Vago - Nonô Basílio), além de clássicos da MPB de "Inspiração Rural", tais como "No Rancho Fundo" (Ary Barroso - Lamartine Babo) e "Ponteio" (Edu Lobo - Capinam). No mesmo CD, além dos solos de Viola, Adauto também mostrou sua belíssima voz em "Flor do Cafezal" (Luíz Carlos Paraná), "Doce de Cidra" (João Pacífico) e "Cantiga À Moda Mineira" (Raymundo Prates).

Em 1980, Adauto Santos participou da trilha sonora do filme "Cabocla Tereza".

Faleceu com 58 anos no dia 22/02/1999. No dia anterior à sua morte, ele deixou gravada uma participação na composição "Rosa" (Pixinguinha), que faz parte do CD "Mulheres em Pixinguinha", lançado pela gravadora do CPC-Umes.

Segundo Paulo Vanzolini, "Adauto representa um marco na manutenção da integridade de nossas tradições musicais, caipiras e talvez acanhadas, mas com personalidade máscula e duradoura".

"Amigo Adauto Santos, todos os Santos estão orando por você". ( João Pacífico - parceiro e amigo).




Voltar ao Topo


Adelmo Arcoverde:

Adelmo de Oliveira Arcoverde, excelente Violeiro, também formado em Direito, nasceu em Serra Talhada-PE em 31/07/1955.

Pode-se dizer que seu primeiro contato com a Viola foi graças à sua vó, que ouvia os Repentistas Nordestinos nos programas de rádio da região, na época em que Adelmo tinha apenas 5 anos de idade.

Com 13 anos Adelmo começou a tocar, com a influência dos programas de Jovem Guarda que eram mostrados na época nos programas de TV.

E quando contava 17 anos foi que adquiriu uma Viola Dinâmica de Repentista de marca Del Vecchio e passou a se dedicar ao Solo do Tradicional Instrumento Musical. Foi então que Adelmo formou um grupo de Música Regional, tendo aprendido a "afinação dos Repentistas" com um colega de Juazeiro-BA. Adelmo também compôs nessa época "Dança da Morte" e "Morte do Valente".

No ano de 1962, Adelmo, juntamente com a família, trocou Serra Talhada-PE por Nazaré da Mata-PE, cidade onde passou a ouvir verdadeiros nomes da nossa riquíssima Música Regional, tais como o "Quinteto Violado" e a "Banda Pau E Corda". Adelmo, por sinal, fez parte da "Banda Pau e Corda" durante 5 anos.

Em 1981 Adelmo trocou Nazaré da Mata-PE por Recife-PE, onde, a convite do Maestro Cussy de Almeida, passou a tocar na Orquestra de Cordas Dedilhadas de Pernambuco, grupo por ele criado na década de 1980, e que combinou três Violas Sertanejas com três Bandolins, Cavaquinho, Violão, Percussão e Contrabaixo. Foi também nessa época, na Capital Pernambucana, que Adelmo passou a estudar Música, já que, até então, a sua formação era "de ouvido". De acordo com o próprio Adelmo "... eu não sabia ler Música e passei a estudar. Em 6 meses já estava lendo. Foi inclusive nessa época que comecei a usar a Viola de 10 Cordas".

Na Capital Pernambucana, com sua incrível versatilidade, Adelmo Arcoverde também conquistou diversos prêmios em Festivais como Arranjador, Compositor e Instrumentista.

Adelmo conhece a Cultura Nordestina e, segundo ele, existem diferenças entre as Regiões Nordeste e Sudeste, não apenas nos tipos de modelos de Violas e suas respectivas afinações, mas também no que inspira o Músico a compor os temas. Para Adelmo, o Violeiro Caipira é mais romântico no modo de compor, colocando em sua Música os temas do campo, da natureza, da roça. Por outro lado, o que mais inspira o Violeiro Nordestino (em outras palavras, o "mote") é a seca, a miséria e a violência da região.

Foi num Encontro de Violeiros do Brasil que Adelmo conheceu Roberto Correa com quem aprendeu a afinação "Rio Abaixo", na qual também passou a compor. Adelmo é defensor Nº. 1 desses encontros, em vista das riquíssimas diversidades aqui encontradas.

Apesar de mais de 35 anos de carreira, Adelmo não gravou ainda um "Disco-Solo", tendo tido apenas participações especiais em alguns CD's como por exemplo o excelente "Ao Capitão Furtado - Marvada Viola", lançado em LP em 1986 e, para nossa felicidade, remasterizado em CD em 1997 pela Atração Fonográfica, fazendo parte da Série "Acervo FUNARTE - Música Brasileira" e com participação de Sivuca, Rolando Boldrin, Roberto Corrêa, João Lyra e Zé Mulato e Cassiano.

Nesse CD, Adelmo Arcoverde, solando a Viola, interpreta "Disparada" (Geraldo Azevedo - Théo de Barros), "No Quintal do Matuto" (João Lyra) e "Três Histórias" (João Lyra - Ivanildo Maciel), ao lado de excelentes Violonistas do quilate de João Lyra, Maurício Carrilho e João de Aquino!

Adelmo Arcoverde participa também do CD "Violeiros do Brasil" (um excelente trabalho da gravadora Núcleo Contemporâneo, gravado ao vivo no Teatro SESC-Pompéia em São Paulo-SP, em Agosto de 1997), com a música "Antônio Conselheiro e o Arraial do Bom Jesus" (Adelmo Arcoverde). Além de Adelmo, também participam desse CD, dentre outros, excelente Violeiros tais como Almir Sater, Roberto Corrêa, Paulo Freire, Renato Andrade, Passoca e Zé Coco do Riachão, além da excelente dupla Zé Mulato e Cassiano.

Religiosidade e Espiritualidade também influenciam bastante as composições de Adelmo Arcoverde. Sobre a afinação "Rio Abaixo" que, segundo o Folclore, teria ligação com o "coisa ruim", Adelmo menciona que o "dito cujo" é "...plagiador e mentiroso, que ele pega as coisas feitas por Deus e fala que é dele; portanto, essa afinação não seria do diabo, mas sim, de Deus".

Violeiro Nordestino, não apenas pelo tipo de Viola que toca, ou também pela Região onde nasceu, mas também por defender com unhas e dentes a Cultura e a Música Nordestina, Adelmo considera que "...a Viola Nordestina não está sendo valorizada e o Violeiro Repentista deve aprimorar seus conhecimentos sobre a Viola para preservar essa Cultura".

Além de ser um dos raríssimos Compositores e Solistas de Viola Caipira no Nordeste, Adelmo Arcoverde também leciona Violão e Viola no Conservatório Pernambucano de Musica. E, sendo Advogado, pode-se dizer que Adelmo também conhece bem "as Leis da Viola" usada na Região Nordeste!

Foi bastante difícil encontrar dados para a elaboração do resumo biográfico desse excelente Violeiro que há bastante tempo eu desejava "embarcar nesse trem". Além do Dicionário de MPB Ricardo Cravo Albin, quero aqui cumprimentar também o Pinho, Editor da excelente Revista Viola Caipira que publicou uma excelente matéria sobre Adelmo Arcoverde, na Edição Nº. 05 de Janeiro/Fevereiro de 2004, com texto de Geovana Jardim e Maria Carolina Coelho, além das fotos de Angélica Del Nery, que aqui também aparecem.





Voltar ao Topo




Braz da Viola:

Braz Roberto da Costa é Violeiro, Regente, Professor e Luthier: Nasceu em 1961 em Consolação-MG e, em 1965, mudou-se juntamente com os pais para São José dos Campos-SP, no Vale do Paraíba, no Estado de São Paulo.

Seu pai era operário e, como tal, antes de sair para o trabalho, ouvia no rádio a Música Caipira Raiz na voz dos Cantadores e Violeiros da época. Sem saber, Braz já estava assimilando canções, ritmos e instrumentos que definiriam seu futuro e explodiriam mais tarde através da Viola Caipira.

Em visitas a seus parentes em Paraisópolis–MG, Braz conheceu melhor o tio, Braz Aparecido, que era Radialista e Compositor e que teve inclusive Músicas gravadas por Tonico e Tinoco, Vieira e Vieirinha e Liu e Léu, as quais eram ouvidas no rádio por Braz da Viola e seu pai.

Foi aos 15 anos que Braz aprendeu a tocar Violão e, como estava crescendo em “Cidade Desenvolvida”, tocava o que acontecia na MPB daquele momento. Aos 18 anos, porém, acampando numa praia de São Sebastião-SP, no Litoral Norte de São Paulo, ouviu de longe uma "cantoria estranha" que "de alguma forma o envolveu". Ao se aproximar da cantoria ficou ali, ouvindo até acabar, sem saber que se tratava de uma Folia de Reis.

Em 1989, Braz estudava música com o Professor Jorge Luis em São José dos Campos-SP e, por curiosidade comprou uma Viola Caipira. Ao procurar saber da afinação e técnicas para tocar o instrumento, deparou-se com um Brasil que não conhecia, com as canções que ouvia no rádio quando menino e com a Folia de Reis que tanto o havia envolvido.

Encantado com o som do instrumento e com as tradições com que se deparou, tentou passar para a Viola tudo que já sabia no Violão, o que não funcionava, pois, na verdade, Violão é Violão e Viola é Viola.

Em São Bernardo do Campo-SP, no ABC Paulista, foi que conheceu o músico Dino Barioni, Violeiro que foi seu Mestre e com quem aprendeu os ritmos e teve base para as técnicas que veio a desenvolver.

Desenvolveu métodos próprios de ensino, que foram editados em forma de livros, CD's e Vídeo-Aulas. Ministrou “oficinas”, no projeto "Violeiros do Brasil" no SESC-Pompéia em São Paulo e nos SESC’s de Catanduva-SP, São Carlos-SP, Bauru-SP, Ribeirão Preto-SP e São José do Rio Preto-SP. Ministrou oficinas também em Londrina-PR, Itamonte-MG e, dentro do “Festivale”, no Vale do Jequitinhonha em Bocaiúva-MG e Montes Claros-MG. Em 1990, começou a lecionar Viola no SESC de São José dos Campos-SP e, no ano seguinte, fundou com seus alunos a Orquestra de Viola Caipira na mesma cidade, com o objetivo de divulgar e popularizar a Viola e também de formar e agrupar Violeiros.

Desenvolveu trabalho semelhante em Londrina-PR com a "Orquestra Viola de Coité" desde Agosto de 1999. Fundou, também em 1999 o grupo "Viola Serena" em Itamonte-MG.

Sua principal preocupação era sistematizar o ensino da Viola Caipira no Brasil, para que se formassem escolas com técnicas específicas para o instrumento. Publicou inclusive dois métodos de aprendizado, "A Viola Caipira - Técnicas de Ponteio" e "Manual do Violeiro".

Aprendeu o ofício de Luthier com Renato Vieira, também Luthier e proprietário da fábrica de violas “XADREZ” de Catanduva-SP. Implantou em 1994, duas oficinas de construção em São José dos Campos-SP e uma oficina em São Francisco Xavier-SP, além de ter ministrado oficinas de construção em diversas cidades do Interior de Paulista. Atualmente constrói em oficina própria a Viola de Cocho, que é um instrumento típico do Pantanal Matogrossense. As Violas de Cocho de sua fabricação vêm sendo tocadas por renomados Violeiros como Paulo Freire, Pereira da Viola, Passoca e a Orquestra de Viola Caipira de Londrina, entre outros. Além de fabricar o tradicional instrumento, Braz também ensina desde a confecção da forma até a marchetaria, na mesma seqüência que lhe foi ensinada por Renato Vieira.

Braz participou também de projetos importantes como "Instrumental SESC Brasil", "Balaio Brasil", "Música do Brasil" (produzido por Hermano Vianna para a Abril Cultural), "Brasil 500" (da Fundação Roberto Marinho), "Viola Brasileira" (do Centro Cultural do Banco do Brasil no Rio de Janeiro), e também do projeto "Violeiros do Brasil" (que incluiu um memorável show gravado ao vivo no SESC Pompéia em São Paulo, editado em CD (foto da capa acima e à direita), além de uma série de programas exibidos pela TV Cultura de São Paulo-SP).

Merece destaque o CD “Feito na Roça” (foto da capa à direita), o qual tive a felicidade de adquirir, em contato com o próprio Braz da Viola. Este CD conta também com a participação especial de Zé Mulato e Cassiano, Inezita Barroso, Pereira da Viola e Paulo Freire, entre outros, juntamente com a excelente Orquestra de Viola Caipira regida por Braz da Viola.

A idéia deste CD, como o próprio Braz da Viola menciona no encarte, foi a gravação da Viola Caipira em seu ambiente natural. Foram três dias em contato com a natureza (24, 25 e 26/04/1998) no Sítio Santa Tereza na Serra da Mantiqueira em São José dos Campos-SP, que produziram esse excelente disco gravado ao ar livre.

Braz da Viola tem divulgado o seu trabalho na TV em programas como o do Jô Soares e o Viola Minha Viola, entre outros.

Braz da Viola também tem se apresentado pelo Brasil juntamente com Intérpretes e Compositores renomados tais como Paulo Freire, Roberto Correa, Ivan Vilela, Pereira da Viola, Renato Andrade, Inezita Barroso e Zé Mulato e Cassiano, apenas para citar alguns.

Bráz da Viola atualmente leciona em sua residência, em São Francisco Xavier, belíssimo Distrito de São José dos Campos-SP, numa belíssima Região Serrana que ajuda a inspirar seu trabalho.

Braz forma também um Trio, no qual ele combina a Viola Caipira e também a Viola de Cocho com o Baixo Acústico, a cargo de Hugo Carlos, e também a Viola e a Guitarra Elétrica, a cargo de Thiago Viana!


Clique aqui, "toque as cordas da Viola com o mouse" e conheça o Site Oficial de Braz da Viola, o qual nos apresenta uma biografia mais completa escrita por ele próprio, bem como informações sobre os atuais cursos que ele mesmo ministra em São Francisco Xavier-SP.


Clique aqui, e conheça o Blog que divulga os Instrumentos Musicais fabricados pelo Braz da Viola, em São Francisco Xavier-SP.


Clique aqui, e conheça também a Orquestrinha São Xico, que é um maravilhoso conjunto musical formado por crianças de 9 a 14 anos de idade, sob a coordenação do Braz da Viola, em São Francisco Xavier!!!


Minha Esposa (a Netinha) e eu conhecemos pessoalmente esse excelente Violeiro em São Francisco Xavier, ocasião na qual a gente passou 4 dias de descanso e descontração com belíssima paisagem montanhosa, nesse Distrito de São José dos Campos-SP.

Na foto abaixo, Ricardinho e Braz da Viola em sua residência em São Francisco Xavier, na manhã descontraída de Domingo - 20/02/2011! Na parede, belíssima decoração com diversas Partituras e Instrumentos Musicais!



Na foto abaixo, Braz da Viola e Ricardinho, numa prosa descontraída, na mesma manhã de 20/02/2011:



Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Bartira Moura Rosa, Braz, Ricardinho e Netinha! Netinha é Esposa de Ricardinho e Bartira é Esposa de Braz da Viola!



Na foto abaixo, Netinha e Ricardinho em São Francisco Xavier na manhã de 20/02/2011, pouco antes de conhecermos o Braz da Viola:



Na foto abaixo, Netinha e Ricardinho e uma belíssima cachoeira em São Francisco Xavier na manhã de 21/02/2011:




Voltar ao Topo




Enúbio Queiroz:

Enúbio Divino de Queiróz: esse exímio Violeiro, Compositor, Professor de Viola Caipira e, que, além de tudo isso, toca também o Violão e o Cavaquinho, nasceu na Fazenda Barreiro, no Município de Iturama-MG, numa Segunda-Feira, 01/10/1953, às 05:15 da manhã.

Filho de Aparecida de Souza Queiroz e Rodolfo Ferreira de Queiroz, Enúbio foi criado na roça, onde trabalhou na lavoura e na lida de gado, juntamente com seu pai. Seu interesse pela Viola Caipira surgiu ainda na infância, já que seu pai também tocava o tradicional Instrumento Musical Caipira Raiz.

Enúbio teve um Cavaquinho como seu primeiro Instrumento Musical, o qual aprendeu a tocar com Otaviano Francisco da Silva, o Baiano. Mais tarde, além de algumas aulas de Canto, estudou também o Violão Clássico, tendo se formado no Conservatório Renato Fratesh na cidade de Uberaba-MG. Enúbio estudou também no Conservatório Carlos Gomes na cidade de São José do Rio Preto-SP, na Academia Santa Cecília, em Goiânia-GO e na Academia de Música de Osasco-SP. No Estado de São Paulo, Enúbio também teve aulas com o Violonista e Professor Paulo Barreiros.

Ainda bem jovem, Enúbio começou a tocar profissionalmente, acompanhando ao Cavaquinho alguns conjuntos de Forró em bailes de fazenda pelo Interior das Minas Gerais, recebendo então os primeiros cachês, com força de vontade, segurando a barra até o sol raiar...

De acordo com Romildo Sant' Anna (Pesquisador de Cultura Popular Brasileira e Professor de História da Arte da UNESP - São José do Rio Preto-SP), no encarte do CD "Viola Refinada" (ver mais detalhes sobre o mesmo logo abaixo), Enúbio Queiroz "foi beber na mesma fonte dos antigos jograis e menestréis da Idade Média Européia, época e lugar em que a Vihuela de Mano embalava o imaginário coletivo, adornando cantares trovadorescos e as pequenas gestas romanceadas (...) Enúbio registra (...) a sua Arte da Viola, instrumento musical submetido ao mais severo de todos os críticos de arte: o filtro do tempo. Tecnicamente muito refinado, o tinir rasqueado e dedilhado da Viola abrange os variados campos harmônicos, dos médios aos agudos, como se fosse o entoar de uma dupla de cantadores (...) Enúbio nunca esquece a cor do chão, a exuberância tropical de nossas matas, o cântico dos aboios de vaqueiros, tropeiros e carreiros do sertão. Por isto, o choramingo de um carroção de bois, no virtuosismo instrumental de Enúbio, acaba expressando o sensorial e a etnologia do Mundo Caipira."

De acordo com o Violeiro Pinho, em sua excelente Revista Viola Caipira - Nº. 12 - Pág. 10, "Sua primeira composição para Viola 'Revoada Das Andorinhas' data de 1985 e virou notícia em todos os programas de jornalismo da Globo, chegando a passar duas vezes no 'Fantástico'. A partir daí abraçou o cinturado da Viola, dando aulas e estudando. Foram horas, dias, meses, anos de dedicação, e o resultado foi chegando aos poucos, com muitos alunos e admiradores."

Além do excelente Solista de Viola que é, Enubio Queiroz também criou Métodos e Vídeo-Aulas não apenas de Viola Caipira, mas também de Violão Sertanejo. Enúbio foi também um dos autores do Método de Viola intitulado "Repertório De Ouro Para Viola Caipira", editado pela Editora Ricordi do Brasil.

Considerado um dos principais Violeiros da Música Caipira Raiz, Enúbio Queiroz, antes de gravar seus excelentes CD's como Solista, gravou dois LP's, fazendo parte da dupla "Economista e Contador", juntamente com João Roberto Costa. Enúbio gravou também o terceiro LP juntamente com Abssoir José Correia. E o passo seguinte foram os CD's em Solos de Viola!

Quero aqui destacar o CD "Viola Refinada - Volume 1" que Enúbio lançou em 1997 pela Movieplay, com diversos ritmos que incluem Valsa, Choro, Quadrilha, Country, Forró e Polca Paraguaia, dentre outros, contendo inesquecíveis Clássicos do Repertório Caipira Raiz, como por exemplo, "Menino da Porteira" (Teddy Vieira - Luizinho), "Saudades de Matão" (Antenógenes Silva - Jorge Gallati - Raul Torres), além de uma Peça Erudita arranjada para Viola que é o "Minueto em Sol Maior" (Ludwig Van Beethoven), tendo também uma adaptação da conhecidíssima Canção Natalina "Noite Feliz" (Franz Grübber - Joseph Mohr) (como se fosse uma "Caixinha de Música").

Além desse maravilhoso repertório, o CD ainda brinda o Apreciador com belíssimas composições próprias bastante originais, dentre as quais, a Oração "Santa Cecília" (Enúbio Queiroz), (em forma de "tremulo" homenageando a Padroeira da Música), o Baião "Visões do Nordeste" (Enúbio Queiroz) (baseado no canto dos Trovadores Nordestinos) e a "Moda de Viola Para Mão Esquerda" (Enúbio Queiroz) que, segundo o próprio Intérprete e Compositor, "Às vésperas de um recital, uma repórter perguntou o que eu tinha de diferente no repertório; era uma novidade em composição; então mostrei a Moda de Viola, somente tocada com a mão esquerda".

E, de acordo com Romildo Sant' Anna, no respectivo encarte, "Este CD, muito além do prazer estético que, com certeza, propiciará aos ouvintes, é um atestado de amplo alcance musical da Viola, já incursionado por magníficos Violeiros, como Renato Andrade, Tião Carreiro, Roberto Nunes Corrêa e Almir Sater. Trazendo a Viola para a modernidade, intersecciona os ornatos acústicos da Viola à sonoridade acústica, percussiva e eletrônica de vários instrumentos, preenchendo e criando campos harmônicos que se rejuvenescem e perduram no tempo (...) um novo caldo brasileiro que, na maior das radicalidades, é espelho da nossa identidade. Como a nossa própria Cultura Mestiça, fazemo-nos, como escreveu Lévi-Strauss, da Alquimia de ingredientes crus e cozidos. É ouvir, admirar e sentir-se refletido no espelho."

Sem dúvida, um excelente CD que faz jus ao nome que tem!! Enúbio também lançou pela mesma gravadora o CD "Viola Refinada - Volume 2".

Merece destaque também o CD "Riacho dos Passarinhos", gravado em Maio de 2002 e lançado pela Live Music em 2003, o qual brinda o Apreciador com belíssimas interpretações de Clássicos Caipiras tais como "Chalana" (Mário Zan - Arlindo Pinto), "Pagode Em Brasília" (Lourival dos Santos - Teddy Vieira), além de "Acordes Orientais" (Gaúcho da Fronteira) e de belíssimas composições próprias, dentre as quais, o Fado "Serenata Portuguesa" (Enúbio Queiroz), o Cururu "Viola Bernardino" (Enúbio Queiroz), a Polca Paraguaia "Nas Asas Do Tico-Tico" (Variações Sobre o Tema de "Tico-Tico No Fubá") (Zequinha de Abreu - Enúbio Queiroz), além da faixa-título que é a Querumana "Riacho Dos Passarinhos" (Enúbio Queiroz) e do Depoimento em "Conversa Ao Som Da Viola" (Enúbio Queiroz).

Nesse CD, Enúbio toca Viola Caipira, Violão, Cavaquinho e Viola-Banjo, tendo a participação de Nilson Toledo (Primeiro Violão-Base) e Felipe Giacchetto de Queiroz (Acordeon). De acordo com o próprio Enúbio, esse CD "... é resultado de uma pesquisa imaginária aproximando a Viola Caipira em vários Estilos Musicais."

Quero aqui destacar também o DVD (também editado em CD) "A Viola E Um Violeiro", no qual Enúbio brinda o Apreciador com um magnífico recital na Igreja Basílica de São José do Rio Preto-SP no dia 04/08/2006, com a participação de Nilson Toledo no Violão. No repertório, além de belíssimas Composições de Enúbio Queiroz, o Apreciador também pode ouvir arranjos para Viola Caipira de belíssimas páginas musicais tais como "Sons de Carrilhões" (João Pernambuco), "Abismo de Rosas" (Américo Jacomino) e "Trenzinho do Caipira" (das Bachianas Brasileiras N° 2) (Heitor Villa-Lobos).

Enúbio Queiroz também foi semi-finalista do Prêmio Syngenta de Música Instrumental de Viola no ano de 2004. O excelente Solista de Viola é também autor de dois "Vídeos-Cursos" intitulados "Viola Caipira" e "Violão Sertanejo".

Enúbio Queiroz tem orgulho de sua origem, já que considera o autêntico Caipira como uma "espécie em extinção". "Unido o útil ao agradável", Enúbio fundou a loja "Danúbio Instrumentos Musicais" e também se apresenta em dupla com seu filho Felipe Queiroz.

E, em entrevista ao Pinho, editor da excelente Revista Viola Caipira - Nº. 12 - Pág. 10, Enúbio Queiroz afirma que o que o chamou para a estrada "...foram as insistentes solicitações dos que acreditam na sinceridade de mais um Violeiro das Gerais. Tem-me sido extraordinariamente gratificante a cobrança, pelos mais diversos meios - cartas, telefonemas, e-mails... - vinda de todo o país e até de fora, como Estados Unidos, Japão e Portugal: - 'E aí, quando é que você vem fazer um show por aqui?'... Some-se a isso o natural desejo de dividir com o público os muitos anos de busca daquele som, o qual persegue todo tocador de Viola. É o lado bom da mineira espera pelo momento mais propício (...) A hora é agora: menos loja, mais Viola! Como cantou o mineiro ilustre: 'É preciso ir aonde o povo está'!"

