Leôncio e Leonel









Página Inicial


Para saber mais...


Página Índice dos Compositores e Intérpretes


Ouvir Música Caipira





Benedito Leonel, o Leôncio, nasceu no dia 11/02/1932, em Itajú-SP, e faleceu no dia 15/11/2002 em Bariri-SP. Guido de Sousa, o Leonel, nasceu no dia 14/12/1934, também em Itajú-SP, e faleceu no dia 27/04/2013 em Bauru-SP. Curiosamente, os sobrenomes eram diferentes, apesar de terem sido irmãos; e o integrante da Dupla com o nome artístico de Leonel não tinha esse sobrenome, ao contrário do Leôncio.

Os irmãos nasceram na roça e foram criados ajudando os pais no plantio de café. Mas não abriam mão de cantar e tocar a Viola! Passaram a infância e a adolescência em Arealva-SP, Bariri-SP (onde o Leonel reside atualmente) e Itapuí-SP.

De acordo com artigo extraído da inesquecível "Revista Sertaneja" - Ano 1 - Nº. 3 de 1958, fornecido pelo Apreciador Antônio Rodrigues, Leôncio e Leonel "...cantavam desde garotos, avô e pai Violeiros e Cantadores. Todos os membros da familia, menos um, eram eméritos cultuadores do Canto Sertanejo. Como via de regra, as famílias sertanejas são numerosas, quase sempre os filhos revelam uma vocação natural para Violeiros e Cantores. A família Leonel de Souza, é um exemplo desse costume que tem permitido a continuidade de tudo que possui de mais autêntico na Arte Sertaneja. Pelo menos, desde seus avós, Leôncio e Leonel, descendem de legítimos Violeiros. O pai, Américo Leonel de Souza, se encarregou de transmitir aos filhos Benedito (Leôncio