Contato para shows:

Danúbio Queiroz - Cursos e Manutenção:
Rua Marechal Deodoro, 2423 - Boa vista
15.025-070 - São José do Rio Preto-SP

Fone: (17) 3234-4769
Fax: (17) 3233-6716

e-mail: [email protected]


Clique aqui e conheça o Site Oficial de Enúbio Queiroz, o qual nos apresenta uma biografia mais completa escrita por ele próprio, bem como sua loja "Danúbio Queiroz - Cursos e Manutenção" em São José do Rio Preto-SP, onde o Apreciador poderá adquirir seus CD's, DVD's, Métodos de Viola Caipira, bem como Instrumentos Musicais e acessórios diversos, além de Partituras e Livros Diversos sobre Música.









Na foto abaixo, Ricardinho e Enúbio Queiroz, na Loja de Instrumentos Musicais "Danúbio Queiroz" em São José do Rio Preto-SP, no dia 16/03/2009 (foto de autoria de minha Esposa (a Netinha)):




Na foto abaixo, da esquerda prá direita, o Violonista Nilson Toledo, Teca (Maria do Carmo das Primas Miranda), Enúbio Queiroz, o Harpista Arsênio, minha Esposa (a Netinha) e Ricardinho, na Loja de Instrumentos Musicais "Danúbio Queiroz" em São José do Rio Preto-SP, no dia 16/03/2009 (foto de autoria de Dilson Vaz Cipolli):




Na foto abaixo, Ricardinho, Enúbio Queiroz e Teca (Maria do Carmo das Primas Miranda), na Loja de Instrumentos Musicais "Danúbio Queiroz", em São José do Rio Preto-SP, no dia 16/03/2009 (foto de autoria de minha Esposa (a Netinha)):




Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Enúbio Queiroz, Ricardinho, Teca (Maria do Carmo das Primas Miranda), e Nilson Toledo, na Loja de Instrumentos Musicais "Danúbio Queiroz" de propriedade do Violeiro Enúbio Queiroz, em São José do Rio Preto-SP, no dia 16/03/2009 (foto de autoria de minha Esposa (a Netinha)):




Voltei a me encontrar com Enúbio Queiroz em Belo Horizonte-MG, no dia 18/01/2011, por ocasião do Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira!

Na foto abaixo, Enúbio Queiroz (premiado na Categoria "Pesquisador / Professor"), Ricardinho e Tarcísio Manuvéi (agraciado na Categoria "Grupo De Viola", pelo excelente Grupo Viola de Nóis)!




Voltar ao Topo


Fernando Caselato:

Esse jovem Solista de Viola, Compositor, Arranjador e Professor é natural de Itajaí-SC e é na cidade de Bauru-SP que ele vem desenvolvendo um trabalho instrumental na Viola Brasileira com arranjos que vão do simples ao sofisticado.

Arrasta–Pé, Toada, Chamamé, Cateretê, Guarânia, Baião, Pagode de Viola, Batuque e Polca estão entre os diversos Ritmos Musicais com os quais Fernando tem trabalhado. E, em suas composições musicais tem mostrado propostas interessantes relativas às técnicas das mãos, com espaço também para improvisações em suas apresentações. Seu Aprendizado, no entanto, teve início de uma forma bem diferente:

Já contando 18 anos de idade, Fernando César Caselato iniciou seus estudos musicais em 1989 na Capital Paranaense, no Conservatório Villa-Lobos onde estudou Violão Erudito.

Dois anos depois, em 1991 Fernando trocou Curitiba-PR pelo Interior Paulista, mudando-se para Bauru-SP, onde passou a se dedicar à Música Brasileira, trabalhando com cantores da MPB e tocando em conjuntos diversos com apresentações em diversos lugares do Brasil.

E foi em 1993 que Fernando Caselato passou a lecionar Música em diversas escolas da região, atividade que vem exercendo até os dias de hoje. Paralelamente a isso, Fernando deu continuidade aos seus estudos com músicos de diversas tendências, indo do Erudito ao Jazz, tendo sempre como foco Boa Música Brasileira. Professores do quilate de Amilton Godoy, Paulo Flores, Aldo Landi, Valdomiro Prodóssimo, Fernando Correa e Zé Eduardo Nazário estão entre os diversos excelentes Músicos que contribuíram para a formação musical de Fernando Caselato.

E, a partir de 1999, Fernando Caselato passou a se dedicar exclusivamente ao estudo e à pesquisa da Viola Caipira, passando também a compor e a fazer arranjos para o tradicional Instrumento Musical Brasileiro.

Quero aqui destacar o CD "Pé de Viola", no qual Fernando Caselato interpreta, numa Viola de fabricação JB, as treze Composições Instrumentais, todas de sua autoria, num excelente trabalho produzido por ele mesmo, gravado e mixado em 2004 na Fábrica de Som Studio de Bauru-SP, tendo também a participação de Guilherme Soares no Violão e também a Percussão a cargo dos próprios Fernando Caselato e Guilherme Soares.

A sétima faixa de seu CD é "Novos Rumos", música com a qual Fernando Caselato esteve entre os dezesseis finalistas e conquistou o Prêmio "Revelação Nacional da Música Instrumental de Viola" no I-Prêmio Syngenta de Música Instrumental de Viola 2004, cuja final teve lugar no Teatro Alfa na Capital Paulista em 27/10/2004. Na foto abaixo, Fernando Caselato na final do Prêmio Syngenta:





Quero destacar também o CD "Prêmio Syngenta de Música Instrumental de Viola 2004" que nos brinda com a gravação ao vivo dos 16 finalistas, tendo como destaque "Novos Rumos" (Fernando Caselato), e também as faixas "Esplendor" (Sidnei de Oliveira), "Amazônia" ( Fernando Deghi), "Moda Barroca" (Renato Aresi), "Bravio" (Márcio Freitas) e "Eta Pagode" (Neto Stefani), que foram respectivamente a 1ª, 2ª, 3ª, 4ª e 5ª colocadas, todas interpretadas pelos seus respectivos autores!

Clique aqui e conheça o Site Oficial de Fernando Caselato com informações importantes, além de Partituras e Tablaturas e curiosidades diversas sobre a tradicional Viola Caipira que Fernando Caselato toca com Maestria!

Contato para shows:
(14) 3276-5183
e-mail: [email protected]


Fernando Caselato é também professor do "Cumpadre" Luiz Viola de Bauru-SP, excelente estudioso da Viola e da Cultura Caipira, criador do Blog e do Sítio do Violeiro... e que continham informações preciosas sobre a Viola e a Cultura Caipira, no entanto, com muita tristeza, eu tenho que noticiar que, no início de 2013 o UOL "fez o favor" de desativar o Blog, e o Site O Violeiro do "Cumpadre" Luiz Viola, diminuindo drasticamente a quantidade de Conteúdo Cultural na Internet... Lamentavelmente só nos resta continuar visitando o Trabalho de Artes Plásticas do "Cumpadre" Luiz Viola, em seu Blog O Desenhista... E a ordem é: conheça-o, antes que mais uma "mente inculta" resolva tirá-lo do ar...

Luiz Viola está na foto acima à direita, de camisa vermelha, junto com outros alunos de Fernando Caselato.


E, na foto abaixo, Fernando Caselato e Ricardinho no dia 17/06/2005 por ocasião da Festa Junina que se realizou no SESC de Bauru-SP.



Voltar ao Topo



Fernando Deghi:

De formação erudita, esse excelente Solista de Viola nasceu em Santo André-SP no dia 15/05/1962. Fernando Deghi mora atualmente no belíssimo distrito de Riacho Grande em São Bernardo do Campo-SP.

É considerado atualmente, uma das "jóias raras", que vem contribuindo para o avanço técnico e musical da Viola Caipira em nosso paísl.

Descendente de espanhóis (de Córdoba e Granada) e oriundo de família de músicos, herdou de seus bisavós a influência da Música Espanhola. Dentre eles, destaque para Benita Munhoz, sua bisavó, dançarina e tocadora de castanholas, e Luiz Torres, seu "bisatio", guitarrista flamenco.

Por outro lado, seu avô paterno, Benedito Deghi, foi sanfoneiro que tocava em bailes em Santana do Parnaíba-SP. E seu pai, Benedito Deghi Filho, cultivava a Música Regional quando residia em "Maringá Velho" no Interior do Paraná.

Desde os 5 anos de idade, Fernando já cantava juntamente com seu pai as músicas de duplas caipiras tais como Tonico e Tinoco, Alvarenga e Ranchinho e Cascatinha e Inhana, entre outras. E foi nos bailes em terreiros de café que Fernando Deghi observou os conjuntos musicais e aprendeu a tocar Violão e Viola, cantando em dupla com sua irmã Maria, o belíssimo e tradicional Cancioneiro Caipira Raiz.

Seu avô materno José Rodrigues também foi acordeonista e ensinou ao neto Rancheiras, Polcas, Mazurcas e Valsas.

E sua mãe, na "rotina doméstica", ouvia discos de óperas e, quando passava roupas, ouvia discos do Violonista Dilermando Reis, sempre com a mais atenta atenção do menino Fernando quando este estava presente.

Outra influência musical foi a Igreja Católica: Fernando estudou dos 7 aos 12 anos em um Colégio de Freiras Franciscanas e, durante esse tempo também foi "Coroinha", de onde lembra dos belíssimos Cantos Gregorianos que ouvia. Aos 13 anos, quase foi para o Seminário, para ser Padre, no entanto, como nos diz o próprio Fernando, "...fui alertado por uma voz, que soprou em seus ouvidos, dizendo: seu caminho é outro, aguarde a sua verdadeira missão..."

Foi aos 14 anos que Fernando passou a estudar Violão (por música - lendo partitura). E, aos 16 anos, deu seu primeiro Concerto, no qual participou de um Duo Violonístico, interpretando obras de compositores espanhóis tais como Manuel de Falla, Ferdinando Carulli, Fernando Sor e Enrique Granados, e também de compositores brasileiros tais como Zequinha de Abreu e Dilermando Reis.

Mudou-se então para o Interior Paulista e passou a dar aulas no Conservatório Musical de Pirassununga, onde foi também responsável pela introdução do Curso de Violão.

Lecionou, ainda, em diversas outras cidades, entre as quais Porto Ferreira, Santa Cruz das Palmeiras, Tambaú, Casa Grande, São Simão e Santa Rita do Passa Quatro, todas no Interior Paulista. E, em Santa Rita do Passa Quatro, Fernando teve a oportunidade de conhecer a casa na qual Zequinha de Abreu (compositor da valsa "Branca" e do chorinho "Tico-Tico no Fubá", entre muitas outras preciosidades) morou depois de casado, em uma pequenina cidade chamada Estrela. Teve, nessa época, um contato com a Música Regional das festas folclóricas o que ajudou em sua formação musical.

Buscando novos rumos para seu trabalho, aprendeu a tocar Bandolim e passou a executar alguns Choros, atuando em Regionais.

Casou-se aos 21 anos e seu casamento lhe trouxe novas perspectivas musicais, pois seu sogro, Antonio Pendezza, era Músico de bailes de roça quando morava em Catanduva-SP. Cunhado de João Cunha, primo direto de "Zico e Zeca", "Liu e Léu" e "Vieira e Vieirinha", Antônio Pendezza tocava Viola, Cavaquinho e Violão. E Fernando, recordando a infância e, influenciado diretamente pelas Modas, Catiras, Ponteados e Pagodes Caipiras, decidiu-se pela tradicional Viola Caipira.

E, segundo João Cunha, "...O dia que você tocar Viola como toca o seu Violão, vai acontecer uma parceria de grande importância à Musica Popular Brasileira, e ao avanço da Viola Caipira, que está precisando de sangue novo..." Fernando Deghi guardou essas palavras e seguiu em frente com seu Violão e sua Violinha que tocava de vez em quando.

Fernando teve ainda algumas aulas de Violão com Henrique Pinto.

Entre 1984 e 1985, estudou Guitarra Portuguesa com Manuel Marques, após tê-lo visto num programa de TV. Chegou a tocar inclusive famosos Fados e Corridinhos. Manuel Marques incentivou Fernando Deghi a continuar se dedicando ao Violão, depois de ter assistido a um vídeo de seus concertos.

E, em 1986, Fernando interrompeu o trabalho com o Violão nos palcos e restringiu-se a alguns raros "Concertos Caseiros". E passou a se dedicar à profissão de Afinador de Piano, tendo inclusive afinado o instrumento para Eudoxia de Barros e Arthur Moreira Lima, entre outros.

E Fernando passou a se dedicar-se ao estudo e aprendizado da Viola Caipira. Segundo ele, "...em seu peito estava cravado um espinho, uma cobrança continua que lhe atormentava, pelo fato de tantos anos de dedicação à Música e, naquele momento, em total abandono, pois havia cansado de ser intérprete de um instrumento que não mais satisfazia seus anseios..." E, após profunda reflexão, decidiu se dedicar intensamente à Viola Brasileira no campo da pesquisa, resgate e novas possibilidades, já que a Viola não é apenas um instrumento, do contrário, traz consigo uma grande historia, uma filosofia de vida, um modo se ser simples e original, e a cara de um Brasil que não pode esconder que grande parte de suas tradições foram acompanhadas ao som deste fantástico instrumento.

Fernando dedica-se intensamente à Viola Caipira desde 1989. É bem verdade que "já poderíamos conhecê-lo há muito mais tempo", já que ele "teve propostas" de diversas gravadoras e editoras, pelas quais agradece. Preferiu, no entanto, "esperar mais um pouquinho", adquirir mais experiência, e lançar seus trabalhos por sua própria produtora e editora: Violeiro Andante Produções.

Em 1999, lançou o CD "Violeiro Andante - A Viola Brasileira E Suas Possibilidades", contendo 14 composições, sendo 13 de sua autoria e também um arranjo inédito para a célebre "Ave-Maria" de Gounod. Nesse CD, aparecem as diversas influências musicais presentes em sua vida: o Regional, o Barroco, o Clássico, o Choro, a Modinha, o Chamamé, o Pagode Caipira, o Conto de Caboclo e o Flamenco. Destaque para "Não Mexe Comigo" e "Meu Mestre Tião", ambas compostas por Fernando Deghi e dedicadas a Tião do Carro e ao Criador e Rei do Pagode Tião Carreiro, respectivamente.

"Tião Carreiro foi uma das maiores essências musicais violeirísticas do nosso país. Além de suas Músicas com letras bem elaboradas em motivos diversos, os solos que antecediam as mais variadas estrofes, julgo eu, são verdadeiros estudos melódicos, aos que pretendem ingressar na carreira violeirística, sem contar o famoso ritmo do pagode." (Palavras de Fernando Deghi, no encarte do CD "Violeiro Andante")

E Fernando Deghi acrescenta: "Lhe ofereço então este Chamamé ("Meu Mestre Tião"), e não um Pagode. Porque no Pagode, só existiu um: você! Obrigado por ter existido."

Quero destacar também "Minuetando em Bá Maior - Nº. 1" (Fernando Deghi - Clodomiro Martins) e "Minuetando em Bá Maior - Nº. 2" (Fernando Deghi), nas quais, em afinação "Cebolão", Fernando Deghi nos mostra uma das inúmeras possibilidades da Viola Caipira, com sonoridade que nos faz lembrar o Cravo Barroco, homenageando o célebre compositor alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750).

Além de "Violeiro Andante - A Viola Brasileira E Suas Possibilidades", Fernando Deghi também gravou o CD "Brasil Violado - Cantorias e Instrumental, com a participação de Edmauro Lima (Violeiro da Amazônia).

Ambos os CD's podem ser adquiridos pelo Apreciador no site oficial de Fernando Deghi, onde o Apreciador também poderá conhecer mais um pouco sobre esse excelente Solista de Viola!

Fernando Deghi também participou brilhantemente e, com sua belíssima composição "Amazônia", conquistou o 2º. Lugar no "I-Prêmio Syngenta de Música Instrumental de Viola 2004", cuja final teve lugar no Teatro Alfa em São Paulo-SP. Na foto abaixo, Fernando Deghi na final do Prêmio Syngenta em em 27/10/2004:





Contato para shows:
Violeiro Andante Produções: (11)4354-0081
e-mail: [email protected]



Tive também a oportunidade de assistir a uma apresentação de Fernando Deghi por ocasição do II Encontro de Violeiros que teve lugar em Ribeirão Preto-SP nos dias 13 e 14/03/2004. Na foto à esquerda, Fernando Deghi em Ribeirão Preto, em 14/03/2004 onde ele nos deu uma amostra do seu excelente conhecimento musical.



Encontrei-me novamente com Fernando Deghi quando ele esteve presente na Cerimônia de Premiação do Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira, promovido pelo IBVC - Instituto Brasileiro da Viola Caipira, no Memorial da América Latina, em São Paulo-SP, no dia 17/06/2013. Na foto abaixo, Ricardinho com Fernando Deghi, no dia da premiação:




Voltar ao Topo




Fernando Sodré:

"Tive o prazer e o privilégio de acompanhar um pouco o processo de gravação do primeiro CD de carreira do jovem Violeiro Fernando Sodré. Gostaria de destacar o cuidado profissional que envolveu essa produção (...) que faz a gente pensar em como a Viola Caipira realmente já ultrapassou as cercanias do Sertão e hoje é um instrumento, uma sonoridade, que se aplica perfeitamente no melhor da nossa Música Popular Brasileira. Em canções que namoram com o Sertão mas partem da Cidade Grande, em solos virtuosos muito bem gravados, Fernando Sodré trilha um caminho que, se bem cuidado, se bem orientado, pode colocá-lo como mais um dos expressivos nomes do nosso atual Cenário Musical."

(Comentário do Violeiro Chico Lobo, no encarte do CD de Fernando Sodré)

Esse jovem Pesquisador e Solista de Viola é Mineiro nascido em Belo Horizonte-MG.

Começou a tocar Violão com 14 anos de idade e, aos 19 anos, passou a dedicar mais seriedade ao estudo da Música, passando também a praticar de 8 a 9 horas por dia a técnica da Viola Caipira.

De início, o Chorinho era o estilo musical preferido de Fernando Sodré que, no início dos estudos, foi influenciado pelo saudoso Violonista Raphael Rabello.

Como um Bom Músico Clássico, juntamente com a Viola Caipira, Fernando Sodré também estudou Violão Erudito durante quatro anos com Alexandre Piló, aprendizado esse que contribuiu bastante com sua criação e composição na Viola Caipira.

Fernando Sodré fez também um curso de Técnica Vocal, o que lhe deu mais experiência, além de possibilitar algumas apresentações como Cantor, além de Instrumentista.

É curioso como Fernando Sodré fez um "caminho inverso" pouco comum nos Compositores e Intérpretes da Música Caipira Raiz, já que, após dois anos dedicados ao Chorinho, foi que esse jovem Solista resolveu se dedicar à Música Caipira, pesquisando e aprofundando as possibilidades do tão tradicional instrumento musical, a partir da influência de excelentes Violeiros do quilate de Tião Carreiro e Pardinho, Tonico e Tinoco, Renato Andrade, Renato Teixeira, Almir Sater e Tavinho Moura, apenas para citar alguns.

Além do Chorinho e da Música Caipira Raiz, outro estilo também estudado por Fernando Sodré é o Flamenco, com influência do Violonista Espanhol Paco de Lucia.

Jovem e, de espírito empreendedor, não se limitando apenas ao que já se apresenta no mercado, Fernando Sodré também inova e "reinventa" a Viola Caipira: de sua parceria com a Hootz Lutheria e também de suas incansáveis pesquisas, ele acrescentou mais 4 cordas ao tradicional Instrumento Musical, criando assim a Viola de 14 Cordas, com maior extensão e possibilidade de notas e acordes mais graves, e que já vem sendo tocada em diversos lugares dentro e fora do Brasil.

Fernando Sodré é também um dos vencedores do Prêmio Jovens Instrumentistas do BDMG 2002, o que proporcionou ao jovem Músico o encontro com o inesquecível violeiro Renato Andrade, com quem apresentou seu trabalho, no Teatro Izabela Hendrix, no ano de 2003.

Fernando também já fez parte do Grupo Para-Folclórico "Sarandeiros", com quem viajou em tourneé pela Itália em Julho de 2003.

Em 2005 Fernando Sodré se sagrou vencedor do VIII Festival de Inverno de Sanfona e Viola de Mimoso do Sul-ES e, no mesmo ano, participou também do projeto "Violas e Histórias de Minas", realizado no famosíssimo Canecão, no Rio de Janeiro-RJ, ao lado do Contador de Causos e Poeta Tadeu Martins e também do violeiro Chico Lobo.

Em sua brilhante trajetória musical, Fernando Sodré já se apresentou em teatros da Capital Mineira, como o Palácio das Artes, o Teatro Alterosa, o SesiMinas e a Sala Juvenal Dias, além de outros teatros no Interior das "Geraes", além de apresentações em São Paulo-SP e Brasília-DF, dentre diversas outras cidades.

Além da Música Caipira Raiz, Fernando prossegue em sua pesquisa no universo do Choro, juntamente com o Professor de Violão Erudito Alvimar Liberato da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), com quem desenvolve o "Show 10 x 7", que une a Viola de 10 Cordas ao Violão de 7 Cordas, interpretando Choros com bastante virtuosismo dos dois Instrumentos Musicais.

Fernando Sodré também participa da Revista Viola Caipira, sendo responsável pela seção "Destrinchando Tião Carreiro e Almir Sater", onde transcreve suas técnicas em partituras incluindo fotos das mãos no braço da Viola!

Quero aqui destacar o primeiro CD de Fernando Sodré o qual nos apresenta não apenas um maravilhoso repertório composto não apenas por Música Caipira Raiz, mas que também nos brinda com dois excelentes Choros, que são "O Vôo da Mosca" (Jacob do Bandolim) e "Graúna" (João Pernambuco), além da demonstração de um virtuosismo fora do comum, com técnica similar à dos grandes Violonistas Eruditos!

De acordo com o Poeta e Contador de Causos Tadeu Martins, em comentário no encarte do CD, "Fernando Sodré é mineiro, mas a sua Música é universal, ultrapassa todas as fronteiras, inclusive a que existe entre os ouvidos e o coração (...) é muita bagagem para sua pouca idade. Mas pouca gente sabe da dedicação do Violeiro: são muitas horas por dia, todos os dias do mês, todos os meses dos mais de 10 anos de amor com a Viola. Uma paixão que começou com os Chorinhos. Depois, um dedilhar firme, uma amaciada nas cordas e... sons de todos os tons foram traduzidos para o idioma "Violês": MPB, Clássicos, Rock, Blues, Caipiras, Milongas, Calangos e Lundus, entre tantos outros gêneros musicais dos quatro cantos do mundo (...) Mas ouvir é pouco; eu lhes dou um conselho: não deixem de ver um show deste grande Violeiro, Pixinguinha das Dez Cordas, Baden Powell da Viola, Beethoven do Pinho, ou simplesmente Fernando Sodré, um menino do Planeta Terra que sabe fazer mágicas com as Cordas da Viola."

Quero também destacar o segundo CD de Fernando Sodré, intitulado "Rio de Contrastes", no qual Fernando Sodré nos brinda novamente com um Repertório Instrumental de altíssima qualidade, na Viola Caipira, contando com as participações de Hamílton de Holanda (Bandolim de 10 Cordas), Daniel Santiago (Violão), Gabriel Grossi (Harmônica), Márcio Bahia (Bateria) e Thiago do Espírito Santo (Baixo Fretless). E, nas Músicas "Despedida" (Fernando Sodré), "Baião Quebrado" (Fernando Sodré) e "Rio de Contrastes" (Fernando Sodré - Rafa Duarte), Fernando Sodré toca Viola de 14 Cordas!

De acordo com o Jornalista e Crítico Musical Kiko Ferreira, em comentário no encarte do CD, "A Viola Caipira é um Instrumento tinhoso, traiçoeiro e feiticeiro. Como os Instrumentos de Cordas do grupo de Choro, não admite enganação. Ou o Caboclo assume rédeas e aponta caminhos, ou se perde dos pares. Não conquista a confiança do ouvinte. Desanda o molho... Na primeira vez em que ouvi Fernando Sodré, tocando Choro na Viola, imediatamente identifiquei alí um Músico original, um artesão que domina o Instrumento com intimidade e senso de desafio. Ao ouvir 'Rio de Contrastes', constatei que não só ele continua um Artista de pegada original, capaz de levar a Viola a geografias não exatamente identificadas com sua trajetória, como vi que ele, aos poucos, foi se aproximando e de outros transcriadores importantes, como Hamílton de Holanda, Yamandu Costa e Gabriel Grossi. Longa Vida, Sodré! A Música Agradece."


Clique aqui e conheça o Site Oficial de Fernando Sodré contendo fotos, notas da Imprensa e informações diversas desse excelente Violeiro.


Contato para shows e venda de CDs:

(31) 3486-7848 - falar com Daniele Bronzatti Siqueira
(31) 9241-0704 - falar com Daniele Bronzatti Siqueira
(31) 9114-8093 - falar com Geovana Jardim
(31) 9613-0255 - falar com Geovana Jardim

Ou por e-mail: [email protected]
[email protected]



Tive o prazer de conhecer pessoalmente esse excelente Solista de Viola no dia 18/01/2011, no Minas Centro, em Belo Horizonte-MG, por ocasião do Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira!!!

Na foto abaixo, Fernando Sodré e Ricardinho, no SESC Venda Nova, na madrugada de 18 para 19/01/2011. Fernando Sodré foi premiado na Categoria "Outras Vertentes" pelo seu excelente trabalho solando a Viola Caipira, incluindo o Jazz! Após a Premiação no Minas Centro, a "Roda de Viola" nas dependências do SESC Venda Nova se extendeu até por volta das 06:00 da manhã!!! Foi um espetáculo musical inesquecível!!!




Voltei a me encontrar com Fernando Sodré quando ele esteve presente na Cerimônia de Premiação do Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira, promovido pelo IBVC - Instituto Brasileiro da Viola Caipira, no Memorial da América Latina, em São Paulo-SP, no dia 17/06/2013. Na foto abaixo, Ricardinho com Fernando Sodré, no dia da premiação:





Voltar ao Topo




Gedeão da Viola:

Gedeão Nogueira nasceu no dia 16/04/1945 em Limeira-SP. Carregando no sangue desde menino a Cultura Caipira, conheceu com apenas 6 anos de idade a Dança da Catira, pela qual se apaixonou, dançando junto com os adultos. Gedeão dançou bastante Catira na região de Piracicaba-SP antes de se tornar Violeiro.

Em 1985 Gedeão seguiu para a Capital Paulista onde trabalhou como Artesão, consertando e reformando Instrumentos Musicais de Corda.

Como Artesão, Gedeão trabalhava próximo ao Café dos Artistas, na Praça Júlio de Mesquita, no "Coração da Paulicéia Desvairada", local que era um "reduto de boêmios", onde se podia encontrar Violeiros, Compositores e Cantadores que ali se reuniam para trocar idéias, vender Instrumentos Musicais, compor novas Letras e Músicas ou mesmo tomar uma cerveja e cantarolar... E foi nessa época que Gedeão conheceu diversos Músicos da MPB e também da Música Regional, com os quais chegou mais tarde a dividir o palco. Dentre eles, Sérgio Reis e Téo Azevedo, além de "Castanha e Caju", Saulo Laranjeira, Luiz Vieira, Silvio Brito e outros mais.

Foi nessa lida como Artesão que Gedeão acabou gostando do som do tão tradicional Instrumento Musical Caipira Raiz, do qual foi um aprendiz auto-didata, depois de afinar Violas de renomados Músicos Caipiras do quilate de Bambico, Zé do Rancho e também do Criador e Rei do Pagode que foi o Tião Carreiro.

E foi no ano de 1988 que Gedeão, incentivado por seu amigo Sayo, gravou "Pau-Brasil" (Gravadora Tocantins - GTL-1155), o seu primeiro LP, com Solos de Viola Caipira. A faixa-título "Pau-Brasil" (Gedeão da Viola) chegou a ser o tema da abertura do Viola Minha Viola na TV Cultura de São Paulo-SP, apresentado pela "Madrinha" Inezita Barroso. Para nossa felicidade, o LP "Pau-Brasil" foi remasterizado em CD no ano de 1995 e, além da faixa-título, diversas outras Músicas desse disco foram utilizadas como trilhas sonoras instrumentais em diversos programas de Rádio, além de reportagens rurais em alguns programas de TV.

E, como Solista de Viola, Gedeão se apresentou em recitais e também em programas de TV tais como o inesquecível Som Brasil (na Rede Globo) e o já mencionado Viola Minha Viola (na TV Cultura de São Paulo-SP). Gedeão também chegou a coordenar, nessa época, a antiga Orquestra de Violeiros de São Paulo.

Novas amizades e parcerias aconteceram, como por exemplo, na composição de "Dois Irmãos" (Gedeão da Viola - Ranchinho II) em parceria com Homero de Souza Campos (1930-1997), que foi um dos companheiros com o nome de Ranchinho na inesquecível dupla Alvarenga e Ranchinho.

Gedeão também foi convidado a se apresentar em Brasília-DF, para representar o Estado de São Paulo, em 1988, na gravação do programa de TV intitulado "Violeiros do Brasil", ao lado de excelentes Violeiros do quilate de Almir Sater, Tião do Carro, Zé Garoto, Roberto Correa, Zé Mulato e Cassiano e Renato Andrade. No entanto, devido a problemas de saúde, Gedeão acabou sendo substituído pelo Tião Carreiro nesse programa.

E, em 1992, Gedeão trocou a Capital Paulista pelo Interior do Estado, passando a residir em Barretos-SP, a convite do amigo Rose Abraão, que era considerado o "Pai dos Violeiros" e que foi também o criador do Festival Violeira, considerado o maior festival de Viola do País, que acontece até os dias de hoje, anualmente, durante a famosíssima Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos-SP.

Em 1996, no entanto, faleceu o amigo Rose Abraão. Vendo-se sem mercado e sem público para a Música Instrumental, Gedeão decide soltar sua voz e cantar, juntando então a qualidade de sua Viola com a afinação de voz de João Pedro, que era seu colega de Reisados e Cantorias. Estava formada a dupla "Gedeão da Viola e Sidney", nome artístico que João Pedro já vinha usando e que viria a trazer bastante sorte nos festivais.

No mesmo ano, "Gedeão da Viola e Sidney" conquistaram o primeiro lugar no Festival Violeira Rose Abraão de Barretos-SP, com a música "Mala de Lembranças" e, no mesmo evento, também foram agraciados com o segundo lugar com a toada "Boiadeiro Sem Boiada". Em 1997, a dupla novamente se consagraria campeã com a moda "Ponte de Safena", o que firmou Gedeão e Sidney como uma das maiores sensações dos diversos Festivais Regionais, ganhando prêmios diversos em praticamente todas as competições das quais participassem.

Em 1998, no entanto, a dupla com Sidney se desfez e Gedeão formou uma nova dupla na qual seu filho Fabiano fazia a Voz e o Violão. No mesmo ano, "Gedeão da Viola e Fabiano" foram agraciados com o primeiro lugar com "Amiga Inseparável" (Gedeão da Viola), uma bela homenagem à Viola Caipira.

E, em 1999, "Gedeão da Viola e Fabiano" ficaram com o quarto lugar no Festival Violeira Rose Abraão, com a música "O Gostoso da Vida".

No ano seguinte, a convite da organização, Gedeão atuou como "garoto-propaganda" do Festival Violeira Rose Abraão, tendo incentivado novas Duplas e Violeiros de todo o Brasil a participarem do concurso. E, no mesmo ano de 2000, Gedeão gravou seu segundo disco de carreira, que foi o CD "Toque Aranhado", em Solos de Viola Caipira, tendo sido seu primeiro disco lançado originalmente nesse formato. Teo Azevedo participou desse CD na faixa "Versos De Barretos".

Gedeão também passou a ministrar aulas particulares de Viola Caipira e Violão, além de também ensinar a tradicional Dança do Catira para crianças e jovens carentes da periferia de Barretos-SP, um belíssimo trabalho com forte cunho social, que também ajudou a resgatar as Raízes do Folclore Brasileiro.

Excelente Professor, Gedeão da Viola influenciou toda uma nova geração de Violeiros que não se esquecem do "Velho Mestre", dentre os quais, Mazinho Quevedo, Noel Andrade, Júlio Santim e Rodrigo Azevedo (sobrinho de Teo Azevedo), além de outros renomados Violeiros que, apesar de não terem sido seus alunos, buscaram inspiração nas técnicas criadas por Gedeão da Viola, como foi o caso de Ivan Vilela e Levi Ramiro.

Ao final do ano 2000, Gedeão da Viola, formou novamente a dupla com João Pedro (de nome artístico Sidney) e a dupla voltou a participar dos diversos Festivais de Violeiros, festas de rodeio e programas de TV. Nessa época eles iniciaram o preparo do primeiro CD da dupla, com composições inéditas, a maioria das quais campeãs do Festival da Violeira Rose Abraão de Barretos-SP. O parceiro Sidney, por sinal, é considerado o maior vencedor do concurso, com 14 premiações, tendo conquistado 3 primeiros lugares juntamente com Gedeão da Viola, além de outros 3 concursos com outros parceiros.

Um novo primeiro lugar foi conquistado pela dupla na Edição de 2001 do Festival Violeira Rose Abraão, dessa vez com "Caboclo Centenário", uma Música ponteada de nostalgia, com boiadeiros e boiadas caminhando pelas cordas da Viola Caipira.

Somente em Agosto de 2002 é que foi lançado o CD "Gedeão da Viola & João Pedro - Vol. 1", pela gravadora RB Music de São Paulo-SP, ocasião na qual Sidney voltou a utilizar seu Nome de Batismo.

Gedeão da Viola, porém, "partiu para o Andar de Cima", na manhã de 27/07/2005, vítima de insuficiência cardíaca, em Barretos-SP, a cidade que havia sido por ele escolhida para poder levar uma vida um pouco mais confortável, tendo já conquistado um de seus maiores sonhos que era comprar um terreno e ter o seu próprio cantinho. Clique aqui, veja e ouça uma belíssima apresentação de Gedeão no Viola Minha Viola na TV Cultura de São Paulo-SP.


Voltar ao Topo


Helena Meireles:

"Fui mulher que nasci para agüentar paradas duras, porque nunca aceitei ser mandada por homem. Nasci prá ser eu, resolver tudo, em qualquer lugar do mundo." Helena Meireles em entrevista à Rosa Nepomuceno para o excelente livro "Música Caipira - Da Roça ao Rodeio" citada na página 405.

Essa notável "Diva da Viola Caipira" nasceu no dia 13/08/1924 "no meio da boiaderama", na Fazenda Jararaca (pertencente a seu Avô Materno) no Pantanal do Mato Grosso do Sul, na antiga estrada boiadeira que acompanhava o rio Pardo e ligava Campo Grande ao Porto Quinze, embarcadouro de gado às margens do rio Paraná, na divisa do Mato Grosso do Sul com o Estado de São Paulo. Faleceu em Campo Grande-MS no dia 29/09/2005.

Estrangeira dentro de seu próprio país, "sua Viola sempre foi sua Pátria" e ela não dizia palavra mais precisa do que o Ponteio triste em "acordes auto-falantes". Na música e no modo de tocar a Viola é que estava a sua essência.

Helena cresceu rodeada de peões, comitivas e violeiros. Fascinada pelas Violas Caipiras, a família não permitia que ela aprendesse a tocar. Aprendeu o instrumento, no entanto, por conta própria, às escondidas, já que esse mundo era "reservado apenas aos homens", segundo o preconceito reinante: "Mulher que aprender a tocar vai roçar nos homens e virar sem-vergonha", advertiam os pais, quando perceberam na filha o fascínio pelos instrumentos musicais. Ameaçavam cortar-lhe os dedos e dar-lhe uma surra de lavar o lombo com salmoura, caso Helena insistisse... Mas Helena, "para nossa felicidade", insistiu: "Tocarei mesmo com os tocos..." E, aos poucos ficou conhecida entre os boiadeiros da região.

Ouvidos atentos e olhos sequiosos gravavam os sons e as posições da "afinação Paraguaçu", empregada nos solos de Viola. Quando a família ia para o campo, Helena se escondia no mandiocal, tocando sozinha.

Ao velho instrumento que lhe havia sido dado de presente por um paraguaio, adaptava uma linha de costura que fazia a vez das cordas de Viola.

Casou-se com apenas 17 anos, por pura imposição dos pais. Nesse primeiro casamento, teve três filhos; como se não bastasse a família, o marido também tentou impedi-la de tocar e dançar; no entanto, ela queria ser livre e o abandonou poucos anos depois. Juntou-se a um paraguaio, que tocava violão e violino; era bom companheiro de música e também de copo; e foram oito anos de convivência. Mais dois filhos e... nova separação.

E, a partir de então, mascava fumo e bebia... Sua índole rebelde não permitiu que tolerasse a família que fazia total oposição ao seu estilo de vida. Entregou os filhos a pais adotivos e passou a tocar em bares e viver em bordéis onde, com seu violão, animava a farra dos boiadeiros. E, nesse processo, conheceu diversos amantes e teve novos filhos, que chegariam a um total de 11.

"Só tocava prá ver a farra, não ganhava nada, mas quando a boiaderama chegava do Pantanal, de cima da serra ou de baixo, trazendo a boiada que ia embarcar em Presidente Epitácio, mandava chamar "a Paraguaia", como eles me conheciam".

Helena conheceu, no bordel do Porto Quinze, um peão pantaneiro, domador de burros bravos, chamado Constantino, que veio a ser o seu terceiro marido, e com quem viveu mais de 35 anos; e seguiram juntos para o Pantanal, onde trabalharam em "retiros" em diversas fazendas nas áreas mais remotas da região.

Mulher decidida, Helena Meireles também foi parteira - e, "parteira de si própria", fez sozinha, por onze vezes, os seus próprios partos - Foi também benzedeira, lavadeira e cozinheira nas diversas fazendas por onde trabalhou.

Com o passar do tempo, Helena deixou de mascar fumo e abandonou a bebida alcoólica, no entanto, não aposentou jamais o Violão nem a Viola, que tocava nas festas locais. Desaparecida da família, acreditavam que ela tivesse sido assassinada por um peão despeitado, na zona do Porto Quinze. Helena ressurgiu em Piquerobí-SP, próximo à divisa com o Mato Grosso do Sul.

Encontrada por sua irmã Natália, Helena, procedente de Aquidauana-MS, tentava chegar a São Paulo-SP, onde ouvira dizer que parte da família se estabelecera há 30 anos. Doente e paupérrima, conservava ainda a destreza instrumental e grande parte do inesgotável e precioso repertório de "jóias lapidadas" do nosso Cancioneiro Regionalista.

Foi descoberta pela mídia a partir de matéria elogiosa publicada na revista norte-americana "Guitar Player". Na verdade, uma fita gravada havia sido enviada aos Estados Unidos por seu sobrinho Mário José, filho de sua irmã Natália; Mário, que já havia morado na "Terra do Tio Sam" tinha um amigo que morava lá e este, por sua vez, encaminhou a fita à redação da revista "Guitar Player". E veio então a fama: Helena "enfrentou pela primeira vez uma câmera de TV" e subiu ao palco de um teatro também pela primeira vez quando se aproximava dos 69 anos de idade. Até então, sua platéia era composta apenas pelos habitantes da Fazenda Jararaca e fazendas vizinhas, além dos peões da "velha estrada boiadeira", bem como os freqüentadores e mulheres de programa das zonas de meretrício e botecos de diversas pequenas cidades sul-mato-grossenses e também do lado paulista da divisa dos dois Estados.

Foi escolhida pela revista Guitar Player como uma das "100 mais" por sua atuação nas Violas de 6, 8, 10 e 12 cordas: o prêmio Spotlight Artist (Revelação) da Guitar Player, em Novembro de 1993, que a incluiu entre as 100 mais da publicação, em meio a "idolatrados" roqueiros e jazzistas, tais como Eric Clapton, Jeff Beck, George Benson e Steve Ray Vaughan. A excelente técnica de Viola de Helena Meireles pode ser confirmada já no primeiro CD, gravado pela Eldorado em Setembro de 1994 em interpretações como "Fiquei sozinha" (Helena Meireles), "Chalana" (Mário Zan - Arlindo Pinto), "Molequinho Malcriado" (Domínio Público) e "Fim de Baile" (Helena Meireles), além de podermos também conhecer interessantes "Histórias e Causos" por ela narrados, como por exemplo, "Parteira de Si Própria". Não obstante o analfabetismo, Helena possui o dom da oralidade, típico do sertanejo. O acentuado sotaque do matuto sul-mato-grossense se mostra patente numa narrativa firme e saborosa, que valoriza nossa cultura regionalista. Narrações essas que não se constituem como "meros causos", mas passagens reais de uma vida aventurosa e repleta de lições para os corações e mentes preparados para recebê-las.

E, apesar da crise pulmonar de que foi acometida durante as gravações, oriundas de seqüelas de uma antiga tuberculose e de várias pneumonias, resultantes da vida desregrada e também dos incontáveis anos lavando roupas nas lagoas e rios do Pantanal, Helena nos mostrou sua voz com bastante esforço, em quatro faixas cantadas.

"Estou ficando louca, não lembro a letra. No tempo em que eu bebia uma cachaça não parava de cantar. Queria era ter vindo para este São Paulo quando ainda era moça. Ia fazer tanto sucesso! Não acho graça em cantar sem beber. Queria ter descoberto o sucesso moça..." Frase dita por Helena num show na Paulicéia Desvairada.

"Agora não toco mais de graça em lugar nenhum." Afirmava Helena, orgulhosa de seu talento, de acordo com Rosa Nepomuceno, na página 402 do seu excelente livro "Música Caipira - da Roça ao Rodeio". E, na página 400 do mesmo livro, Helena também afirmou: "Agora posso aceitar os convites pra churrasco, porque antes não podia comer..." E Helena prosseguia: "Eu sabia o tempo todo que eu tinha uma rosa na mão e que essa rosa nunca ia murchar..."

Determinada como ninguém, Helena passou então a viver numa boa casa avarandada, com churrasqueira e telefone em Presidente Epitácio-SP, próximo à divisa com o Mato Grosso do Sul. Helena também gostava de ouvir Pena Branca e Xavantinho e Milionário e José Rico; na Música Sentimental, Helena garantia que não havia aparecido até então ninguém melhor do que Francisco Alves, o Rei da Voz, por quem tinha grande admiração!

E seu gosto por chapéus masculinos pode ter sido herança do tio Leôncio, que morreu em 1998 com 96 anos de idade e que foi "a Escola de Viola de Helena Meireles". Tio Leôncio testemunhou a trajetória de Helena e viu também a grande reviravolta em sua vida, tendo conhecido inclusive sua bela casa às margens do Rio Paraná, em Presidente Epitácio-SP, onde Helena viveu até o fim de seus dias.

Helena Meireles gravou um total de 4 CD's, tendo sido os três primeiros pela Gravadora Eldorado e o quarto CD, pela Sapucay; são eles: "Helena Meireles", gravado em 1994; "Helena Meireles - Flor da Guavira", gravado em 1996; "Helena Meireles - Raiz Pantaneira", gravado em 1997; e "Helena Meireles - Ao Vivo - De Volta Ao Pantanal", gravado em 2003. A maioria das músicas são composições de sua própria autoria e Helena também nos presenteou com algumas peças de Domínio Público, além de composições tradicionais e consagradas da Região Pantaneira como por exemplo "Chalana" (Mário Zan - Arlindo Pinto) e "Merceditas" (Ramon Sixto Rios). O CD "Raiz Pantaneira" conta também com a participação especial de Sérgio Reis na faixa "Guiomar" (Haroldo Lobo - Wilson Baptista).


E, no dia 23/08/2005, Helena Meireles foi internada na Santa Casa de Campo Grande-MS com pneumonia crônica aguda em ambos os pulmões, além de insuficiência respiratória; chegou a apresentar melhoras consideraveis, tendo inclusive deixado o CTI, no entanto, a Diva da Viola "partiu para o Andar de Cima" na madrugada de 29/09/2005, quando contava 81 anos de idade, deixando um enorme vazio na Música Caipira Raiz e na Boa Música Brasileira...


Voltar ao Topo





Índio Cachoeira:

José Pereira de Souza, o Índio Cachoeira, nasceu em Junqueirópolis-SP (próximo à divisa entre os Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul) no dia 27/07/1952.

Com apenas 8 anos de idade, José Pereira já teve seu primeiro contato com o Tradicional Instrumento Musical Caipira Raiz, ouvindo um velho Violeiro da região. Sua mãe, porém, não aprovava que ele ficasse nas Rodas de Viola e Folias de Reis. Sendo assim, ele acabava "fugindo de casa" para poder ouvir de perto a Viola e os Ponteados...

E, já com 17 anos, José Pereira iniciou sua carreira profissional tocando a Viola em emissoras de rádio locais, já utilizando o nome artístico de Índio Cachoeira.

Ao longo de sua carreira, Índio Cachoeira atuou cantando em algumas Duplas Caipiras e também solando a Viola. A primeira Dupla ele formou com Tião do Gado.

Em 1995, Cachoeira substituiu o Roque Pereira Paiva, que foi o "primeiro Pajé" da Dupla Cacique e Pajé e que havia falecido em 1994.

Cachoeira já trabalhava como Músico de Estúdio para a dupla Cacique e Pajé e, com o nome de Pajé, chegou a gravar dois discos com o Cacique, tendo integrado a Dupla até 1997, quando Geraldo Aparecido da Silva assumiu o lugar do Pajé, formando com o Cacique a Dupla como é conhecida nos dias atuais.

Quero aqui destacar o CD "Viola de Ouro - Solos de Viola", gravado na Allegretto (ALCD-00068), sob a Direção Artística de Alexandre Nunes, com Arranjos e Direção Musical de Profeta, no qual Cachoeira nos brinda interpretando diversos Clássicos do Repertório Caipira Raiz, tais como "Tristeza do Jeca" (Angelino de Oliveira), "Saudade da Minha Terra" (Goiá - Belmonte), "Terra Tombada" (Carlos Cezar - José Fortuna), "Casa de Caboclo" (Nonô Basílio) e "Luar do Sertão" (Catulo da Paixão Cearense - João Pernambuco), apenas para citar algumas. O CD é todo Instrumental e nele o Índio Cachoeira nos presenteia com sua excelente Técnica, solando a Viola Caipira.

Quero destacar também o CD Solos de Viola Caipira - por Índio Cachoeira lançado no início de 2007 pela gravadora Folguedo (FG4), gravado e mixado nos Estúdios "Bojo Elétrico" e "Música Bacana" por Ricardo Vignini, em Novembro e Dezembro de 2006, e masterizado no Estúdio "Música Bacana" por André Ferraz. Nesse CD, o Índio Cachoeira toca sua Viola Caipira em todas as faixas; em algumas faixas toca também o Violão e, além dos Instrumentos de Corda, toca também Instrumentos de Percussão, em todas as faixas do disco!

O CD conta também com a participação de Cuitelinho (Violão), Ricardo Vignini (Violão), Júlio Santin (Violão) e Miltom Araújo (Baixo). Assim como o "Viola de Ouro - Solos de Viola", esse CD também é todo Instrumental e nele o Índio Cachoeira, além de nos brindar com seu excelente Virtuosismo, também mostra seu belíssimo trabalho como Compositor, sendo que todas as composições são de sua inteira autoria, com exceção apenas da Faixa 5 (Seleção de Pagodes e Cururus), que é de sua autoria juntamente com o Cuitelinho.

Ricardo Vignini, criador do site Brasil Festeiro, menciona na Página Dedicada à Dupla Índio Cachoeira e Cuitelinho, que "...foi uma grande honra ter realizado este trabalho, que eu considero histórico para a Viola Brasileira. José Pereira de Souza (...) é com certeza o melhor violeiro que eu conheci. A Viola Caipira, nos últimos 15 anos, tem se mostrado o Instrumento de Cordas que mais cresce no Brasil, devido ao grande número de Violeiros que tem surgido tanto no Interior, quanto nos grandes centros urbanos. Ganhou as grandes Salas de Concerto do Mundo, tornou-se Erudita, foi abraçada até por bandas de rock tendo-a como espada no lugar da guitarra. Mas o repertório de Viola Instrumental, 'caipira de fato', não é tão grande assim, principalmente imprimindo uma Identidade Única e sincera com os Rítmos Tradicionais. Acredito que este CD tem uma grande importância neste sentido, pois Índio Cachoeira é um dos maiores conhecedores do gênero em atividade."

Índio Cachoeira, no entanto, não é apenas um Virtuose na Viola Caipira. Além de seus CD's solando o Tradicional Instrumento Musical, Cachoeira trabalhou bastante em diversos estúdios, tendo realizado inúmeras gravações com Ronaldo Viola e também com Rodrigo Matos (que foi, por sinal, o seu aluno mais ilustre), além de diversas outras Duplas. Vários CD's de diversos outros Músicos Caipiras têm a participação da Viola do Índio Cachoeira fazendo parte da Instrumentação.

Além de Solista e Compositor, o Índio Cachoeira também é Luthier; a própria Viola com a qual se apresenta é de sua fabricação, além de Violas de 10 e 15 cordas, Violão, Cavaquinho, Rabeca, e Harpa, que ele também fabrica de modo artesanal. É considerado um verdadeiro "Artesão de Sons" e "Canaã" é a marca dos Instrumentos Musicais fabricados por Cachoeira.

E, conforme já mencionei nesse resumo biográfico, Índio Cachoeira também já cantou em Dupla com alguns parceiros. Quero aqui destacar a excelente Dupla que ele forma atualmente com o Cuitelinho, dupla essa que é um excelente "Casamento de Vozes":

Osvaldo Viotto, o Cuitelinho, nasceu em Duartina-SP no dia 13/11/1942 e formou sua primeira Dupla com Sabiá da Serra no ano de 1970. Osvaldo também cantou em Dupla durante 25 anos com Tião do Norte, tendo com ele gravado o LP Filho do Pecado pela gravadora Brasil Rural - 21.011 - em 1981.

Cuitelinho também formou Dupla com Di Oriente entre 1997 e 2001, além de ter trabalhado também como Radialista, divulgando a Música Caipira Raiz em seus programas, desde 1991.

E foi no ano 2001 que o Índio Cachoeira formou a Dupla com o Cuitelinho, que havia levado um Violão para que o Índio Cachoeira fizesse manutenção. Os dois parceiros se identificaram de forma imediata e, naquele lugar e naquele momento, resolveram formar a Dupla "Índio Cachoeira e Cuitelinho".

Curioso que José Pereira e Osvaldo já se conheciam desde 1977, pois ambos eram também Caminhoneiros na época.

Quero destacar também o CD Convite de Violeiro, produzido por Ricardo Vignini, lançado em 2006 pela gravadora Folguedo (FG3), gravado, masterizado e mixado no Estúdio "Bojo Elétrico", por Ricardo Vignini e André Ferraz.

Esse CD não teve participação de nenhum outro Músico! Índio Cachoeira e Cuitelinho soltaram sua voz, tocaram Viola, Violão e Percussão, além de serem os Compositores de todas as Músicas (exceto apenas a 14ª faixa - "O Cultivo da Maldade" (Celso Versutti)). De acordo com Ricardo Vignini, "...cada seção de gravação foi uma Aula de Sabedoria (...) fico muito feliz em conseguir lançar mais esse CD pelo selo Folguedo, mostrando que ainda existem Duplas Autênticas pelo Brasil..."

Tanto como Solista de Viola, como também em Dupla com o Cuitelinho, Índio Cachoeira, também realizou diversas apresentações em diversos lugares, tais como Festas em Barretos-SP, além de programas do quilate do Viola Minha Viola, apresentado pela "Madrinha" Inezita Barroso na TV Cultura de São Paulo-SP.

E a Dupla "Índio Cachoeira e Cuitelinho" também participou brilhantemente do show "Brasil com S", produzido por Téo Azevedo, em Dezembro de 2005 na Estância Alto da Serra em São Bernardo do Campo-SP, apresentação essa que, "para nossa felicidade", foi editada em DVD em dois volumes! Nessa apresentação, a dupla interpretou "Prelúdio dos Pássaros" (Índio Cachoeira) e "A Viola e o Passarinho" (Índio Cachoeira - Cuitelinho).


Reproduzo aqui o Poema que Regina Mercia Sene Soares escreveu em 12/09/2010, homenageando o Índio Cachoeira:


Violeiro Índio Cachoeira

Que lindo o seu toque
Os seus acordes batem
Profundo na alma!

Viola... Viola... Viola...
Suas cordas transmitem
Os sons que emitem...

O coração do Violeiro
Que é um Poeta Cancioneiro
Andando pelo Sertão
Levando muita emoção!

Violeiro com seu chapelão
Com sua Viola que a tocar
Sinto seu olhar e leio a emoção
Da expressão da sua Canção!

Fazendo explodir o coração
Com os acordes que tocam
O corpo de quem ouve a Canção
Seu som com gratidão!

Violeiros aventureiros andantes
São três Tocadores perfeitos
Que transmitem o som com efeito
Que faz a Viola chorar e acalmar

O coração amargurado da amada
Que só de ouvir tocar e cantar
Coloca-se a suspirar e lembrar!

Dos dias felizes de namoro
Que jamais vão ser esquecidos
Por esta amada do Violeiro querido!



Clique aqui e conheça o Site Oficial do Índio Cachoeira com sua biografia, fotos, contato, vídeos, discografia, além de informações importantes sobre a Arte da Fabricação Artesanal da Viola Caipira.


Contato para shows:

Brasil Festeiro Produções Ltda.:
Av. Damasceno Vieira, 44 - 56C - 04363-040 - Aeroporto - São Paulo-SP - Brasil

Fone/Fax: (11) 5031-3905
Cel.: (11) 9204-6411

Falar com Marinéa

e-mail: [email protected]
[email protected]
[email protected]






Tive o prazer de conhecer pessoalmente esse excelente Violeiro Solista no dia 18/01/2011, por ocasião do Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira, que teve lugar no Minas Centro, em Belo Horizonte-MG!

Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Léu (representando a Dupla Liu e Léu, a qual foi premiada na Categoria "Dupla Masculina"), Índio Cachoeira (premiado na Categoria "Violeiro (Solo)"), Ricardinho, Cido Garoto (premiado na Categoria "Guardiões Das Raízes" no Cururu) e Édson Alves Fontes (premiado pelo DVD "Os Favoritos Da Catira"), no SESC Venda Nova, no dia 18/01/2011, momentos antes da entrega dos prêmios no Minas Centro.




Da esquerda prá direita, Cido Garoto, Ricardinho e Índio Cachoeira, na mesma manhã de 18/01/2011 no SESC Venda Nova:




Índio Cachoeira, tocando a Viola por ele mesmo fabricada, na mesma manhã de 18/01/2011 no SESC Venda Nova, em Belo Horizonte-MG, momentos antes da Premiação no Minas Centro.




Índio Cachoeira e Ricardinho, na mesma manhã de 18/01/2011 no SESC Venda Nova.





Voltar ao Topo




Ivan Vilela:

"Ele é genial no domínio da Viola de Dez Cordas... já o compararam com Vivaldi, como compararam Zé Coco do Riachão a um Beethoven do Sertão... Ivan Vilela é um virtuose do instrumento". Márcia Lage em comentário no Jornal "Hoje em Dia" de Brasília-DF.

Ivan Vilela Pinto é Violonista Clássico, Violeiro, Cantor, Compositor e Arranjador; nasceu em Itajubá-MG no dia 28/08/1962. É o caçula de uma família de 11 filhos e, ainda garoto, ganhou de seu pai um Violão, que foi seu primeiro Instrumento Musical. E começou a compor já aos 11 anos de idade.

Iniciou sua carreira musical quando contava 17 anos, no Grupo "Pedra" e depois no Grupo "Água Doce", conjuntos que pesquisavam as Raízes da Música do Sul de Minas.

Em 1984, Ivan formou um Duo de Voz e Violão com a cantora Pricila Stephan (Ivan e Pricila), desenvolvendo um trabalho visando a resgatar o lirismo das canções mineiras. Parte desse trabalho foi gravada no LP "Hortelã" em 1985.


Cursou Faculdade de História em Campinas-SP na UNICAMP. Mas, como "a Música falou mais alto" ingressou em 1989 no Curso de Composição da UNICAMP.

Durante o estudo universitário, Ivan Vilela participou de diversos seminários de Musicologia, Música Contemporânea e Música Brasileira. Teve como professores de Violão Clássico Éverton Gloeden, Paulo Bellinati e Ulisses Rocha. Ivan também foi aluno do professor e compositor erudito brasileiro contemporâneo José Antônio Rezende de Almeida Prado .

Bacharel e Mestre em composição, no seu Mestrado, Ivan Vilela trabalhou com a fusão de linguagens musicais aparentemente distintas, tendo composto inclusive a "Ópera Caipira" - "Cheiro de Mato e de Chão" sobre libreto de Jehovah Amaral, poeta regionalista de Capivari-SP.

E em 1991, na UNICAMP, Ivan formou o trio de câmara "Trem de Corda" (atualmente formado por Ivan Vilela (Violão e Viola), Esdras Rodrigues Silva (Violino) e Lara Ziggiatti (Violoncelo)), trio esse que une a Música Erudita à Música Popular e que possui um repertório calcado na MPB, em especial no Chorinho, com intervenções de Música Barroca. O "Trem de Corda" faz uma verdadeira ponte entre os conceitos musicais "Erudito" e "Popular" com repertório composto de Chorinhos da "Velha Guarda" (Pixinguinha, Ernesto Nazareth e Chiquinha Gonzaga, entre outros) e também compositores contemporâneos, sempre valorizando o potencial individual de cada instrumento e seu respectivo executante.

Também integrante do "Trem de Corda" (em sua formação inicial), o Violinista José Eduardo Gramani selou uma amizade duradoura com Ivan e juntos se estimularam a conhecer cada um o Universo Musical do outro. Ivan enveredou pela Música Erudita e José Eduardo se aventurou, através das Cordas da Rabeca ao universo da música popular.

Destaque para o CD "Trilhas" lançado em 1994, que teve duas indicações para o Prêmio Sharp em 1994 e 1995, na categoria "Revelação Instrumental".


De 1992 a 1999, Ivan atuou como arranjador e instrumentista do grupo Anima, atendendo ao convite de José Eduardo Gramani. O grupo Anima possuía um repertório composto por Música Medieval e Renascentista.

Ivan recebeu com surpresa o convite, já que não tinha nada em comum com o trabalho do grupo. Levou ao grupo Anima um pouco das pesquisas que trazia na Viola e ficou até 1993. Mas o grupo resolveu fazer a "fusão" da Música Folclórica com a Música Medieval e novamente convidou Ivan, já que ele era a pessoa certa para fazer a ponte entre os dois universos.

Desde então o grupo Anima vem unindo o Erudito e o Popular, o Medieval e o Folclórico. Tendo gravado o CD "Espiral do Tempo" em 1998, o mesmo recebeu o prêmio Movimento (1997/1998) (como Melhor Disco Instrumental), além do prêmio APCA (1998) (Associação Paulista dos Críticos de Arte).


E o mesmo grupo também gravou em 1999 o CD "Além-Mar", com composições recolhidas desde a época do Descobrimento do Brasil.

E foi em 1995, que Ivan Vilela assumiu a Viola Caipira como Instrumento Solista. Desde então tem proporcionado o trânsito da Viola Caipira também para outros segmentos musicais. Em 1998, Ivan recebeu indicação para o Prêmio Sharp 1998/1999 na categoria Revelação Instrumental, pelo CD "Paisagens", trabalho instrumental que tem como base o tradicional Instrumento Musical Caipira.

Também em 1995, Ivan ministrou o curso "Descobrindo Garoto", no SESC São José do Rio Preto-SP buscando resgatar a obra de Anibal Augusto Sardinha (20/06/1915 - 03/05/1955), conhecido também como Garoto, um dos maiores compositores e violonistas da MPB, autor de "Gente Humilde", "Gracioso", "Duas Contas" e "Choro Triste", entre muitas outras preciosidades. Também em 1995, lecionou o curso "Viola Caipira - Um Resgate", através do Prêmio Estímulo da Secretaria de Cultura de Campinas-SP.

Um dos trabalhos do qual Ivan se orgulha é a "Musicalização de Crianças", trabalho esse realizado a partir da construção de instrumentos musicais empregando sucata e também da coleta do Folclore Infantil local. Esse trabalho foi realizado em Bauru-SP, Taubaté-SP e Carmo da Mata-MG.

Ao longo de sua carreira musical Ivan Vilela pesquisou inúmeras festas de Folia de Reis, Congadas, Caiapós, Batuques, Catopés, Vilões, Catiras, Marujadas e Moçambiques no Sul de Minas, Vale do Jequitinhonha e também no Norte de Minas. De 1987 à 1994, Ivan pesquisou juntamente com o antropólogo Carlos Rodrigues Brandão, manifestações da Cultura Popular das Minas Gerais. Viajaram à região do Urucuia, Rio São Francisco e Vale do Jequitinhonha, onde percorreram inclusive as "trilhas narradas por João Guimarães Rosa", autor do célebre "Grande Sertão: Veredas".

Profissionalmente, além da composição e interpretação, Ivan Vilela trabalha como Professor Universitário e ministra cursos e seminários sobre Cultura Popular Brasileira, Harmonia Modal, Estética e História da MPB e Viola Caipira, em Campinas-SP e região. Também é colaborador de revistas de música como a Guitar Player.

Também tem participado como jurado em diversos festivais de música nos estados de Minas Gerais e São Paulo. Já se apresentou também em diversos programas de TV, tais como "Terra da Gente" (na Globo), "Metrópolis", "Repórter Eco", "Viola minha Viola", e na série "Violeiros do Brasil", (esses quatro na TV Cultura de São Paulo), além de programas especiais na TV Minas, TV Alterosa e Canal Rural.

Entre suas composições (mais de 100), constam peças instrumentais, trilhas sonoras para filmes e peças teatrais, além da "Ópera Caipira" "Cheiro de Mato e de Chão".

Quero abrir aqui um parêntesis para falar um pouquinho sobre esse interessantíssimo trabalho de Ivan Vilela que é a Ópera Caipira "Cheiro de Mato e de Chão":

A proposta partiu da soprano Niza de Castro Tank, que é uma excelente intérprete das Óperas de Antônio Carlos Gomes, compositor nascido em Campinas. Niza participou inclusive da primeira gravação mundial da ópera "O Guarani" interpretando o papel de Ceci, acompanhada pela Orquestra Sinfônica de São Paulo sob a regência de Armando Belardi, no início da década de 60.

Ao receber das mãos do Maestro Armando Belardi uma cópia dessa gravação, foi que o então Presidente da República Juscelino Kubitschék de Oliveira, muito feliz com o presente, decidiu utilizar a célebre Abertura da Ópera "O Guarany" do renomado compositor campineiro, como prefixo do programa "A Voz do Brasil".

Mas, "voltando à ópera", tendo Ivan entrado em contato com o texto do libreto (escrito por Jehovah Amaral, poeta regionalista de Capivari-SP), pode perceber que a obra havia sido escrita na pura tradição dos romances medievais, além de exaltar os valores e a Cultura do Homem do Campo.

Ivan Vilela optou por uma "instrumentação mista", combinando os instrumentos tradicionais da Orquestra Sinfônica com instrumentos encontrados nas festas populares, formando assim uma "Orquestra Caipira".

Ivan inseriu também citações de clássicos Caipiras famosos para cada gênero visitado e "Tristezas do Jeca" ( Angelino de Oliveira ), foi por ele escolhida como tema reincidente em grande parte da narrativa Musical.

A Ópera Caipira de Ivan Vilela, composta de dois atos, trata de estórias de amores e contendas entre colonos e senhores, carreiros e berranteiros que cruzam o arraial contando suas histórias, uma feira com vendedores de frutas, salgados e ervas medicinais, um mascate turco que anima uma festa e a ópera também recria tradicionais manifestações populares, tais como Procissão, Desafio de Cururu, Folias do Divino, Festas Juninas.

Ao final da Ópera, todos cantam e dançam a quadrilha ao redor da fogueira, em louvor a São João!!


Clique nos links abaixo e ouça:

Armorial
(Ivan Vilela)


Saudade da Minha Terra
(Goiá - Belmonte)


Voando Com A Asa Branca
(Luiz Gonzaga - Humberto Teixeira - Ivan Vilela)

Interpretações de Ivan Vilela em Arquivos Musicais pertencentes ao seu Site Oficial.


Além de excelente Músico, Ivan Vilela é também Professor da Escola de Comunicação e Artes da USP, onde leciona História da Música Popular, Viola Brasileira, Rítmica e Percepção Musical. E, no Rádio, ele também apresenta, na excelente Rádio Cultura - FM de São Paulo-SP (103,3 MHz), o Programa Música Fora dos Cânones, o qual busca mostrar a riqueza presente na Música que, por alguma razão, nos passou despercebida. São Músicas, Músicos e Movimentos Musicais que deixaram marcas e seguidores sem, no entanto, terem recebido o merecido Reconhecimento!!! Esse excelente programa vai ao ar às Sextas-Feiras, às 11:00 de manhã, nos 103,3 MHz, e é apresentado por Ivan Vilela e produzido por Ralf Schwarz. Trabalhos Técnicos: Almir Amador. Estágio em Produção: Raquel Sá. E nessa mesma página do Site dessa excelente Emissora de Rádio, o Apreciador também pode ouvir os programas já tenham ido ao ar nas 8 semanas anteriores!!!


Voltar ao Topo



Júlio Santin:

Filho de Agricultores, Júlio Cesar Santin é natural da Região da Alta Paulista. Nascido em Pacaembu-SP, no dia 13/09/1966, foi criado num sítio em Irapuru-SP, próximo a Dracena-SP e próximo ao Rio Paraná que divide os Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

O encanto com a Viola Caipira aconteceu quando Júlio conheceu Aldo Efigênio dos Santos, o "Efigeninho", famoso violeiro de Dracena-SP.

Júlio ganhou sua primeira Viola quando contava 17 anos de idade! Foi um presente de seu tio, logo depois que ele passou no Vestibular e se matriculou na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) em Campo Grande-MS.

Além de aprender a tocar e fabricar seus próprios Instrumentos Musicais, o Dr. Júlio Santin também foi aperfeiçoando sua técnica, topando novos desafios, vivendo entre a Música e a Medicina, já que o jovem Violeiro se formou em 1989 e exerce a Nobre Profissão, atuando como Cardiologista Pediátrico e também como Eco-Cardiografista no Hospital A. C. Camargo (Hospital do Cancer), na Capital Paulista.

Júlio Santin também vem se dedicando a promover e preservar a autêntica Música Caipira na região onde nasceu, sendo Presidente da Associação Cultural Caipirapuru, que é uma "ONG" formada por Violeiros e apreciadores do gênero.

Trata-se de uma verdadeira festa de Cultura Popular que mistura Encontro de Violeiros e Cantadores, Feira Caipira e Festa do Milho, e que se realiza sempre no final do ano, incentivando a Tradição da Folia de Reis e ajudando a resgatar e divulgar a autêntica Cultura Caipira.

Júlio é também colaborador na realização do "Encontro Anual de Violeiros e Cantadores de Irapuru-SP", o qual se encontra em sua 6ª edição.

Em sua trajetória musical, Júlio Santin já se apresentou ao lado de renomados Violeiros do quilate de Gedeão da Viola, Rio Pardo (que canta em Dupla com Odilon), Zeca Collares, Fernando Deghi e Levi Ramiro, dentre outros.

O Dr. Júlio Santin, antes de gravar o primeiro Disco, teve participação especial nos CD's:

  • "Viola de Todos os Cantos", junto com Levi Ramiro e o grupo mineiro "Vento Viola", nas faixas "Prosa Violada" (Levi Ramiro), "Flor da Vazante" (Levi Ramiro - Júlio Santin), "Tá No Balaio" (Levi Ramiro) e "Terra na Unha" (Levi Ramiro - Lopinho).

  • "Viagens nas Cordas", do violeiro Rio Pardo (que integra atualmente a Dupla "Rio Pardo e Odilon").

  • "Primeiro Prêmio Syngenta Instrumental de Viola Caipira - 2004", com a música "Irapuru" (Júlio Santin), que é a primeira faixa do CD, a qual Júlio Santin interpreta à Viola, juntamente com Rio Pardo ao Violão.

  • "As Liras Pedem Socorro", da Cantora e Compositora Socorro Lira.

  • "Mais Uma Saudade", do Violeiro Levi Ramiro, nas faixas "Lagoa Bonita" (Levi Ramiro) e "Ternura" (Júlio Santin - Gedeão da Viola - Levi Ramiro).

  • Solos de Viola Caipira - por Índio Cachoeira, nas faixas "Viola Marruda" (Índio Cachoeira) e "Seresta na Roça" (Índio Cachoeira).

    E Júlio Santin gravou recentemente o CD "Sentimento Matuto" que é um belíssimo Disco que mostra ao Apreciador o potencial da Viola Caipira em termos de Música Instrumental, além de contar com as participações especiais de Levi Ramiro (que divide a parceria com Júlio Santin em algumas composições), dos Percussionistas Carlinhos Ferreira e Donisete Juvino e da Dupla "Mauro Silva e Oliveira".

    Na foto abaixo, o Dr. Júlio Santin, na ocasião de sua participação no Prêmio Syngenta 2004:



    Na foto abaixo, Zeca Collares e Júlio Santin no Caipirapuru 2005, em Irapuru-SP:




    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, o Violeiro Dr. Júlio Santin, o Compositor Ademar Braga e o Radialista Valdecir Matioli (que apresenta seu programa "Madrugada Especial" simultaneamente na Rádio ABC de Santo André-SP e na Rádio Atlântica de Santos-SP, diariamente das 00:00 às 05:00 da manhã), por ocasião da posse da Diretoria da ASESP - Associação Dos Sertanejos Da Música Raiz Do Estado De São Paulo-SP, no Teatro da UNIP (Campus Anchieta), no dia 21/11/2009:



    E, na foto abaixo, Dr. Júlio Santin e o Radialista Valdecir Matioli, no mesmo evento no Teatro da UNIP, em 21/11/2009:




    Clique aqui e conheça o Site Oficial de Júlio Santin, contendo biografia, fotos, discografia, agenda de shows, contatos para shows e informações diversas desse excelente Violeiro.


    Clique aqui e ouça "Sentimento Matuto" (Júlio Santin) interpretada pelo Dr. Júlio Santin e que é a 10ª faixa (faixa-título) do CD "Sentimento Matuto", num Arquivo Musical pertencente ao Site Oficial de Júlio Santin.


    Contato para shows e venda de CDs:

    (11) 5575-6785
    (11) 9665 6921
    Ou por e-mail: [email protected]



    Voltar ao Topo




    Junior da Violla:

    Professor e Violeiro Solista, nascido na Capital Paulista em 02/01/1978, Ernestino Ciambarella Junior, o Junior da Violla, é conterrâneo de Inezita Barroso e também de Sérgio Reis e, desde criança, ouvia no rádio da casa de seu avô autênticas Obras Primas da nossa Música Caipira Raiz nas vozes de Tião Carreiro, Tonico e Tinoco e Zé Carreiro e Carreirinho, entre outros.

    Em 1983, com apenas 5 anos de idade, ganhou um teclado, no qual compôs sua primeira música ("O Amor"). Tinha apenas 6 aninhos!

    De 1990 a 1992 foi percussionista no grupo “Sus Four”. Em 1993, com 15 anos de idade, foi que teve o primeiro contato com o Violão e, aos 17, praticou no Baixo, e participou do grupo de heavy-metal "Web of Spider".

    O interesse pela Viola Caipira surgiu então aos 18 anos de idade, quando viu pela primeira vez o pantaneiro Almir Sater.

    Junior também levou a Viola através de outros estilos como Blues e Rock, e passou por grupos como “Blood Eyes” e “Why Rock”.

    No ano 2000 conheceu Rui Torneze de Araújo, que se tornou seu mestre e principal influência.

    Foi membro efetivo da Orquestra Paulistana de Viola Caipira, entre 2000 e 2001 e, juntamente com a Orquestra, participou do “Viola Minha Viola”, apresentado pela Comendadora Inezita Barroso na TV Cultura de São Paulo, e do Programa “Célia e Celma” no Canal Rural, entre outros programas, além de diversos shows pelo Interior Paulista.

    Passou a dar aulas particulares de Viola Caipira em São Paulo, ainda no ano 2000 e, a partir de Agosto do mesmo ano, ligou-se à Escola de Música Opus. Foi também aluno de Viola Caipira na ULM (Universidade Livre de Música) em 2001 e assumiu a cadeira de Viola Caipira da Escola Livre de Música Pich & Bend.

    Ainda em 2001, juntamente com o estudo na Faculdade de Música UNICSUL, Junior da Violla também estudou Violão Erudito tendo o violonista Edílson de Lima como professor. Como, no entanto, Junior já tocava a Viola Caipira há bastante tempo e “Violão é Violão e Viola é Viola”, as técnicas são diferentes e, dessa forma, Junior enfrentou um desafio muito interessante, tendo afinado a Viola na mesma afinação do Violão e, desta forma, conseguiu desenvolver uma excelente técnica que podemos perceber, por exemplo, no solo de “Chalana” (Mário Zan – Arlindo Pinto), como será mencionado logo adiante.

    Trabalhou também ao lado do flautista Nelson Barbosa e com o grupo “Falsos Profetas” onde combinou a Viola Caipira Paulista com a Sanfona Nordestina. No mesmo ano, em Novembro, gravou com Nelson Barbosa para o programa Célia & Celma e, juntamente com a dupla Lulu e Zé Gaucha, conquistou o primeiro lugar no 7º Festival de Música da UNICSUL, além do prêmio de "Melhor Arranjo" que lhe foi conferido.

    A partir de 16/12/2001 passou a reger a Orquestra Sinfônica Caipira, a qual, em Setembro de 2002, passou a se chamar Orquestra de Violeiros de São Paulo.

    Foi inclusive no primeiro semestre de 2003, numa apresentação da OVSP no Talk-Jazz na Capital Paulista, que tive a felicidade de conhecer o trabalho de Junior da Violla, ocasião na qual percebi também seu excelente Solo de Viola, principalmente na interpretação de “Chalana” (Mário Zan – Arlindo Pinto), com excelente técnica, comparável à de Violonistas Eruditos, utilizando brilhantemente o recurso de “pizzicatti” com as Cordas da Viola!! Foi realmente uma das melhores interpretações do célebre sucesso de Mário Zan que tive a oportunidade de ouvir!!

    Voltei também a assistir a OVSP sob a regência de Junior da Violla em Abril de 2003 no “Chiquinho” (anexo do Parque Chico Mendes) em São Caetano do Sul, no ABC Paulista.

    Em Abril de 2002 gravou para o programa Célia e Celma com o recém fundado grupo "Som da Terra" e se tornou “endoser” das Violas Rozini. Também ao longo do ano de 2002 passou a estudar Harmonia Funcional e Improvisação com o professor Fábio Negrone.

    Assumiu no mesmo ano a cadeira de Viola Caipira da Escola de Música Jam Session.

    No início de 2003, passou a ensinar Viola Caipira no Núcleo de Arte Musical (NAM).

    Junior da Violla desenvolve atualmente a carreira de Solista e está planejando o lançamento de seu primeiro CD, o qual será composto de interpretações em Solo de Viola "sem a ajuda de outros instrumentos de acompanhamento", o que nos mostrará, portanto, mais uma vez o potencial do tão tradicional Instrumento Musical Caipira Raiz!!


    Clique aqui e conheça o Site Oficial de Junior da Violla, rico em informações sobre o Tradicional Instrumento Musical Brasileiro e também com a agenda de suas apresentações!!!


    Clique aqui, veja e ouça Junior da Violla interpretando o belíssimo Solo de Viola "Luzeiro" (Almir Sater), no Programa "Bom Dia Campo", no Canal Rural, que foi ao ar no dia 23/05/2008, vídeo esse disponibilizado pelo Irmão.'. e "Cumpadre" Cleber Viana!!!


    Encontrei-me com Junior da Violla quando ele foi contemplado, na Categoria "Violeiro", com o Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira, promovido pelo IBVC - Instituto Brasileiro da Viola Caipira, no Memorial da América Latina, em São Paulo-SP, no dia 17/06/2013. Nas fotos abaixo, Ricardinho com Junior da Violla, no dia da premiação:







    Voltar ao Topo





    Luciano Queiroz:

    Nascido em Paraguaçu Paulista-SP, Luciano Henrique de Queiroz é Violeiro no duplo sentido da palavra, já que na Língua Portuguesa, esse termo pode designar tanto o "Tocador de Viola" como também o "Construtor de Violas".

    Como "Tocador de Viola", sua história se inicia por volta de 1994 quando teve o primeiro contato com o Instrumento Musical, que ganhou de presente de seus pais. Apesar de ter começado cedo, não possuía ainda aquela sensibilidade suficiente para descobrir que a Viola passaria a ser a sua companheira para o resto da vida...

    Com poucos anos de idade, mudou-se para a cidade de Assis-SP, onde reside atualmente, apesar de já ter residido em diversos outros lugares, tais como São Bernardo do Campo-SP (onde estudou Engenharia Mecânica na FEI - Faculdade de Engenharia Industrial), Jaboticabal-SP (onde estudou Zootecnia na UNESP - Universidade Estadual Paulista) e também no Mato Grosso do Sul (onde exerceu por algum tempo a Profissão de Zootecnista).

    Apesar de ser um pouco autodidata na Viola Caipira, Luciano Queiroz faz questão de citar a enorme ajuda que recebeu de grandes Mestres Violeiros tais como Jorge Rosa (Mestre Folião residente em Paraguaçu Paulista-SP), Mario Carrer (Violeiro que ele conheceu em São Bernardo do Campo-SP, quando estudava Engenharia Mecânica na FEI), além do Grande Violeiro e Luthier Levi Ramiro que, segundo o próprio Luciano, foi um Amigo que lhe abriu as portas para a Arte da Luthieria, um universo que ele sempre quis, mas nunca tinha tido oportunidade de conhecer.

    Como "Luthier", nome de origem francesa dado ao "Violeiro Construtor" (em Francês, para ser mais exato, "Construtor de Alaúde"), começou a trabalhar por volta de 2003 e 2004, época em que ainda exercia a profissão de Zootecnista. Já no ano de 2005 resolveu abandonar a Zootecnia para se dedicar exclusivamente à fabricação de Instrumentos Musicais, a Luthieria.

    Luciano reside atualmente em Assis-SP com sua Esposa Suzzi e, em sua própria residência, mantém a Oficina na qual, além dos diversos tipos de Viola Caipira, fabrica também, de forma artesanal, Violões com Cordas de Nylon e também de Aço, além de Bandolins, Cavaquinhos e diversos outros Instrumentos Musicais de Cordas.

    Luciano utiliza matérias-primas oriundas de diversas partes do Planeta, de todos os cinco continentes, trabalhando exclusivamente com madeiras nobres selecionadas, algumas delas já em fase de extinção, tais como Ébano, Jacarandá, Mogno, Cedro, Abetos, Maple e Imbúia, entre diversas outras.

    No caso específico de madeiras em fase de extinção, as mesmas são obtidas principalmente de imóveis de madeira que tenham sido demolidos, além de móveis de madeira que tenham sido "descartados" pelos seus proprietários.

    Luciano procura trabalhar de forma individual em cada Instrumento Musical, buscando dessa forma alcançar maior qualidade sonora e de acabamento em cada Instrumento finalizado.

    Luciano Queiroz conta hoje com mais de uma centena de Instrumentos Musicais por ele fabricados, distribuídos em cerca de 15 Estados Brasileiros, além de Países como Japão, Estados Unidos, Inglaterra e Canadá.

    Quero aqui destacar o excelente CD "Da Oficina Para O Estúdio", que Luciano Queiroz lançou em 2009 pela Folguedo-Tratore, gravado no Estúdio Bojo Elétrico em São Paulo-SP por Ricardo Vignini (entre Junho e Agosto de 2009) e também no Estúdio Octans em Assis-SP.

    Nesse CD, Luciano se mostra um excelente Solista da Viola Caipira em todas as faixas, que são instrumentais, contando também com a participação de Cachoeira (Violão Base, Violão Baixo e Violão Dinâmico), Marcelo Berzotti (Baixo), Mingo Jacob (Percussão), Claudemir Alevato (Acordeom) e Ricardo Vignini (Violão Base e Cavaquinho).

    Em todas as faixas, Luciano sola a Viola Caipira na afinação "Cebolão", exceto na terceira faixa "Catolé" (Luciano Queiroz), na qual a Viola Caipira é afinada em "Rio Abaixo". E, na nona faixa "Cocho de Caxeta" (Luciano Queiroz), Luciano sola uma Viola de Cocho fabricada pelo Braz da Viola!!

    E Luciano Queiroz é o Compositor de todas as Músicas desse maravilhoso CD, que pode ser adquirido diretamente do Site Oficial de Luciano Queiroz!

    Clique aqui e conheça o Site Oficial de Luciano Queiroz, excelente Sítio na Internet, onde, além de mostrar (em dois Idiomas) o seu trabalho como Luthier, é também uma excelente Fonte de Pesquisa e Informação sobre a Cultura Caipira de um modo geral, além da Loja Virtual, na qual o Apreciador pode adquirir raríssimos Livros, CD's e DVD's, muitos dos quais produzidos de forma independente e de valor inestimável!!


    Clique nos links (Youtube) abaixo e assista à entrevista concedida pelo Luthier Luciano Queiroz, junto com o Violeiro Ricardo Vignini, ao Jornal "Bom Dia Campo", no Canal Rural:

    Primeira Parte

    Segunda Parte


    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Ricardinho, Luciano Queiroz e Dino Franco, na residência do Compositor, em Rancharia-SP, no dia 19/10/2008:




    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Ricardinho e a Esposa (Netinha), Suzzi e seu Esposo Luciano Queiroz, Dona Edna e Sr. Expedito (os Pais de Luciano Queiroz), na Estação Ferroviária de Paraguaçu Paulista-SP, no dia 19/10/2008, ocasião na qual tive a felicidade de conhecer o "Trem Turístico Moita Bonita", em companhia do "Cumpadre" Luciano Queiroz & Família!!:




    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Fátima (Esposa de Ramiro Vióla), Netinha (Esposa de Ricardinho), Suzzi (Esposa de Luciano Queiroz), Ângela Lopes (Esposa de Chico Lobo) e, "agachado", Pedro Mestre (Violeiro Português), após a brilhante apresentação que teve lugar no SESC de Bauru-SP em 12/09/2007. À direita, na mesa, Chico Lobo, autografando:




    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, o Radialista José Francisco (que, junto com Maikel Monteiro apresenta o excelente Programa "Brasil Caboclo", aos Domingos, às 07:00 da manhã, nos 630 kHz (AM) da Rádio Paraná Educativa (e-Paraná) de Curitiba-PR), Pedro Mestre (Violeiro Português), José Simião (Estudioso da Cultura da região de Pardinho-SP, Bofete-SP e Botucatu-SP e idealizador do Projeto de Recuperação da Igreja de Bom Jesus do Ribeirão Grande), "Cumpadre" Luiz Viola, Ricardinho, Chico Lobo e o Luthier Luciano Queiroz, após a apresentação de Chico Lobo e Pedro Mestre (Violeiro Português) no SESC de Bauru-SP em 12/09/2007:




    E, na foto abaixo (de autoria de Helen Lopes), João Araújo com seu "Violão Infinito", feito pelo Luthier Luciano Queiroz, sendo que o formato da "boca" do Violão é o símbolo que representa um número que "tende ao infinito", em Linguagem Matemática:




    Esse símbolo matemático (semelhante a um "oito deitado") tem muito a ver com Guimarães Rosa, natural de Cordisburgo-MG e autor do Livro "Grande Sertão Veredas". Em entrevista à revista "Violão-Pro", João Araújo afirma que " ...Queria um Violão Especial com madeiras usadas em Violas, representando assim minha admiração e respeito. E mais: um desenho exclusivo, simbolizando meu vínculo com Cordisburgo-MG, terra de meu avô e também de João Guimarães Rosa. A opção foi o símbolo matemático do infinito, sempre citado pelo grande Escritor. Ele, como todo Artista, queria que sua Obra fosse eterna, infinita - o que acabou acontecendo.

    O sonho só se realizou graças à dedicação e empenho do amigo, Violeiro e Luthier Luciano Queiroz que não mediu esforços para tornar real a idéia de construir um Instrumento correspondente às minhas características e anseios e ainda com uma boca completamente inédita: um desenho do infinito traçado originalmente pelas próprias mãos de Guimarães Rosa. Luciano personalizou para mim um modelo clássico com
    'cutaway', com fundo, laterais, escala e cavalete em Jacarandá-Da-Bahia; tampo em abeto Enelmannn, braço em mogno, tarraxas Gotoh e captador Fishman Prefix Plus Ax4. Isso se deu em 2007, já com vistas ao centenário de Guimarães Rosa, em 2008 - quando gravei com o Violeiro Rodrigo Delage e o Maestro Geraldo Vianna o álbum 'Imaginário Roseano', homenagem à Literatura e ao Sertão. "


    E, na foto abaixo, da esquerda prá direita, Suzzi (Esposa de Luciano Queiroz), o Luthier Luciano Queiroz, João Araújo, "Cumpadre" Luiz Viola, César (Amigo do "Cumpadre" Luiz Viola) e, de costas, Ricardinho, por ocasião de um inesquecível encontro que teve lugar no Rancho do Violeiro do "Cumpadre" Luiz Viola, em 06/04/2007, ocasião na qual conheci pessoalmente o Luthier Luciano Queiroz!!




    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Luciano Queiroz, Tinoco e o Sr. Expedito (Pai de Luciano), em Assis-SP, no dia 17/10/2008:




    E, na foto abaixo, da esquerda prá direita, Suzzi (Esposa de Luciano Queiroz), Tinoco e o Violeiro e Luthier Luciano Queiroz, em Cândido Mota-SP, na noite de 17/10/2008:



    E a "belíssima Violinha em miniatura" na foto abaixo foi um presente artesanal personalizado do Luthier Luciano Queiroz para o "Cumpadre" Luiz Viola de Bauru-SP, para o "Cumpadre" João Araújo (Viola Urbana) de Belo Horizonte-MG e também para Ricardinho, o criador desse site!! Muito obrigado, "Cumpadre" Luciano!! Ah, sim: a Pinguinha é Mineira!!)




    Voltei e me encontrar com Luciano Queiroz quando ele foi contemplado, na Categoria "Luthier", com o Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira, promovido pelo IBVC - Instituto Brasileiro da Viola Caipira, no Memorial da América Latina, em São Paulo-SP, no dia 17/06/2013.

    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Luciano Queiroz, Ricardinho e Cleber Vianna, no dia da premiação. Cleber foi agraciado na Categoria "Professor"!!!




    Na foto abaixo, Ricardinho com Luciano Queiroz, no dia dessa premiação - 17/06/2013:




    Voltar ao Topo


    Marcus Biancardini:

    "Marcus Biancardini é um Violista excepcional, dono de uma técnica extraordinária a serviço de uma musicalidade igualmente excepcional. Terá um belo futuro no panorama da Música Instrumental Brasileira."

    O comentário acima é do excelente Violonista Erudito Turíbio Santos, que também é Diretor do Museu Villa-Lobos do Rio de Janeiro-RJ. Tal comentário se encontra na contra-capa do CD/DVD/CD-ROOM "Viola de Gravata" de Marcus Biancardini.

    Nascido em Goiânia-GO no dia 26/10/1978, Marcus Biancardini, além do virtuosismo no solo de Viola, também é formado em Administração de Empresas. Marcus se auto-define como Concertista de Viola.

    Autodidata, Marcus começou a tocar Viola aos dezessete anos de idade, inspirado em Renato Andrade: "Quando o ouvi pela primeira vez pude sentir o real valor e a beleza da Viola. Renato redescobriu a Viola, tirando dela sons jamais imaginados, algo que mistura o Caipira com o Erudito, sem perder a originalidade". (Marcus Biancardini em entrevista concedida ao Professor Álvaro Catelan em Goiânia-GO).

    Foi de seu pai, o professor Maurício Biancardini do Colégio Objetivo que Marcus Biancardini ganhou sua primeira Viola e foi também de quem ele herdou o gosto pela Música Sertaneja. O professor Maurício costumava convidar duplas sertanejas diversas para animar as festas na fazenda da família no interior do Estado de Goiás. E Marcus Biancardini apurou sua técnica nas audições dos violeiros favoritos, nas quais prestava atenção aos mínimos detalhes.

    Tendo se apresentado no Teatro Nacional de Brasília-DF juntamente com Renato Andrade, de quem é discípulo, Marcus Biancardini era por ele considerado como o seu mais autêntico sucessor. De acordo com a escritora e jornalista Rosa Nepomuceno, na página 51 de seu excelente livro "Música Caipira - Da Roça Ao Rodeio", Renato Andrade considerava Marcus "... de família de recursos e saiu violeiro. Aprendeu a tocar ouvindo meus discos e toca com todos os dedos! E olha que tem muita dedeira nesse trem!". Ainda de acordo com Rosa, Renato Andrade com esse comentário "... criticava o pessoal que puxa as cordas com auxílio do acessório." Renato Andrade também dedicou ao jovem Solista de Viola a sua música "Sentado no Pilão", presente num de seus últimos CD's.

    Esse jovem Violeiro de origem italiana nos apresenta em seu primeiro CD (Visom Produções Artísticas Ltda., sob a Direção de Produção de Carlos de Andrade) 12 músicas quase todas de sua autoria onde ele mostra seu incrível virtuosismo no tradicional instrumento musical passando pelos mais diversos ritmos tais como Pagode, Guarânia, Polca e até mesmo os elementos característicos da Música Espanhola, como é o caso da música "Andaluzia". E, na música "Viola de Gravata", que é a faixa-título do disco, arranjada por Marcus Biancardini, ele nos mostra um pot-pourri com a Canzonne Napolitana "Torna A Surriento" (di Curtis), o Fado "Coimbra" (Raul Ferrão - J. Galhardo), bem como as Eruditas "As Quatro Estações" (Vivaldi) e a célebre "Serenata" (Franz Schubert)!!

    No mesmo disco, também podemos assistir a duas faixas Multimídia, onde podemos ver, durante cerca de 12 minutos, seus ágeis dedos tanto da mão direita como da mão esquerda passeando pelas cordas, e pelo braço da Viola!! Dentre outras peripécias, Marcus Biancardini vira a Viola ao contrário e, passando a mão pela madeira lisa, tira a sonoridade como se as cordas fossem invisíveis e estivessem realmente no lado de trás do tradicional instrumento caipira! Um excelente trabalho com a mão esquerda no braço da viola, sem sombra de dúvida!!

    Participa também do disco o Violonista e Luthier Roberto de Matthus (Felixlândia-MG - Fone: (31)3638-6347) que, por sinal, é quem fabrica as Violas que Marcus executa nas afinações "Rio Abaixo" em Sol Maior e "Cebolão" em Mi Maior. E, além do seu notável virtuosismo, Marcus Biancardini é também um excelente compositor, cujas músicas revelam não apenas os sons do Brasil Caipira, mas também a sua origem italiana! Vale a pena ver ouvir o maravilhoso trabalho musical desse CD/DVD.

    Marcus Biancardini lançou também o seu segundo CD, intitulado "Viola de Gravata - Vol. 2", no qual, assim como no Volume 1, o jovem Solista brinda o Apreciador com seu incomparável Virtuosismo no Tradicional Instrumento Musical, tendo também a participação do Luthier Roberto de Matthus, no Violão! Os textos no encarte são de Thalizia dos Reis. Direção Musical a cargo de Elizabeth Reis Esselin Biancardini. Produção Artística: Carlos Henrique Reis Esselin Rassi. Direção Executiva: Rodrigo Nunes. Gravação e Remasterização/Mixagem: Cinemix Audio & Video. No Repertório, diversas Composições Instrumentais compostas pelo Marcus Biancardini, assim como diversas Peças Musicais Folclóricas de diversos países do Mundo (incluindo o Japão!!!), e também diversos clássicos do Repertório Caipira Raiz, em forma de "pout-pourri"!

    E em seu terceiro CD, intitulado "Viola de Natal", Marcus Biancardini brinda o Apreciador com seu Virtuosismo, interpretando diversas tradicionais Músicas Natalinas, tendo também a participação de Fabiano Joaquim Pereira no Violão! Os textos no encarte também foram escritos pela Thalizia dos Reis. Direção Musical: Elizabeth Reis Esselin Biancardini. Produção Artística: Carlos Henrique Reis Esselin Rassi. Direção Executiva: Rodrigo Nunes. Técnico de Gravação: Jovair Almeida. Studio/Masterização/Mixagem: Cinemix Audio & Video. No Repertório, as tradicionais "Jingle Bells" (Domínio Público), "Noite Feliz" (Franz Grüber - Joseph Mohr) e "O Tannenbaum" (Ernest Anschutz - A. Zarnack), além das Brasileiras "Hino de Reis" (Criolo), "Natal das Crianças" (Blecaute), "Boas Festas" (Assis Valente) e "Fim de Ano" (Francisco Alves - David Nassesr)!

    São, sem dúvida, três excelentes CD's que não podem faltar na Coleção, não apenas de quem aprecia a Viola Caipira, mas também de quem gosta da Boa Música Instrumental e também da Música Erudita!!!

    E, em 2006, Marcus Biancardini recebeu dos filhos e do neto de Renato Andrade a Viola que o acompanhou durante toda a sua carreira no Brasil e "no Estrangeiro, do outro lado das águas!", como o inesquecível Renato costumava dizer. Dessa forma, o jovem Solista prossegue com a maravilhosa Arte de pontear a Viola, com esse Ponteado ecoando agora no Instrumento Musical que pertenceu ao seu maior Ídolo e Mestre, que foi o saudoso Renato Andrade.


    E, para quem quer iniciar a Arte de tocar a Viola Caipira, Marcus Biancardini aconselha: "Penso que na vida nada vem de graça. Tudo tem o seu preço, seu esforço e dedicação. Com a Viola não é diferente. Acho que o ponto de partida para aprender tocar Viola é gostar muito da Viola. Depois muito amor, dedicação e disciplina, pois esses são os Verdadeiros Mestres dos Violeiros."


    Quero aqui convidar o Apreciador a visitar o Site Oficial de Marcus Biancardini contendo biografia mais detalhada, agenda de shows, e diversas informações sobre esse excelente Concertista de Viola!


    Clique aqui, veja e ouça o inesquecível Renato Andrade apresentando ao público o Marcus Biancardini, a quem ele considerou como seu Sucessor!!!


    Contato para shows e venda de CD's:
    F.: (62) 9951-2015

    e-mail: [email protected]
    [email protected]



    Minha Esposa (a Netinha) e eu tivemos a honra de conhecer esse excelente Solista de Viola em Goiânia-GO, sua terra-natal, no dia 16/09/2010! Nessa ocasião, Marcus Biancardini nos mostrou sua valiosíssima Viola, herdada do inesquecível Solista Renato Andrade, de saudosa memória...

    Na foto abaixo, Ricardinho e Marcus Biancardini em Goiânia-GO, no dia 16/09/2010:




    Na foto abaixo, Ricardinho, Marcus Biancardini e Netinha em Goiânia-GO, no dia 16/09/2010 (foto de autoria de Cristiane, a Namorada de Marcus Biancardini):




    E, na foto abaixo, Ricardinho, Marcus Biancardini e a Viola que pertenceu ao saudoso Renato Andrade que, além de excelente Solista de Viola, foi também um grande incentivador de Marcus Biancardini, conforme mencionado logo acima:



    Ouvindo Marcus Biancardini, é difícil de se acreditar que é apenas uma pessoa e uma única Viola!!! É preciso ouvir, "vendo pessoalmente" esse excelente Músico, passeando com os dedos de ambas as mãos toda a extensão das dez cordas, tanto no braço como também na caixa de ressonância, com Técnicas das mais variadas, incluindo sons "Harmônicos", que são obtidos com toques do dedo anular, tendo o indicador levemente encostado na respectiva corda (técnica bastante utilizada por Violonistas Eruditos)!!!

    Parabéns, Marcus Biancardini!!! Parabéns pela excelente Musicalidade e por mostrar o belíssimo potencial desse Tradicional Instrumento Musical de Dez Cordas, não apenas na autêntica Música Caipira Raiz, mas também na Música Erudita e também na belíssima Música Típica de diversas partes do mundo!!!


    Voltar ao Topo


    Mazinho Quevedo:

    Osmar Lucianeti Quevedo nasceu em 28/03/1965 em Adamantina-SP, na barranca do Rio Paraná; em 1987, formou-se em Odontologia pela Unicamp, em Campinas-SP. No entanto, ele garante: não troca jamais a Viola pelo "Boticão"; e, na Viola Caipira, esse notável solista não se restringe apenas e tão somente uma única vertente musical. Uniu o Erudito ao Folclórico: a Viola de Tião Carreiro ao virtuosismo de Hermeto Pascoal, à Música Erudita de Heitor Villa-Lobos e também à "brejerice" de Tonico e Tinoco.

    Mazinho foi influenciado também pelo saudoso violeiro Bambico e pela nossa boa MPB, inclusive pelo Instrumental Brasileiro, além do Jazz e da Música Flamenca Espanhola. Mazinho Quevedo também é Maestro e fundador da Orquestra de Violeiros de Araras-SP.

    Mazinho começou a tocar Viola aos 10 anos de idade, gostando desde cedo de ritmos tradicionais, tais como Toada, Cateretê, Pagode Caipira, Moda de Viola, Guarânia, Rasqueado, Polca e Catira. E, através dessa paixão pelo Interior e pela Raiz Folclórica, acabou criando um estilo único.

    Tudo começou quando sua vó pediu para que fosse buscar uma lata de massa de tomate no supermercado... e que voltasse logo, já estava na hora do almoço...

    E, na frente do supermercado, estava uma "Variant" azul estacionada, com placa de Piracicaba-SP e, no bagageiro, além de umas "traia de pesca" e uns trecos de cozinha amontoados, estava encostada no vidro, sem a capa... uma Viola... que Mazinho reconheceu como tal...

    Cintura fina, uma elegância que contrastava com o pé descalço de Mazinho, mas que, ali, naquela hora, parecia que já o aceitava...

    E, após contemplar a Viola por uns intermináveis 10 minutos, saíram dois homens do supermercado em direção à Variant, e Mazinho perguntou:

    - Você toca Viola?

    - Não... é ele... Como você sabe que é Viola, menino?

    - Tem dez cordas...

    - Você toca?

    - Um pouquinho - mentiu Mazinho - me deixa ver ela de perto! Deixa?

    - É tarde, menino, nós vamos pra Panorama...

    Nisso um deles pergunta para o outro:

    - Você pegou o álcool?

    - Esqueci... - respondeu o outro. E, enquanto o rapaz foi buscar o álcool, o violeiro desconhecido concordou em tocar...

    E Mazinho viu o homem tirar a Viola de dentro do carro e, após uma "ligeira temperada", fez um ponteado e terminou com uma batida de Pagode (o tradicional ritmo criado por Teddy Vieira e Tião Carreiro).

    Meio hipnotizado... meio bobo... meio em transe... O fato é que naquele momento Mazinho não tirava os olhos das mãos do desconhecido Violeiro, como se seus ouvidos estivessem sintonizando uma "terceira" ou "quarta dimensão"...

    "É isso que eu quero, para o resto da minha vida!!! Pronto, estava "feito o pacto"... Dali para a frente seria sempre o Mazinho Quevedo da Viola..."

    Lógico que acabou "tendo um problema"... Mazinho "havia se esquecido da massa de tomate"... e os avós, preocupados, pois Mazinho tinha demorado demais...

    Essa entrevista foi concedida por Mazinho Quevedo à EPTV no Sítio do Caipira. Não sabemos no entanto quem foram os desconhecidos violeiros que exerceram influência decisiva em Mazinho Quevedo e em nossa Boa Música Brasileira!!

    E os discos de Tião Carreiro despertaram em Mazinho o interesse em aperfeiçoar-se no toque da Viola. Em 1984, foi morar em Araras-SP, onde prosseguiu os estudos do tão tradicional instrumento musical Caipira Raiz. Nesse mesmo período, começou a compor suas melodias através da observação do cotidiano do Interior Paulista, com suas "Histórias de Boiadeiros", a Natureza e as Tradições Culturais.

    Participou também do "Projeto Terra da Viola" que levou Mazinho a se tornar o primeiro Violeiro Solista da Orquestra Sinfônica de Piracicaba (entenda-se "Violeiro", como executante de "Viola Caipira", pois existe também a Viola, tocada com Arco, um pouco maior do que o Violino, que é integrante permanente da tradicional Orquestra Sinfônica). E, no programa "Terra da Viola", Mazinho também participou juntamente com Inezita Barroso de um especial sobre a obra de Cornélio Pires, o grande pioneiro da Música Caipira Raiz.

    Entre suas influências musicais estão, além do já mencionado Rei do Pagode, que foi o Tião Carreiro, excelentes músicos do quilate de Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal, Heitor Villa-Lobos, além dos brasileiríssimos Tonico e Tinoco, Waldir Azevedo e Luiz Gonzaga, além de Músicos Eruditos Europeus tais como Maurice Ravel (o célebre compositor francês, autor do famoso "Bolero") e o excelente Violonista Espanhol Paco de Lucia!

    Mazinho também compôs a trilha sonora do programa "Terra da Gente", da EPTV, de Campinas. Fez também releitura das obras musicais de Mazzaropi, além de ter também diversas composições gravadas por variados intérpretes da Música Caipira Raiz.

    Mazinho também se apresentou em teatros de diversas cidades, tais como Piracicaba, Adamantina, Rio Claro, Descalvado e Poços de Caldas, além de diversas participações no excelente programa "Viola Minha Viola", produzido por Rivaldo Corulli e apresentado por Inezita Barroso na TV Cultura de São Paulo-SP.

    Mazinho é atualmente o Regente da Orquestra de Violeiros de Araras-SP, onde reside.

    Contato para shows:
    (19) 3541-3235
    e-mail: [email protected]



    Clique aqui e conheça o Site Oficial de Mazinho Quevedo, contendo biografia, blog, fotos, notícias e informações diversas, além de contato com esse excelente Violeiro Solista!


    Voltar ao Topo




    Nestor da Viola:

    Batizado com o nome de Antônio Francisco, esse notável Solista de Viola, Cantor e Compositor nasceu em Birigui-SP no dia 03/11/1938.

    Possuindo apenas um velho Violão como Instrumento Musical, Antônio formou em 1950 a dupla "Tonico e Arlindo" juntamente com seu irmão Arlindo Francisco (nascido em 1944 também em Birigui-SP), dupla essa que começou a se apresentar na Rádio Clube de Biriguí-SP (apenas coincidência de nome com o inesquecível Tonico que integrou juntamente com seu irmão Tinoco a Dupla Coração do Brasil).

    Buscando novas oportunidades, Antônio Francisco trocou sua cidade-natal pela Capital Paulista, no início da década de 1960. Em São Paulo-SP, de início, foi faxineiro num edifício na Rua Direita e, na mesma época, passou a acompanhar, nas horas de folga, o programa "Crepúsculo Sertanejo", sob a direção de Geraldo Meireles, na Rádio Nove de Julho, que era bem próxima do local onde Antônio trabalhava.

    Foi no "Crepúsculo Sertanejo" que Antônio Francisco conheceu o Compositor José Ferreira Lemos, o famoso Nízio, que lhe foi apresentado por João Rosante (que era o Marrueiro que integrou a inesquecível dupla com Sulino).

    Natural de Divinópolis-MG, Nízio já havia formado juntamente com Ludovico Patrinhani (de Lençóis Paulista-SP) a dupla "Nízio e Nézio". Na ocasião, Nízio procurava por um parceiro: foi formada então a dupla "Nízio e Nestor", que foi bem sucedida num teste na gravadora Chantecler (hoje Warner Music). E, em 1964, "Nízio e Nestor" gravaram pelo selo "Sertanejo" o primeiro disco 78 RPM, com a Valsa Rancheira "Teu Infeliz Casamento" (Rubens Armani - João Gonçalves - Onésimo Davi) e o Huapango "Nem Sempre O Amor É Um Sonho Bom" (Rubens Gonçalves - José Mariano - Ramiro Rizzo).

    Seguiram mais 4 Compactos e 6 LP's, além de apresentações em renomadas emissoras de Rádio, tais como a Nacional, a Bandeirantes e a Piratininga de São Paulo-SP. E um desses discos, por sinal, contou com a participação da cantora Nalva Aguiar, que iniciava na época sua carreira artística, com repertório predominante no rock da Jovem Guarda.

    A dupla, porém, desfez-se repentinamente no ano de 1966, com o falecimento do Nízio.

    Vale lembrar que Nízio também foi o compositor da belíssima "Rainha do Paraná" (Nízio) que foi mais tarde gravada também em Solo de Viola pelo Nestor num excelente CD lançado em 2000, como será visto logo abaixo.

    Antônio Francisco, o Nestor, formou novamente a dupla com seu irmão Arlindo Francisco, que havia adotado então o nome de Nestorzinho: estava formada a dupla "Nestor e Nestorzinho" que gravou mais de 30 Discos em mais de 10 anos de existência. Um dos mais famosos sucessos da dupla foi o Pagode "O Calhambeque Do Nestor E Nestorzinho" (Nestor), o qual satirizava o sucesso "Festa de Arromba" (Roberto Carlos - Erasmo Carlos).

    E, em 1990, Nestor criou uma Escola de Viola, a qual chegou a ter mais de 80 alunos.

    Em 1996, "Nestor e Nestorzinho" lançaram o CD "Relógio Quebrado", com antigos sucessos da dupla remasterizados, dentre os quais, "Milagre De Tambaú" (Palmeira - Teddy Vieira), "Nova Flor (Os Homens Não Devem Chorar)" (Palmeira - Mário Zan), "O Calhambeque Do Nestor E Nestorzinho" (Nestor), além da faixa-título "Relógio Quebrado" (Teddy Vieira - José Russo).

    E, em 1997, Solando a Viola Caipira, Nestor lançou pela Movieplay o CD "Rei do Gado", que brinda o Apreciador com primorosas interpretações de inesquecíveis Clássicos do Repertório Caipira Raiz, tais como "Viola Minha Viola" (Moreno), "Berrante, Catira e Viola" (Moreno), "Chitãozinho e Xororó" (Serrinha - Athos Campos), "Chalana" (Mário Zan - Arlindo Pinto), "Viola Cabocla" (Tonico - Piraci), além da faixa-título "Rei do Gado" (Teddy Vieira).

    Reconhecido como Instrumentista, Nestor da Viola, com o título de "O Violeiro Mais Sertanejo do Brasil", gravou mais 4 CD's solando o Tradicional Instrumento Musical Capira Raiz.

    Quero aqui destacar também o CD "Solos de Viola Caipira", lançado no ano 2000, também pela Movieplay, onde Nestor sola a Viola Caipira acompanhado por Zino Brito (Violão). Gravado no New Studio em São Paulo-SP, e produzido por Talmo Scaranari, esse CD também brinda o Apreciador com belíssimas páginas do Repertório Raiz, como por exemplo, "A Enxada E A Caneta" (Capitão Barduíno - Teddy Vieira), "Rainha do Paraná" (Nízio), "Lembrança" (José Fortuna), "Saudades de Matão" (Antenógenes Silva - Jorge Gallati - Raul Torres), "Sementinha" (Itapuã - Dino Franco), "Folias De Reis" (Nestor), "Casinha Pequenina" (Domínio Público - arranjo: Nestor), "Meu Sertão" (José Lopes) e "Mãe Amorosa" (Tanabi - Aleixinho), apenas para citar algumas.

    Nestor da Viola continua "na estrada" em dupla com Nestorzinho e também como Solista de Viola, ensinando também a técnica do Tradicional Instrumento Musical Caipira Raiz.

    E Nestor toca seu maravilhoso repertório na Viola Rozini que, por sinal, está para lançar um modelo ("grife") com o nome "Nestor da Viola".


    Contato para Shows e Aulas de Viola Caipira:

    Fone: (11) 6918-7493




    Voltar ao Topo


    Neto Stéfani:

    Esse jovem Violeiro Solista, Músico, Arranjador, Compositor e Professor de Viola Caipira, Marcelo Stefani Neto, nasceu no dia 22/03/1975 em Bragança Paulista-SP, onde foi criado numa fazenda até os 13 anos de idade.

    Seu avô materno lhe deu um Violão quando ele tinha 11 anos de idade, pois havia percebido que seu neto realmente gostava da Arte. O próprio Neto Stéfani nos conta com emoção: "...lembro-me como se fosse hoje quando meu avô me deu seu Violão de estimação, com os olhos cheios de lágrimas e falando que eu era o seu único neto que tinha puxado ele...".

    Antes de "abraçar" a Viola Caipira, Marcelo dedicou-se à Formação Acadêmica, tendo se formado em Técnico Mecânico; cursou também o primeiro ano de Engenharia Mecânica em São Bernardo do Campo-SP, curso que abandonou em 1996, quando começou a trabalhar como motorista de caminhão para ajudar a família. Coincidência ou não, foi nesse mesmo ano de 1996 que Neto Stéfani teve o seu primeiro contato com a Viola Caipira.

    Ainda nesse mesmo ano, Neto Stéfani retomou os Estudos Universitários e se formou em Administração de Empresas, no ano 2000.

    Mesmo trabalhando e estudando, Neto Stéfani nunca abandonou o Violão. Seu bom gosto musical sempre esteve presente em todos os momentos, a começar pela Moda de Viola que ele sempre gostou de escutar nas vozes de intérpretes do quilate de Tião Carreiro e Pardinho e Tonico e Tinoco, apenas para citar alguns.

    Em 1996 Neto Stéfani viu pela primeira vez o violeiro Gedeão da Viola numa apresentação em Barretos-SP e, desde então, Gedeão passou a ser seu grande amigo e professor. Neto também teve contato com outros excelentes professores, no entanto, nenhum deles era um "Violeiro Nato" como o Gedeão da Viola.

    Neto Stéfani conquistou sua primeira Viola através de uma “barganha”: tendo um Violão bem “lenhado”, trocou o mesmo por uma Viola Del Vechio mais “lenhada” ainda... Era uma Viola típica Nordestina, a qual ele posteriormente rifou e, com o dinheiro conseguido, comprou uma Viola “Del Vechio” novinha, com a qual ficou durante 06 anos e que acabou sendo roubada.

    Foi no Encontro de Catira em 1998 em General Salgado-SP, juntamente com o grupo de catira “Espora de Prata” de Barretos-SP que Neto Stéfani interpretou pela primeira vez num palco o arranjo para Viola do Hino Nacional Brasileiro (Francisco Manuel da Silva - General Osório Duque Estrada).

    E foi no ano seguinte, 1999, que teve início sua carreira como Violeiro profissional, quando Neto Stéfani passou a executar o Hino Nacional Brasileiro (Francisco Manuel da Silva - General Osório Duque Estrada) nas aberturas de Festas de Peão de Boiadeiro. Até esse dia, “Neto – o Menino da Viola” jamais havia imaginado ser um Violeiro profissional, menos ainda que seu primeiro contato com o público fosse tocando o Hino Nacional Brasileiro (Francisco Manuel da Silva - General Osório Duque Estrada) para uma platéia composta por cerca de 20.000 pessoas numa arena de rodeio. De acordo com Neto Stéfani, “Tudo isso se deve a um convite e à insistência de um amigo...”.

    Neto Stéfani lançou seu primeiro CD ("Capricho de Violeiro") em 2002: uma produção independente conquistada com bastante esforço; um CD instrumental de Viola Caipira, produzido e "mixado" por Rodrigo Toledo, gravado no Estúdio P. Arte, sob a Gerência Artística do próprio Neto Stéfani, tendo Vandão como Técnico de Gravação e Edição Digital. Na Viola Caipira: Neto Stéfani; no Violão: Joseane Cavalcanti Giani; no Baixo: Vandão; e na Percussão: Rodrigo Toledo. O CD contém 11 músicas inéditas, nos mais autênticos ritmos caipiras tais como “Pagode de Viola”, “Cururu”, "Batidão", "Chamamé", "Guarânia" e “Polca Paraguaia”, dentre outros, compostas pelo próprio Neto Stéfani; e a 12ª. faixa é um arranjo do Hino Nacional Brasileiro (Francisco Manuel da Silva - General Osório Duque Estrada).

    Menos de 1 ano após o lançamento, esse CD fez parte da trilha sonora da novela “Jamais te Esquecerei”, que foi ao ar pelo SBT em 2003. Neto Stéfani, por sinal, também participou do elenco da novela, executando seus Solos de Viola Caipira.

    Além da novela "Jamais te Esquecerei", Neto Stéfani também participou de diversos programas de Rádio e TV, dentre os quais, o consagrado "Viola Minha Viola", que vai ao ar aos Sábados, com reprise aos Domingos pela TV Cultura de São Paulo-SP, apresentado pela "Madrinha" Inezita Barroso.

    Além das apresentações solando a Viola Caipira em diversas Cidades Brasileiras, Neto Stéfani também dá aulas de Música em seu “Espaço Cultural Viola Viva” na Rua Dr. Freitas, nº 513 – fundos - Bairro Matadouro - 12900-340 - Bragança Paulista-SP - F.: (011) 4603-2704. Além da Viola Caipira, o aluno de Neto Stéfani também pode aprender Violão, Acordeon, Teclado, Baixo, bem como Formação de Duplas Caipiras e Técnica Vocal, nesse Espaço Cultural.

    Neto Stéfani tem representado Bragança Paulista-SP e região tocando em aberturas de Festas de Peão e tem participado também de eventos comemorativos tais como: Entrega do Título ao Deputado Federal Robson Tuma, Comemoração do Dia da Independência, Campanha de Combate ao Câncer ("Mc-Dia-Feliz") e também no lançamento da Campanha "Ética na Política" realizada pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), 16ª Sub-Seção de Bragança Paulista-SP, além de participações em SESC's, Festivais, Palestras, Oficinas de Viola Caipira, e também no II Encontro de Violeiros que teve lugar em Ribeirão Preto-SP em Março de 2003, onde pude conhecer pessoalmente e adquirir o CD desse excelente Solista de Viola. Neto Stéfani também tem se apresentado em shows com Gedeão da Viola, Catira Espora de Prata e Téo Azevedo, dentre muitos outros.

    Neto Stéfani também teve uma brilhante participação no "I Prêmio Syngenta de Música Instrumental de Viola 2004", onde conquistou o 5º. lugar com sua composição "Êta Pagode", num evento que contou com mais de 170 participantes.



    Clique aqui e conheça o Site Oficial de Neto Stéfani com informações importantes sobre a Viola Caipira e também sobre o seu “Espaço Cultural Viola Viva” em Bragança Paulista-SP.


    Contato para shows e venda de CD's:
    (11) 4033-0594
    (11) 4603-2704
    Celular: (11) 9502-8466
    e-mail: [email protected]



    Voltar ao Topo



    Paulo Freire:

    Paulo de Oliveira Freire nasceu em São Paulo-SP no dia 01/04/1957; sua primeira experiência como escritor foi aos 13 anos, na revista "Bondinho", onde escrevia sobre histórias em quadrinhos na "Coluna do Paulinho". Estudou Violão Clássico com Henrique Pinto, em São Paulo (e posteriormente com o uruguaio Betho Davesaky, em Paris, como veremos a seguir).

    Em 1977, após largar a Faculdade de Jornalismo (Paulo Freire inclusive já trabalhou como redator e repórter no jornal "Notícias Populares" em São Paulo, na área de variedades), morou no Norte de Minas Gerais, na região do rio Urucuia, onde aprendeu a tocar Viola e se aprofundou nos Costumes e Lendas do Sertão. Aliás, foi essa a forma que Paulo Freire encontrou para dar vazão à inspiração que o romance "Grande Sertão: Veredas" de Guimarães Rosa, havia lhe trazido. Mais especificamente em Porto de Manga, em 1978: com o livro debaixo do braço, como se fosse uma Bíblia, Paulo Freire conheceu o violeiro Manoel Neto de Oliveira (o "seu Manelim"), morador do Urucuia, que foi seu professor de Viola na região.

    Com seu talento múltiplo, Paulo Freire é Pesquisador, Escritor e Solista de Viola. Desde o Violão Clássico, com pesquisas voltadas para compositores como Debussy e Brahms (dos quais também escreveu biografias para a coleção "Clássicos", da Editora Nova Cultura) até a mais elaborada e rica Música Caipira, estão entre os trabalhos de Paulo Freire. Criou também trilhas sonoras para o Globo Rural e também para alguns seriados da Rede Globo, como por exemplo, "Malu Mulher", "Obrigado Doutor" e "Grande Sertão: Veredas", este último, feito a partir da obra de Guimarães Rosa - a criação dessa trilha sonora foi em parceria com o Maestro Júlio Medaglia. Atuou também no espetáculo infantil "História de Lenços e Ventos", pelo qual conquistou os prêmios Mambembe e APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte), como melhor espetáculo do ano em 1980. Também tocou e atuou na peça "39", Prêmio APCA, como melhor musical do ano (1981).

    Morou em Paris de 1982 a 1985 e, na Capital Francesa, aprimorou o Violão Clássico com Betho Davesaky e atuou também em grupos de Música Popular Brasileira em vários países da Europa e também na Argélia. Conquistou também em Paris uma medalha no "Concours de Classes Supérieurs de Paris".

    Como Escritor, escreveu dois romances publicados pela editora Guanabara: "O Canto dos Passos" (1988), e "Zé Quinha e Zé Cão, Vai Ouvindo..." (1993). Escreveu também "Eu Nasci Naquela Serra" (1996), lançado pela Editora Paulicéia (ver Referências Bibliográficas na página Para Saber Mais... nesse site ), livro esse que é uma excelente biografia de Angelino de Oliveira, Raul Torres e Serrinha, três compositores que se criaram na cidade de Botucatu-SP.

    E em 1993, Paulo Freire participou de uma turnê de Solo de Viola pela Europa, onde se apresentou nos mais importantes festivais de World Music da Bélgica e Holanda. E em 1995, gravou seu primeiro disco em Solo de Viola: "Rio Abaixo", pelo selo "Pau Brasil", com o qual conquistou o Prêmio SHARP de Revelação Instrumental. E, na foto à esquerda, Paulo Freire tocando Viola de Cocho numa excelente apresentação no SESC de Santo André-SP no dia 25/03/2006!


    Além de seus trabalhos em Solo de Viola e das participações em CDs de grandes Violeiros, como Pereira da Viola, Passoca e Braz da Viola (no excelente CD "Feito na Roça"), Paulo Freire também tem gravado trabalhos de artistas que transcendem o "Universo da Viola", como Arnaldo Antunes, Mônica Salmaso, Luiz Tatit, Maurício Pereira, Titi Walter e outros, além de shows, palestras e "Oficinas de Viola" que vem realizando pelo Brasil.

    Paulo Freire é casado com a cantora e regente Ana Salvagni e tem dois filhos (Laura e Augusto). Integra atualmente a Orquestra Popular de Câmera, a qual teve seu primeiro CD lançado em dezembro de 1998, que conquistou o prêmio Movimento, como melhor disco do ano.

    Aliás, não há ninguém melhor para falar sobre si próprio do que o próprio biografado, não é mesmo? Clique aqui e conheça o Site Oficial de Paulo Freire, contendo não apenas riquíssimas informações sobre este versátil solista, como também a biografia, com links para que o Apreciador possa também adquirir os Livros e CD's desse excelente Músico. Conheça também o Blog Violeiro desenvolvido também por Paulo Freire, onde o Apreciador poderá conhecer ainda mais sobre esse "mundão" da Viola Caipira e também "assuntar" com o Violeiro...


    Cliques nos links abaixo e conheça dois artigos interessantes escritos por Paulo Freire no Site do Globo Rural:



    Caipiras x Sertanejos - Os Violeiros vão rompendo os preconceitos


    O Caipira e o Pirata



    Clique aqui e ouça "Mosquitão" (Paulo Freire) com Paulo Freire na Viola Caipira, Swami Junior no Violão de 7 Cordas e Adriano Busko no Durbaki, num excelente Arquivo Musical pertencente ao Site Oficial de Paulo Freire e que faz parte do CD "Rio Abaixo".


    Clique aqui e ouça "Mulher e o Marido" (Domínio Público) com Paulo Freire e Mônica Salmaso num excelente Arquivo Musical pertencente ao Site MPB-NET.


    E, na foto abaixo, da esquerda prá direita, Tuco Freire no Contrabaixo Acústico, Paulo Freire na Viola Caipira e Adriano Busko na percussão em excelente apresentação que teve lugar no SESC de Santo André-SP no dia 25/03/2006:





    E, na foto à direita, da esquerda prá direita, Adriano Busko, Tuco Freire, Paulo Freire e Ricardinho, num momento bastante descontraído, após a excelente apresentação à qual pude assistir no SESC de Santo André-SP no dia 25/03/2006!



    Voltar ao Topo



    Renato Andrade:

    Renato Andrade nasceu em Abaeté-MG na década de 30; estudou Violino em Belo Horizonte-MG, por imposição da família, desde a infância até os 36 anos.

    Após ter estudado Violino, tendo sido o Maestro Flausino Rodrigues Vale seu professor, resolveu retornar a Abaeté-MG e, em sua pequena cidade natal, não tinha com quem continuar o estudo de Violino, nem tão pouco para quem tocar o instrumento.

    Resolveu então mudar de instrumento, iniciando-se na Viola como autodidata, já que havia percebido as potencialidades que o tradicional instrumento caipira oferecia ao seu talento criador. Na verdade, a Viola Caipira, também chamada "Viola de Feira" ou "Viola de Arame"! "Prá Viola, não tem professor, o negócio é o olho"; prestava a atenção à maneira como os violeiros do interior tocavam e nunca teve vergonha de perguntar o que não entendia. Pesquisando o instrumento pelo Interior Brasileiro, foi realmente um dos grandes Solistas de Viola do País.

    Começou a tocar a Viola na década de 70, ocasião na qual participou da gravação da trilha sonora do filme "Corpo Fechado" no qual também foi coadjuvante. Também na década de 70, foi para o Rio de Janeiro onde se apresentou interpretando obras de Compositores Eruditos Brasileiros tais como Edino Krieger, Guerra-Peixe e Francisco Mignone. Renato Andrade ficou conhecido como "o Instrumentista que levou a Viola para a Sala de Concertos".

    Em suas apresentações, além da excelente Música, também contava piadas e "causos", relacionados ao universo da Viola, com tiradas engraçadas e inteligentes. Conhecido pelo seu virtuosismo, já tocou com músicos dos mais variados gêneros. Sua técnica apurada inspirou inclusive a famosa lenda de que ele também teria "feito pacto" com o "coisa ruim" para obter seu toque tão magistral no instrumento... Renato acrescentava que "...não sabia bem se havia feito ou não o pacto, já que na hora de entregar a alma, eu não entreguei..."

    Apesar de ter adotado a Viola como seu instrumento, ele já sabia que a tarefa de Músico seria bastante difícil; "Estudei muito, às vezes, mais de 20 horas por dia. Sei que infelizmente muitas pessoas não têm essa paciência; sacrifiquei-me, por amor à arte, enfrentei preconceitos; lutei muito para alcançar meu objetivo e consegui, mas continuo a estudar, porque o aprendizado nunca acaba. A Viola é minha Mestra e continuo sempre aprendendo novas técnicas, apesar disso não pretendo atingir a perfeição".

    Renato tocava Violas importadas de Portugal. Em sua técnica, ele utilizava as três afinações básicas: "Rio Abaixo", "Natural" e "Cebolão" (que é a mais comum na Viola Caipira e que era também a preferida por ele no palco).

    Seu primeiro disco solo, "A Fantástica Viola de Renato Andrade", foi lançado em 1977 e, para nossa Felicidade, relançado em CD em 1995 juntamente com um LP de Almir Sater, na série "Dose Dupla" da Warner Music. Nesse disco, Renato gravou 15 excelentes peças de sua autoria, onde podemos perceber sua formação erudita combinando harmoniosamente com o sentimento musical interiorano. Em "Relógio da Fazenda" é notável o efeito do "harmônico" imitando a batida do relógio de pêndulo e, em "Raízes Ibéricas" fazemos uma verdadeira "viagem musical" à Espanha, numa técnica comparável à dos famosos "Violonistas Flamencos". Isso tudo sem falar nas composições genuinamente brasileiras, tais como "O Jeca na Estrada" e "Casamento na Roça"! São 15 Obras de Arte todas de sua autoria, sendo que apenas em "Veredas Mortas" é que Renato Andrade divide a autoria com Tupy. É realmente difícil definir quais são as melhores músicas desse disco! Cada uma tem seu encanto!

    Outro disco de Renato Andrade que tive a felicidade de adquirir em CD é da série "A Magia" lançada pela Continental em 1993 e em cujo Volume 1, temos "A Viola de Renato Andrade" (série muito interessante, fora de catálogo que possui também "O Violão de Dilermando Reis", "A Flauta de Altamiro Carrilho" e "O Cavaquinho de Waldir Azevedo", entre outros títulos). Nesse CD, são 18 peças magistrais todas de autoria de Renato Andrade, com exceção apenas de Luar do Sertão (Catulo da Paixão Cearense - João Pernambuco) e "Tristeza do Jeca" (Angelino de Oliveira). Destaque para "Meu Abraço a Portugal" na qual fazemos uma "viagem musical" à "Terra de Cabral" e nos dá "aquele sentimento de saudade que só os Portugueses e descendentes sabem o que significa"; destaque também para "Ponteado Caipira", para "Moto Perpétuo Caipira" e também para "Viola de Cego" (esta última dedicada ao Maestro Guerra Peixe).

    Esperamos que a Warner relance esse trabalho maravilhoso do qual o Apreciador não pode se privar em hipótese alguma! Isso sem falar nos LP's que não foram lançados ainda em CD!

    Em Agosto de 2005 foi diagnosticado um câncer de pulmão que acabou por tirar a vida de Renato Andrade, no dia 30/12/2005, quando o Mago da Viola Caipira contava 73 anos de idade; Renato faleceu em sua Abaeté natal, tendo deixado a Esposa, três filhos e vários netos. Seu corpo foi velado na Câmara Municipal de Abaeté-MG, onde o prefeito decretou Luto Oficial de três dias.


    Clique aqui, veja e ouça o inesquecível Renato Andrade apresentando ao público o excelente Solista de Viola Marcus Biancardini, a quem ele considerou como seu Sucessor!!!







    Voltar ao Topo



    Roberto Corrêa:

    Roberto Nunes Corrêa nasceu em Campina Verde, no Triângulo Mineiro no ano de 1957. Formado em Física, trocou a Carreira Acadêmica pela profissão de Músico Violeiro. Em 1975 mudou-se para Brasília-DF.

    Bastante curiosa foi também a transição de Roberto Corrêa entre e Física e a Viola: Roberto havia proposto uma pesquisa sobre a Viola Caipira para o Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq). Segundo Roberto, que estava se formando em Física, "... imaginaram que era uma pesquisa sobre acústica, tendo a viola como ponto de partida.". De fato o CNPq concedeu a bolsa e Roberto Corrêa aprofundou a pesquisa.

    E foi quando "O Som da Viola entrou em sua cabeça" que passou a dominar a técnica e a desenvolver-se como instrumentista. Concluindo, porém, o curso de Física, precisou largar a Viola para estudar o Bacharelado. Foi descansar uns dias em Campina Verde-MG, sua cidade natal. Diploma no bolso, sentou-se na praça da cidade, sozinho com a Viola. E compôs ali mesmo a primeira música de sua vida - e decidiu naquele momento que seria Violeiro!! Para nossa Felicidade e da Nossa Boa Música Brasileira!!!

    Fascinado pelo instrumento, resolveu explorar seus mistérios. Em Brasília-DF, Roberto se formou em Música pela Universidade de Brasília. Passou então a lecionar na Escola de Música de Brasília, numa iniciativa pioneira do Ensino de Viola em Escola Oficial.

    Solista de Viola, Compositor e Pesquisador, Roberto Corrêa tornou-se uma referência nacional e internacional do gênero. Sua trajetória foi fundamental para que a Viola adquirisse o "Status de Instrumento Solista". Roberto Corrêa não é somente um grande instrumentista. Suas composições e interpretações têm levado a música do Sertão aos palcos do mundo inteiro.

    Foi em 1983 que Roberto Corrêa começou a divulgar seu trabalho com a Viola Caipira e também com a Viola de Cocho, a qual é confeccionada num tronco de madeira inteiriço e escavado na parte correspondente à caixa de ressonância, e que, por sua vez, é típica do Mato Grosso.

    Além de suas excelentes composições e interpretações com notável virtuosismo, sua obra também é composta de pesquisas sobre as tradições musicais do Brasil Interiorano, além da publicação de diversos trabalhos, incluindo o primeiro livro de viola editado no nosso páis; ao contrário de Renato Andrade, podemos encontrar, para nossa felicidade, uma boa quantidade de CD's de Roberto Corrêa com excelentes interpretações solistas e também parcerias com importantes nomes da música brasileira como, por exemplo, Inezita Barroso.

    Quero aqui dar destaque a dois excelentes CD's que foram gravados pela RGE (atual Som Livre) tendo a voz de Inezita Barroso acompanhada pela Viola de Roberto Corrêa: "Voz e Viola" (gravado em Março/1996) e "Caipira de Fato" (gravado em Setembro/1997), ambos produzidos por J. C. Botezelli, o Pelão. Nesses dois CD's temos uma seleção espetacular do melhor de Nossa Música Brasileira, com excelentes interpretações de páginas consagradas tais como "Perfil de São Paulo" (F. A. Bezerra de Menezes), "Chalana" (Mário Zan - Arlindo Pinto), "Bonde Camarão" (Cornélio Pires - Mariano), "Caipira de Fato" (Adauto Santos) e "Oi, Vida Minha (Moda do Peão)" (Cornélio Pires), entre outras. Vale a pena ouvir a voz de Inezita tendo como único acompanhamento instrumental a Viola de Roberto Corrêa.

    Juntamente com Almir Sater, Chico Lobo, Helena Meireles, Heraldo do Monte e Renato Andrade, Roberto Corrêa também participa da coletânea "Os Bambas Da Viola" lançada pela inesquecível Gravadora Kuarup Discos. E também fazia parte do catálogo da Kuarup o CD "Viola Caipira - Um Pequeno Concerto", o qual foi o primeiro disco brasileiro de Viola Pura, produzido por J. C. Botezelli (Pelão) em 1988, CD esse que foi também o primeiro disco gravado por Roberto Corrêa.

    Lamentavelmente, a Kuarup Discos se viu obrigada a encerrar suas atividades, no início de 2009, após mais de 30 anos de Excelente Atividade... Resta-nos a esperança de que esse Acervo Musical não seja perdido e que os respectivos CD's e DVD's sejam adquiridos por outra Gravadora/Produtora o mais breve possível, retornando assim aos catálogos de vendas...

    Viola, Viola de Pinho, Viola Caipira, Viola Sertaneja, Viola de Arame, Viola Nordestina, Viola Cabocla, Viola Cantadeira, Viola de Dez Cordas, Viola Chorosa, Viola de Queluz, Viola Serena, Viola Brasileira, Viola de Buriti, Viola de Cocho, Viola de Cabaça, Viola de Bambu, derivadas, das Violas Portuguesas de São Gonçalo do Amarante, além das Violas Campaniças, Beiroas, Braguesas, modificadas pelos Índios e pelos Africanos no Brasil, conforme o estágio de desenvolvimento das regiões onde chegaram as Violas originais, e também conforme o tipo de madeira disponível nas regiões. Sem dúvida, "um universo". E sobre esse universo, Roberto Corrêa se dedicou a escrever o primeiro grande tratado genérico sobre a Viola, um verdadeiro Livro da História Violeira e também um método para o aprendizado do tradicional instrumento em seus diversos usos, formatos, afinações regionais. Tudo isso e mais ainda as lendas e os "causos" de grandes violeiros de diversos lugares.

    De sua obstinação veio o reconhecimento e, com ele, pode inclusive apresentar seu trabalho, não só no Brasil, mas também em países como Japão, China e Alemanha, além de convites que já recebeu para representar oficialmente o Governo Brasileiro na Itália, Portugal, México, além da América do Sul e América Central. Suas composições e interpretações realmente ajudam o Brasil a levar a música do Sertão para os palcos do mundo inteiro.

    O compromisso de Roberto Corrêa com a nossa Cultura Interiorana e com a Viola Brasileira, certamente transmite, a todos, o mistério e a tradição do Brasil Central e sua música, inovadora e original e é, por fim, a própria alma do Sertão Brasileiro.


    Aliás, ninguém melhor para falar sobre si próprio do que o próprio biografado, não é mesmo? Clique aqui e conheça o Site Oficial de Roberto Corrêa, contendo não apenas riquíssimas informações sobre a Viola e este excelente solista, como também a biografia, com links para que o Apreciador possa também adquirir os CD's desse Solista de Viola.


    Na foto abaixo, Ricardinho e Roberto Corrêa após uma excelente apresentação no SESC-Pompéia na Capital Paulista, realizada no dia 29/06/2007, dentro do projeto "Caipiras da Garoa":





    Voltar ao Topo





    Rodrigo Delage:

    Esse Violeiro Solista nasceu em Belo Horizonte-MG e residiu também em algumas cidades do Interior Mineiro, dentre as quais, Pirapora-MG. A paixão pela Viola Caipira, Rodrigo já possuía desde criança, quando já navegava por entre peixes, lendas e estórias diversas nas barrancas do Rio São Francisco.

    Além do "Velho Chico", Rodrigo Delage percorre também os rios Das Velhas e Urucúia onde ouve os "causos", grava paisagens, escuta e observa os bichos, trazendo tudo para o universo da Viola.

    Rodrigo capta a mística que o rio carrega; estórias de caboclos-d' água, simpatias para se aprender a tocar Viola, pactos com o "coisa ruim", violeiros com fitas pretas na viola, "causos" de loangos com mais de cem quilos que derrubam barcos e arrastam pescadores, além das fantásticas assombrações.

    Para Rodrigo Delage, a Viola Caipira não é apenas e tão somente um simples instrumento musical! Com seus "sons harmoniosos que têm cheiro, gosto e até mesmo sentimentos próprios", ela "carrega o Sertão dentro de seu bojo". O "Grande Sertão" tão bem imortalizado por Guimarães Rosa (em seu livro "Grande Sertão - Veredas") é ponteado por Rodrigo em sua Viola, com seus toques que falam dos bichos, rios, "causos", sempre ligados ao Sertão, ao mato, às tradições populares de quem vive nas "Veredas desse Grande Sertão"...

    Rodrigo participou de diversos projetos, dentre eles, "Sons do Horizonte", em Julho de 1999, apresentação essa que foi exibida na Rede Minas de Televisão através do programa "Especial Rede Minas". Gravou outros programas na mesma emissora como "Brasil das Gerais" e "Agenda", além de ter participado também dos mais diversos programas dedicados à genuína Música Caipira Raiz, tais como Viola Minha Viola, apresentado pela "madrinha" Inezita Barroso na TV Cultura de São Paulo-SP; nesse programa, por sinal, Rodrigo chegou a se apresentar juntamente com os Violeiros Fernando Sodré e com Chico Lobo (que também cantou em dueto com Tinoco). Também esteve presente no programa de Célia e Celma no Canal Rural, além do "Sala de Cultura", pela TVC, e do "Viola Brasil", pela STV e TV Horizonte.

    Em 1999, juntamente com os violeiros Claúdio Araújo, Dimas Soares e Noel Andrade, todos integrantes do projeto "Canto da Viola", Rodrigo participou do CD Reinado de Chico Lobo, que foi também o mentor do respectivo projeto. Esse, por sinal, também teve a participação de Pena Branca, Jackson Antunes, "Caju e Castanha" e "Renato Borghetti".

    Lamentavelmente, a Kuarup Discos se viu obrigada a encerrar suas atividades, no início de 2009, após mais de 30 anos de Excelente Atividade... Resta-nos a esperança de que esse Acervo Musical não seja perdido e que os respectivos CD's e DVD's sejam adquiridos por outra Gravadora/Produtora o mais breve possível, retornando assim aos catálogos de vendas...

    Em outubro de 2000, Rodrigo Delage participou da gravação do CD do projeto "Zás", realizado pela Assembléia Legislativa de Minas Gerais. Com o escritor mineiro Olavo Romano, tocou Viola, enquanto Olavo declamou textos poéticos sobre o Interior Mineiro e os rios São Francisco, Jequitinhonha e Araguari, na faixa "Mineira Viagem", pelo São Francisco Rio-Abaixo...

    Rodrigo também participou com seu toque na faixa "Na Ponta da Zagaia" (Rodrigo Delage) no disco "Viola Caipira - Tradição, Causos e Crenças", também do Violeiro Chico Lobo.

    Lamentavelmente, a Kuarup Discos se viu obrigada a encerrar suas atividades, no início de 2009, após mais de 30 anos de Excelente Atividade... Resta-nos a esperança de que esse Acervo Musical não seja perdido e que os respectivos CD's e DVD's sejam adquiridos por outra Gravadora/Produtora o mais breve possível, retornando assim aos catálogos de vendas...

    Seus toques foram utilizados em reportagens dos programas "Globo Rural" e "Mais Você", pela Rede Globo de Televisão, onde gravou também o programa "Globo Horizontes".

    Rodrigo também teve suas composições utilizadas em documentários da Opará Vídeo, de Dêniston Diamantino, exibidos em festivais nacionais e internacionais de cinema.

    Participou do Projeto "Causos e Violas das Gerais", promovido pelo SESC-MG, juntamente com o Grupo Novos Violeiros, que contou com as violas de Renato Caetano, Cláudio Araújo, Fernando Sodré e com a sanfona de Dimas Souza, além dos causos de Tadeu Martins.

    Em 2004, Rodrigo Delage lançou seu primeiro CD-Solo, o "Viola Caipira Instrumental" que teve, dentre outras, as participações de Pena Branca e do violeiro Chico Lobo. Esse CD foi considerado no "Prêmio Nacional de Excelência da Viola - 2004", de iniciativa da Revista Viola Caipira editada pelo Pinho, como o Melhor Disco de Viola do Ano, tendo sido vencedor também na categoria de Melhor Violeiro.

    E em 2007, Rodrigo Delage lançou seu segundo CD-Solo, intitulado "Águas De Uma Saudade", e que teve, dentre outras, as participações de André Siqueira (Violão e Flauta Transversal), Antônio Viola (Violoncelo), Ricardo Cheib (Percussão), Gabriel Levy (Piano e Acordeon), Max Rosa (Voz), Rafa Duarte (Voz), Cláudio Lacerda (Voz) e Thomas Rohrer (Rabeca). Esse CD foi gravado e "mixado" no Estúdio Bemol em Belo Horizonte-MG e também na Associação Cultural Cachuera-Salaviva, em São Paulo-SP. Arte e Produção Gráfica a cargo de Pedro Miranda.

    Clique aqui e conheça o Site Oficial de Rodrigo Delage com Biografia Completa, Causos, Discografia e Contatos para Shows. Conheça também a Página de Rodrigo Delage no MySpace, onde o Apreciador poderá conhecer um pouco melhor a Obra Musical desse excelente Solista de Viola.


    Conheci pessoalmente esse excelente Violeiro Solista quando ele foi contemplado, na Categoria "CD", com o Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira, promovido pelo IBVC - Instituto Brasileiro da Viola Caipira, no Memorial da América Latina, em São Paulo-SP, no dia 17/06/2013. Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Noel Andrade, Ricardinho e Rodrigo Delage, no dia da premiação. Na mesma noite, Noel foi agraciado com o Prêmio Rozini também na Categoria "CD"!!!




    Voltar ao Topo




    Sidnei de Oliveira:

    Esse jovem Violeiro Solista nasceu em Cazuza Ferreira (Distrito de São Francisco de Paula-RS) no dia 10/07/1980 e, ainda criança, passou a residir em Caxias do Sul-RS.

    Além de excelente Músico, Sidnei de Oliveira também é graduado em Filosofia, cursando atualmente o Mestrado em Filosofia da Música na UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo.

    Em entrevista à RBS, Sidnei de Oliveira afirma que começou tocando Violão aos 10 anos de idade: "... O interesse pela Viola surgiu ao ver e ouvir Almir Sater na TV, mas só tive contato com o Instrumento aos 20 anos e comecei a estudar seriamente aos 22, pensando em ser Músico profissional."

    Sidnei de Oliveira também foi aluno de Valdir Verona entre 1999 e 2002, em Caxias do Sul-RS.

    Sua "arrancada profissional" aconteceu a partir de 2004, quando Sidnei foi o Primeiro Colocado no Prêmio Syngenta de Música Instrumental de Viola, com sua belíssima Composição "Esplendor" (Sidnei de Oliveira), na afinação "Rio Abaixo"! A finalíssima do festival aconteceu no dia 27/10/2004 no Teatro Alfa, na Capital Paulista.

    De acordo com o jovem Violeiro Solista, "... foi exatamente essa Música, 'Esplendor', que, ao lado de 'Corumbá', mudou de uma só vez o rumo da Viola em minha vida, transportando meu interesse para a Viola Instrumental...", conforme citado no Sítio do Angelim.

    A título de curiosidade, o Prêmio Syngenta de Música Instrumental de Viola aconteceu em 2004 e em 2005, organizado pela Direção Cultura, patrocinado pela Syngenta - Proteção de Cultivos Ltda. e teve como objetivo estimular e fomentar novos Compositores e/ou Intérpretes de Viola Caipira e descobrir novos talentos, dando a oportunidade aos Violeiros selecionados de mostrarem os frutos musicais de seus trabalhos.

    "Esplendor" (Sidnei de Oliveira) foi também a primeira gravação do jovem Solista, já que as 16 Composições finalistas foram reunidas num belíssimo CD que foi gravado na ocasião do Prêmio Syngenta - 2004. A Composição de Sidnei de Oliveira é a 8ª faixa do CD, que também possui belíssimas Composições Instrumentais de outros excelentes Violeiros, dentre os quais Júlio Santin, Fernando Deghi, João Ormond, Zeca Collares, Fernando Caselato, Bilora, Rogério Gulin e Neto Stéfani, apenas para citar alguns!



    Sidnei de Oliveira reside atualmente na Capítal Paulista, onde dá aulas particulares de Viola Caipira (10 cordas) e Teoria Musical.

    Sidnei, sua Esposa (a Cantora Lírica Lenara Abreu) e o Flautista Célio Sene formam o Grupo De Câmara "Taihu", que é um Projeto de pesquisa e resgate com Música Erudita e Popular, adaptando e transcrevendo peças originais para Piano, além de "redução" de peças Orquestrais para Viola Caipira, Flauta, Voz e Violoncelo.

    Sidnei de Oliveira acabou de lançar seu primeiro disco, intitulado "Prólogo (Viola Oliveira)", no qual o jovem Solista de Viola apresenta temas próprios arranjados para diferentes formações, incluindo Orquestra de Cordas, Flauta, Violão, Percussão e Baixo.

    Sobre esse CD, Eduardo Tristão Girão, escreveu no site Divirta-se, no dia 25/04/2011, um artigo muito interessante intitulado Dividindo-se entre a Música e a Filosofia, Sidnei de Oliveira tem planos de escrever Sinfonia para Viola:

    " Vencedor da primeira edição do Prêmio Syngenta de Música Instrumental de Viola, em 2004, o então desconhecido gaúcho Sidnei de Oliveira demonstrou grande talento e sensibilidade ao revelar para o público sua composição 'Esplendor', verdadeira obra-prima da produção brasileira recente para o instrumento. Por esse motivo, é com grande expectativa que o mercado fonográfico recebe o lançamento de seu primeiro disco: 'Prólogo (Viola Oliveira)'. Ousado, o Artista apresenta temas próprios arranjados para diferentes formações, incluindo Cordas, Flauta, Violão, Percussão e Baixo.

    Gravado entre Outubro e Novembro [de 2010] em São Paulo-SP, onde o Violeiro mora há três anos, o disco conta com 12 Músicas Instrumentais escritas por ele desde 2005 e a releitura de 'Lamparina da Noite' (Adelmo Arcoverde). Inicialmente pensado para ser só de Viola, o trabalho terminou com a participação de 10 Músicos. Não houve ensaios com nenhum deles: todos receberam suas respectivas partituras por e-mail e, na véspera de cada gravação, repassaram as Músicas com Sidnei.
    'Foi uma experiência grandiosa gravar com eles. Alguns têm de estrada o que tenho de idade', conta o Artista, de 30 anos.

    Entre os Músicos que participaram das gravações estão o baixista Antonio Porto, o Percussionista Papete e o Violonista Rodrigo Sater (irmão de Almir Sater), todos eles Músicos da banda de Almir Sater. Destaque também para a participação do conterrâneo Renato Borghetti, que tocou Gaita-Ponto na faixa 'Dez Cordas E Um Chamamé'.
    'Não Fico Parado em uma ou duas afinações de Viola. Vou mexendo nos tarrachos, gostando e compondo. Sobre técnica, toco as cordas separadamente e não em duplas. Minhas influências são Almir Sater, na parte harmônica e Wagner, na Ópera, que me ajudam a escrever arranjos para Instrumentos de Corda', afirma.

    (...) Entre suas bem-sucedidas experiências com outros Instrumentos estão 'Cariú', 'Caminho', 'Aurora' e 'Imagens', cada qual com seu destaque, seja a singeleza do Violoncelo com a Flauta, seja a célula rítmica que embala o toque de Viola. 'Contra a Maré', uma das mais belas, tem algo de 'Esplendor', apesar de ter sido a última escrita antes do início das gravações. Vale ressaltar também sua ousadia em 'Esperança' e 'Solidão': faixas de concepção orquestral que abrigam, além das 10 Cordas Caipiras, Violino, Viola(*), Violoncelo e Baixo Acústico. Aliás, atualmente Sidnei deixou de lado a Composição para dedicar-se a arranjos de Música Erudita para Viola Caipira, Violoncelo e Flauta ao lado da Mulher, a cantora lírica Lenara Abreu.

    Justamente por causa disso, ele provavelmente não lançará outro disco como 'Prólogo', dedicado a desenvolver o repertório instrumental da Viola Caipira.
    'Para mim, é um projeto mais gratificante por causa do conceito de Música que tenho', justifica. Está entre seus planos, por exemplo, escrever uma Sinfonia de Viola com Orquestra de Cordas. Sem falar na conclusão do Mestrado em Filosofia da Música e no futuro Doutorado, que deverá ter como tema a relação entre Viola e Filosofia. A propósito, o Filósofo Alemão Schopenhauer é um de seus principais mentores – inclusive na Música. "

    (*) Importante lembrar que a Viola aqui citada, em conjunto com o Violino e o Violoncelo é de 4 cordas, tocada com arco, e faz parte do naipe das cordas da Orquestra Sinfônica. Esse Instrumento Musical, um pouquinho maior que o Violino, tem, coincidentemente, o mesmo nome do tradicional Instrumento Musical Caipira, de 10 Cordas!

    Nesse CD, Sidnei toca a Viola de 10 cordas em 5 afinações diferentes, além de utilizar Técnicas Eruditas, Influência Andina e New-Age.

    Merece destaque também a Composição "Cariú" feita em homenagem ao Almir Sater: "... Fiz a ele em agradecimento por ter me apresentado à Viola, sem saber. A Música 'Um Violeiro Toca' me acordou para a Música de Viola. Minha única influência musical na Viola foi Almir Sater. "

    Também participam desse CD outros excelentes Músicos tais como Célio Sene (Flauta Transversal), Rodrigo Lleitte (Violino), João Pierro (Viola (tocada a arco)), Daniel C. Martins (Violoncelo e Contrabaixo), Ricardo Zohyo (Baixo Fretless) e Cláudio Sant' Ana (Violão Nylon)!

    E, embora não participando do CD, o Violeiro Bilora foi homenageado por Sidnei de Oliveira na Música 'Quase Mineiro'. Segundo Sidnei, "Ele é um grande amigo, figura única. Compõe e toca muito bem o Calango'.

    Sidnei de Oliveira se hospedou na residência de Bilora quando foi buscar a Viola que havia encomendado (em companhia de Pereira da Viola) ao Luthier Vergílio Lima, de Sabará-MG, cidade vizinha à Capital Mineira. Sidnei, por sinal, considera esse Instrumento o melhor que já tocou até hoje!

    E, em 2009, Sidnei e seu Professor Valdir Verona voltaram a se encontrar e se apresentaram juntos, por ocasião do Circuito Syngenta de Viola Instrumental que teve lugar em Passo Fundo-RS!

    Clique aqui e conheça o Site Oficial de Sidnei de Oliveira com fotos, agenda de shows, formas de contato, vídeos e informações diversas sobre esse excelente Violeiro Solista e a Empresa "Viola Oliveira"!

    Clique aqui e ouça "Lamparina da Noite" (Adelmo Arcoverde) interpretada pelo Sidnei de Oliveira, que é a primeira faixa do CD "Prólogo (Viola Oliveira)", num Arquivo Musical pertencente ao Site Voa Viola, do Violeiro Roberto Correa.


    Contato para shows:

    Sidnei de Oliveira:
    (11) 7636-5188
    (11) 8531-2596
    e-mail: [email protected]

    Lenara Abreu:
    (11) 9499-1690
    (11) 6116-8236
    [email protected]






    Conheci pessoalmente o Sidnei de Oliveira quando ele foi contemplado, na Categoria "Arranjador", com o Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira, promovido pelo IBVC - Instituto Brasileiro da Viola Caipira, no Memorial da América Latina, em São Paulo-SP, no dia 17/06/2013. Na foto abaixo, Ricardinho com Sidnei de Oliveira, no dia da premiação:




    Voltar ao Topo



    Valdir Verona:

    A Viola Caipira também mostra o seu Valor no Estado do Rio Grande do Sul, nos dedos desse notável Solista que nasceu no Distrito de Vila Oliva, no Interior de Caxias do Sul–RS, em Outubro de 1966.

    Valdir Verona iniciou seus Estudos de Violão ainda na infância. Autodidata, teve seus primeiros contatos com Música com as visitas de "Ternos de Reis" em sua casa, além do que ele ouvia no rádio.

    Na década de 1980, Valdir passou a acompanhar alguns grupos folclóricos do Rio Grande do Sul, em especial o grupo do CTG "Ginetes da Tradição" de Ana Rech – Caxias do Sul-RS, junto com o qual ele passou a se apresentar pelo Interior Gaúcho e também em São Carlos-SP e São Luiz-MA.

    Em 1987, Valdir Verona iniciou seus estudos musicais no Instituto Johann Sebastian Bach. E, em 1988 e 1989, Valdir passou a estudar na "Academia de Educação Musical" com o Professor Carlos A. Kern, com quem aprendeu Teoria Musical e Solfejo. De 1992 a 1996 estudou Violão Clássico, Harmonia e Improvisação na "Prelúdio Centro Instrumental" com o Professor Merônio Sachet. E, no ano de 2000, Valdir passou a estudar Canto com a Professora Cintia de Los Santos, na "Sociedade de Cultura Musical".

    Valdir Verona também estudou em diversas Oficinas de Música, Workshops e Masterclasses, com os Professores: Ulisses Rocha, Mozart Mello, Roberto Correa, Regina Lucatto, Ricardo Breim, Pablo Hernandes Arrieta e Fernando Deghi, dentre outros.

    E foi a partir de 1995 que Valdir passou a pesquisar e estudar a Viola Caipira de 10 Cordas. Compôs então a Música "Grotas" (Valdir Verona), a qual foi gravada no seu primeiro CD intitulado "Acordes ao Vento", lançado no mesmo ano de 1995.

    A partir de então, Valdir Verona passou a incluir a Viola Caipira em praticamente todas as suas apresentações musicais. A Música "Grotas" (Valdir Verona) acabou por se tornar o tema de abertura do Programa "Oeste Rural" da TV Barriga Verde de Santa Catarina.

    Em Janeiro de 1998, Valdir participou do Curso de Viola Caipira na XVI Oficina de Música de Curitiba–PR, com Roberto Correa, que o incentivou a desenvolver um trabalho de Viola mais voltado para a Música da Região Sul do Brasil!

    Pouco mais de um ano depois, em Março de 1999, em parceria com a Professora, Musicista e Pianista Esmeralda Frizzo, Valdir Verona fundou a Escola Teclas & Cordas – Cursos de Música, ministrando Cursos de Violão, Viola, Piano, Teclado, Acordeon, Harmônica de Boca, Teoria Musical, Solfejo, Harmonia, Improvisação e Musicalização!


    No ano seguinte, 2000, o Gaitista Ricardo Biga (Harmônica (Diatônica Blues e Cromática)) uniu-se a Escola Teclas & Cordas, tendo formado então, com Valdir e Esmeralda, um excelente trio instrumental, composto por Esmeralda Frizzo (Piano e Teclados), Valdir Verona (Viola 10 Cordas e Violão) e Ricardo Biga (Harmônica de Boca). Esse trio passou a se chamar "Aria Trio" a partir de 2007 e gravou em 2009 um excelente CD Instrumental de altíssima Qualidade Musical!!!



    A Teclas & Cordas – Cursos de Música fica na Rua Sinimbú Nº 1502 - Sala 02 - Caxias do Sul-RS, nos altos da Natufarma e defronte à Escola de Danças Tablado Andaluz, a uma quadra da Catedral Diocesana e da Praça Matriz.





    Quero aqui destacar o CD "Ad Libitum", lançado em Dezembro de 2009, que brinda o Apreciador com um belíssimo Repertório que combina a Música Regional com Composições Musicais que "beiram o Erudito", mostrando o altíssimo valor da Boa Música Brasileira e do que ela é capaz!!! Destaque para "Tons da Terra" (Valdir Verona), "Chamamé Blues" (Valdir Verona - Ricardo Biga), "A Tempestade e o Mar" (Esmeralda Frizzo) e "Calma Roceira" (Ivan Vilela)!!!


    Clique aqui e ouça o "Aria Trio" interpretando "Chamamé Blues" (Valdir Verona - Ricardo Biga), num Arquivo Musical pertencente ao Espaço de Valdir Verona no My Space e que é a quinta faixa do CD "Ad Libitum".


    Na década de 1990, Valdir também fez parte dos Grupos "Rimas e Cordas" (de 1992 a 1995), Quinteto Instrumental "Dialogando" e "Acordes ao Vento" (em ambos, de 1997 a 2000).

    Em Agosto de 2000 Valdir Verona lançou o CD "Tons da Terra", que incluiu novos temas de Viola Caipira: "Perobeira-Maria" (Roberto Corrêa), "Águas do Santa Cruz" (Valdir Verona) e "Tons da Terra" (Valdir Verona).

    No mês de Novembro de 2002, Valdir publicou o álbum de partituras e tablaturas intitulado "14 Estudos Progressivos – Violão Campeiro", que foi uma pesquisa sobre o Violão-Solo no Rio Grande do Sul.

    E, em 2004, Valdir Verona realizou juntamente com o Violeiro Solista Sidnei de Oliveira o recital "Violeiros", no qual executaram Composições próprias e Músicas de grandes Violeiros Brasileiros do quilate de Tião Carreiro, Almir Sater, Tavinho Moura, Roberto Correa, Pereira da Viola, Ivan Vilela e Fernando Deghi, apenas para citar alguns.

    E foi nesse mesmo ano de 2004 que Valdir participou do Primeiro Prêmio Syngenta de Música Instrumental de Viola com a Música "Cores de Outono" (Valdir Verona). Foi também nesse mesmo Evento Musical que Sidnei de Oliveira conquistou o Primeiro Lugar com sua Composição "Esplendor" (Sidnei de Oliveira).

    No ano seguinte, em Outubro de 2005, Valdir Verona participou do III Encontro Nacional de Violeiros em Ribeirão Preto–SP, onde apresentou temas do Folclore Gaúcho, além de Milongas, Tangos, Chamamés e outros ritmos característicos da Região Sul.

    Em 2006 Valdir lançou "Gêneros Musicais Campeiros no Rio Grande do Sul – Ensaio Dirigido ao Violão", em parceria com Silvio de Oliveira, e que é uma pesquisa sobre a História e a Prática dos Ritmos Gaúcho-Riograndenses!

    Valdir Verona tem se dedicado bastante ao resgate do uso da Viola na Música da Região Sul do Brasil, em apresentações musicais, gravações, edição de partituras e tablaturas de arranjos para temas tais como: Ternos de Reis, Temas do Fandango Gaúcho, Toadas, Chimarritas Rancheiras, Milongas, Tangos, Chamamés, etc.

    Mais recentemente, Valdir Verona criou, em parceria com o Acordeonista Rafael De Boni (nascido em Vacaria–RS, no dia 30/01/1976), o Projeto Encontro das Águas, com a formação de um Duo inédito, que tem como objetivo resgatar o uso da Viola na Região Sul e levá-la, juntamente com o Acordeon, às Salas de Espetaculo.

    A Viola e o Acordeon são os Intrumentos Musicais mais representativos da História da Música e da Dança no Rio Grande do Sul. A Viola, tanto a de 10 como a de 12 Cordas, era utilizada desde o primitivo Fandango Ibérico (Danças Sapateadas entremeadas por Cantigas) e acabou sendo substituída com o decorrer do tempo pelo Acordeon, Instrumento esse que se tornou popular a partir do período pós-guerra do Paraguai, no Século XIX.

    Valdir Verona e Rafael De Boni já vinham atuando juntos em diversos projetos e, no Encontro das Águas, interpretam Milongas, Chamarras, Tangos, Chamamés, Choros e diversos outros temas, com uma linguagem dinâmica e contemporânea!




    Clique aqui, veja e ouça o Duo "Viola e Acordeon" interpretando "Temas do Folclore Gaúcho" (Domínio Público - Arranjos: Valdir Verona - Rafael de Boni), por ocasião da apresentação do Voa Viola que teve lugar na Sala Villa-Lobos no Teatro Nacional de Brasília-DF, no dia 17/12/2010!

    Clique aqui e ouça o Duo "Viola e Acordeon" interpretando "Pampeana y Arrabalera" (Valdir Verona - Rafael de Boni), num Arquivo Musical pertencente ao Espaço de Valdir Verona no My Space.


    Quero aqui destacar também o CD "Uma Viola Ao Sul", no qual Valdir Verona brinda o Apreciador com um belíssimo Repertório Regional que evoca a Região Sul do Brasil, além da excelente Qualidade no encarte, com riquíssimas explicações sobre cada uma das faixas que compõem esse belíssimo CD!!! Destaque para "A Copla de Assoviar Solito" (Luiz Carlos Borges - José Fernando González), "Veredas" (Valdir Verona - Loresoni Barbosa), "Terno de Reis" (Domínio Público - Arranjo: Valdir Verona), "A Chamarrita e o Tatu" (Domínio Público - Arranjo: Valdir Verona), "O (Com)passo do Bugio II" (Valdir Verona), "Rancheira Violada" (Valdir Verona), além da belíssima narração, na qual Valdir Verona conta um "causo", em "Chasque a Galope" (Antônio Augusto Ferreira)!!!


    Clique aqui e ouça Valdir Verona (Viola, Violão e Violão Barítono) interpretando "O (Com)passo do Bugio II" (Valdir Verona) (com a participação de Rosa Amélia (Percussão)), num Arquivo Musical pertencente ao Espaço de Valdir Verona no My Space e que é a terceira faixa do CD "Uma Viola Ao Sul".


    Clique aqui e ouça Valdir Verona (Viola) e Rafael De Boni (Acordeon) (O Duo "Viola e Acordeon") interpretando a belíssima Composição Instrumental "À Sombra Da Acácia".·. (Valdir Verona - Rafael De Boni), num Arquivo Musical que foi gentilmente fornecido pelos Irmãos.·. e "Cumpadres" Valdir.·. e Rafael.·.!!!


    Clique aqui e conheça o site Teclas & Cordas – Cursos de Música, com diversas informações sobre os Cursos de Música que são oferecidos, além da agenda de shows do "Ária Trio"!

    Clique aqui e conheça o Projeto Encontro das Águas, que ressalta a importância da Viola e do Acordeon na Música Regional Gaúcha, através desses dois grandes representantes que são o Valdir Verona e o Rafael De Boni, respectivamente!

    Clique aqui e conheça o Espaço de Valdir Verona no My Space.


    Contato para shows:
    (54) 3028-1746
    (54) 9979-1524
    e-mail: [email protected] [email protected]



    Valdir Verona, juntamente com Levi Ramiro, esteve presente no excelente Programa Sr. Brasil, que foi ao ar pela TV Cultura de São Paulo, no dia 31/03/2011, com reprise no dia 03/04/2011, apresentado pelo Rolando Boldrin! Na foto abaixo, da esquerda prá direita, a Percussionista Rosa Amélia, os Violeiros Levi Ramiro e Valdir Verona, e o Cantador e Apresentador Rolando Boldrin, no respectivo programa, que foi ao ar nessa data, ocasião na qual eles interpretaram "A Copla de Assoviar Solito" (Luiz Carlos Borges - José Fernando González), "Aviso" (Valdir Verona - Juarez Machado de Farias) e "Tá no Balaio" (Levi Ramiro)!




    Tive a honra de conhecer pessoalmente esse excelente Solista de Viola que é o Valdir Verona, por ocasião do Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira, no dia 18/01/2011, em Belo Horizonte-MG! Valdir Verona foi contemplado com o Prêmio Rozini na Categoria "Outras Vertentes - Ritmos Sulinos"!!!

    Na foto abaixo, Valdir Verona e Ricardinho, no dia 18/01/2011, no SESC Venda Nova, na Capital Mineira:




    E, na foto abaixo, Ricardinho e Valdir Verona, no dia 19/01/2011, no SESC Venda Nova, após a Entrega do Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira, em Belo Horizonte-MG:




    Voltei a me encontrar com Valdir Verona quando ele foi contemplado, na Categoria "Arranjador", com o Prêmio Rozini de Excelência da Viola Caipira, promovido pelo IBVC - Instituto Brasileiro da Viola Caipira, no Memorial da América Latina, em São Paulo-SP, no dia 17/06/2013. Nas fotos abaixo, Ricardinho com Valdir Verona, no dia da premiação:






    Voltar ao Topo



    Zeca Collares:

    "De Cabral a Villa-Lobos, de Villa-Lobos a Tião Carreiro, de Tião Carreiro à Nova Geração de Tocadores no Brasil, a Viola Caipira sempre embalou os sonhos de quem a embalou."

    O texto acima é de autoria do violeiro Zeca Collares em entrevista ao Jornal "Net News" de Marília-SP.

    Violeiro e pesquisador mineiro, José dos Santos Colares da Silva também é artesão de Violas e Instrumentos de Percussão. Começou a tocar Viola com apenas 9 anos de idade, em 1975, nos Ternos de Folia de Reis no Norte Mineiro.

    Em 1982 Zeca Collares fundou, junto com o compositor e cantor Dino Lopes, o trio de Música Folclórica "Norte Mineiro" e integrou um grupo de Seresta, no qual ele tocava Bandolim. Zeca também viajou no mesmo ano pelo Vale do Jequitinhonha, no Norte das Gerais, pesquisando o “jeito de tocar Viola" daquela gente, da qual ele faz parte.

    Em 1986 Zeca gravou, juntamente com o grupo Angicos, o seu primeiro disco, o LP "Brejo Nós Gostamos de Você" (foto da capa acima à direita), convidado pelo compositor Dino Lopes, disco esse que contou com a direção do Violeiro e grande pesquisador da Música Raiz Brasileira Téo Azevedo que, assim como Zeca Collares, também é do Norte das Minas Gerais.

    Em 1988 Zeca passou a residir na Capital Paulista, onde participou de diversos Workshops com grandes músicos do gabarito de Hermeto Pascoal, Toninho Horta e Nelson Ayres, dentre outros.

    Em 1990 seguiu para Marília–SP, onde reside atualmente, dando continuidade aos estudos musicais com o professor Paulo Estêvão (o Tevão - que já integrou o grupo "Língua de Trapo"), e iniciando no mesmo ano a carreira de professor de Viola e Violão na Escola Tema Centro Musical de Marília.

    Em 1994 viajou por diversas regiões do Brasil pesquisando a Cultura Popular Brasileira através da Música, iniciando a seguir o curso de Harmonia Funcional com os professores Fábio Leão e Kiko Loureiro (Grupo Angra).

    Em 1995 , juntamente com o compositor Valter Silva, fundou o grupo Mucunã de Música Regional Brasileira, integrado por Zeca Collares na Viola, Winson Jr. no Violão, Valter Silva no Violão (e também compositor da maioria das músicas interpretadas pelo grupo), Ricardo Garcia na Percussão, Michelle Ortega na Rabeca e Luiz Guedes no Baixo; esse grupo foi considerado pelo Jornal "O Estado de São Paulo", como um dos melhores dos últimos tempos em termos de Música Regional.

    Além do LP "Brejo Nós Gostamos de Você", Zeca Collares gravou mais 4 CD's: "Contos Sertanejos", com o Grupo Mucunã (1998), "Aboio", também com o Grupo Mucunã (2000), "Mucunã e Pena Branca Ao Vivo" (2001) e "Primavera Mineira" (2002) (foto da capa acima à direita) que foi seu primeiro CD em Solo Instrumental de Viola Caipira.

    Em sua carreira, Zeca Collares já se apresentou ao lado de grandes Músicos como: Téo Azevedo, Dino Lopes, Ivan Vilela, Pena Branca, Inezita Barroso, Décio Marques, Levi Ramiro e muitos outros. Participou também como arranjador de diversos trabalhos gravados por artistas de vários estilos, além de ter feito parte também de diversas Oficinas de Música e de Teatro. Na foto acima à direita, Zeca Collares se apresentou em Ribeirão Preto-SP por ocasião do II Encontro de Violeiros no dia 14/03/2004.

    E, na TV, Zeca Collares também já se apresentou em diversos programas dentre eles: Celia e Celma, no Canal Rural, "Viola Minha Viola", na TV Cultura de São Paulo, Arrumação, na TV Alterosa de Belo Horizonte-MG, apenas para citar alguns.


    Contato para shows:
    e-mail: [email protected]




    Clique Aqui e ouça "Primavera Mineira" de Zeca Collares, interpretada pelo autor, num arquivo musical pertencente ao Site Oficial de Zeca Collares. Essa gravação é a primeira faixa do excelente CD "Primavera Mineira", lançado em 2002, no qual Zeca Collares nos mostra seu excelente trabalho como Solista de Viola.

    Clique Aqui e ouça "Cantador do Sertão - Homenagem a Xavantinho" de Walter Silva, interpretada por Zeca Collares, juntamente com o grupo Mucunã, contando também com a participação especial do Pena Branca, num arquivo musical pertencente ao Site Oficial de Zeca Collares. Essa gravação é a oitava faixa do CD "Aboio", lançado em 2000.

    Clique Aqui e ouça "Chasquento" de Zeca Collares, interpretada pelo autor, num arquivo musical pertencente ao Site Oficial de Zeca Collares. Essa gravação é a décima-primeira faixa do CD "Primavera Mineira", no qual Zeca Collares nos mostra seu excelente trabalho como Solista de Viola.

    Clique Aqui e ouça "Contos Sertanejos" de Walter Silva, interpretada por Zeca Collares, juntamente com o grupo Mucunã, num arquivo musical pertencente ao Site Oficial de Zeca Collares. Essa gravação é a quinta faixa do CD "Contos Sertanejos", lançado em 1998.

    Clique Aqui e ouça "Entardecer" de Zeca Collares, interpretada pelo autor, num arquivo musical pertencente ao Site Oficial de Zeca Collares. Essa gravação é a sétima faixa do CD "Primavera Mineira", no qual Zeca Collares nos mostra seu excelente trabalho como Solista de Viola.



    Tive o prazer de conhecer um pouquinho do trabalho de Zeca Collares por ocasião do II Encontro de Violeiros que teve lugar em Ribeirão Preto-SP nos dias 13 e 14/03/2004. Foi nessa ocasião que pude adquirir o excelente CD "Primavera Mineira", o qual se encontra disponível à venda no Site Oficial de Zeca Collares.




    Voltar ao Topo




    Zé Coco Do Riachão:

    "Artista do povo da maior importância, Zé Coco tem uma técnica de execução à Viola tão desenvolvida que lhe permite tocar certas peças fazendo solo e acompanhamento ao mesmo tempo, e seus talentos são tantos que em uma das faixas do disco - a intitulada "Guaiano em Oitava"- ele aparece não apenas na Viola-Solo e fazendo a Viola-Base, mas ainda tocando Rabeca, Caixa de Folia e Pandeiro".

    O comentário acima é do Jornal do Brasil feito pelo renomado crítico musical José Ramos Tinhorão que considerou "Brasil Puro" (o primeiro LP de Zé Coco do Riachão) como sendo o melhor do ano na categoria autenticidade. E Tinhorão foi mais além afirmando que "quem um dia se deleitou com a festa banjistica do som country do LP americano "Dueling Banjos", lançado pela WEA em 1978, na certa sentirá um frissom ao descobrir a extraordinária semelhança de efeitos da música dos Caipiras do Sul dos Estados Unidos com a Viola de Zé Coco".

    José dos Reis Barbosa dos Santos nasceu no ano de 1912 em Brasília de Minas-MG, na localidade de Riachão, no Vale do São Francisco, e faleceu em Montes Claros-MG no dia 13/09/1998.

    E quando Zé Coco estava nascendo, passava por perto uma Folia-De-Reis e o menino foi consagrado por sua mãe aos Santos Reis, por isso José "dos Reis" foi o seu nome registrado no cartório.

    Além de Compositor e também fabricante e tocador de Rabeca (espécie de Violino Caipira), Viola, Violão e Cavaquinho, Zé Coco foi também marceneiro, carpinteiro, ferreiro, sapateiro e fazedor de cancelas, carro de boi, roda de rolar mandioca, etc.

    Aprendeu a tocar Viola com seu pai, que também construía o tradicional instrumento musical. Até que num belo dia, seu pai havia construído e encordoado uma nova Viola, e, quando saiu para guardar as ferramentas, Zé Coco pegou e tocou o instrumento...

    - QUEM TOCOU A VIOLA???!!!

    - F-Fui eu... - respondeu o menino assustado que, antes de pegar no instrumento, havia decidido "...pegar essa viola e tocar aquela música que meu pai tocou...", nem que apanhasse...

    E foi então que seu pai pediu para que ele tocasse novamente e... acabou dando a nova Viola de presente para Zé Coco do Riachão!

    Zé Coco acabou assumindo a pequena fábrica de instrumentos musicais de seu pai com 20 anos de idade.

    Não sabendo ler nem escrever, Zé Coco adquiriu sua habilidade do próprio convívio com os instrumentos musicais, sem nenhum estudo formal. Apesar disso, ele compôs em diversos estilos (dentre eles, Lundus, Mazurcas, Dobrados, Guaianos, Corta-Jacas, Calangos, Maxixes) com talento genuíno e apurada sensibilidade. Segundo ele, a única ajuda recebida foi "através de uma simpatia tradicional entre os violeiros do Vale do São Francisco: pegar uma cobra e passar entre os dedos. O resultado é a facilidade que o violeiro terá em tocar seu instrumento..." Em outras palavras, um "pacto com o coisa ruim"... que faz parte do Folclore da Viola Caipira...

    Não teve nenhum professor, mas Zé Coco do Riachão ensinou muita gente a tocar viola! E deixou discípulos em diversos cantos do Brasil, principalmente nas Gerais, bem como nos Estados de São Paulo e Goiás. Dentre seus discípulos, podemos citar excelentes músicos dessa nova geração de Violeiros e Rabequeiros, tais como Marimbondo Chapéu, Sinval de Gameleira, Paulo Freire, Roberto Corrêa e Chico Lobo.

    Zé Coco viveu até seus 68 anos como luthier, praticamente no anonimato, construindo e consertando instrumentos musicais e também animando bailes na região. Também compunha, mas muitas das suas composições acabaram se perdendo por falta de registro.

    Zé Coco expressou também a possibilidade da união do Erudito com o Popular sem que nenhum dos estilos fosse descaracterizado.

    Zé Coco do Riachão foi descoberto quando já tinha quase 70 anos de idade, por Téo Azevedo, repentista e pesquisador de Cultura Popular e que foi também quem lhe deu o apelido "Riachão"! E Zé Coco gravou três discos: "Brasil Puro" (Rodeio/WEA em 1980), "Zé Côco do Riachão" (Rodeio/WEA em 1981), e "Vôo das Garças" (Rima em 1987), por sinal, o que Zé Coco mais gostou por ter saído "...do jeitinho que eu queria e não tem gravadora no meio..." E até o momento, somente o "Vôo das Garças" é que foi remasterizado em CD (pela Lapa Cia de Ação Cultural em 1997) e com acréscimo de três músicas inéditas até então: "Moda Prá João de Irene", "Amanhecendo" e "Minha Viola e Eu". Zé Coco, no entanto, deixou muitas musicas que se perderam sem gravação...

    Foi o jornalista Carlos Felipe que conseguiu patrocínio para lançar os dois primeiros discos de Zé Coco em 1980 e 1981. Já no "Brasil Puro" que foi seu primeiro LP, a crítica foi praticamente unânime, considerando-o um verdadeiro achado como expressão da nossa Cultura Popular. Como exemplo, ver no início desse resumo biográfico o comentário de José Ramos Tinhorão no Jornal do Brasil!

    Fora do Brasil, Zé Coco do Riachão também tem seu valor musical reconhecido como por exemplo uma equipe de reportagem da TV Alemã que o considerou como sendo o "Beethoven do Sertão" (a partir de um filme com Téo Azevedo sobre Cantigas de Vaqueiro, produzido por Dr. Ralf do 1º Canal de Baden-Baden). Há quem diga também que Zé Coco está para os Violeiros assim como Jimmy Hendrix está para os guitarristas!

    Apesar de tal prestígio, Zé Côco morreu na pobreza. Deixou, no entanto, um Patrimônio Cultural inestimável, além de um lote de 1000 CD's, do trabalho que havia sido recém remasterizado do terceiro LP, "Vôo das Garças". Conta-se que esse lote de CD's ainda está encaixotado na casa de sua filha Luisa Soares, em Montes Claros-MG, à espera de quem quiser preservar o que restou do excelente músico.

    Em 1997, ano anterior ao seu falecimento aos 86 anos, vítima de um derrame, Zé Coco do Riachão participou de um excelente show no Sesc-Pompéia em São Paulo, ocasião na qual a gravadora Núcleo Contemporâneo lançou o valiosíssimo CD "Violeiros do Brasil", uma edição inédita que reuniu importantes artistas da Viola Caipira de diversas regiões do Brasil. Nesse CD, Zé Coco interpreta sua excelente composição "O Amanhecer do Sertão". Também fazem parte do mesmo CD excelentes Violeiros tais como Almir Sater, Roberto Correa, Adelmo Arcoverde, Paulo Freire, Ivan Vilela, Pereira da Viola, Passoca, Renato Andrade e Tavinho Moura, além de Braz da Viola regendo a Orquestra de Viola Caipira de São José dos Campos e também a participação da excelente Dupla Caipira Raiz Zé Mulato e Cassiano!


    Clique aqui e ouça Zé Coco do Riachão interpretando "Calix Bento" (adaptado por Tavinho Moura da Folia de Reis de Minas Gerais) em Solo de Rabeca, numa gravação de vinil não remasterizada em CD.


    Voltar ao Topo




    Obs.: As informações contidas no texto desta página são originárias principalmente do Livro de Rosa Nepomuceno "Música Caipira - Da Roça Ao Rodeio", e também dos sites Dicinário Cravo Albin de Música Popular Brasileira, Site Oficial de Ivan Vilela, Site Oficial de Paulo Freire, Brasil Festeiro, Instituto Memória Musical Brasileira, Site Oficial de Roberto Corrêa e Viola Caipira - Yassir Chediák. Ver mais detalhes e links na página Para saber mais... onde constam as Referências Bibliográficas sem as quais a elaboração desse site teria sido impossível.


    Esse "trem" continua sua viagem pelo Interior Musical do Brasil: temos agora um "Trem Moderno", pois, para nossa felicidade, existem jovens Músicos nos tempos atuais que, seguindo "na contramão" dos interesses financeiros das gravadoras comerciais, produzem seus trabalhos em "pequenas gravadoras" que prezam pela Qualidade, e/ou até mesmo lançam seus CD's de forma independente! Esses jovens talentos estão enriquecendo e mantendo viva a Boa Música Brasileira, defendendo "com unhas e dentes" a nossa Música Caipira Raiz, evoluindo sem ferir o Estilo. Clique aqui e pegue esse trem pois ele agora irá para diversas cidades, nem sempre interioranas, onde nasceram e se criaram os Novos Caipiras.


    Ou então, se você preferir outro compositor ou intérprete, clique aqui e "pegue outro trem para outra estação", na Página-Índice dos Compositores e Intérpretes.













  • Voltar ao Topo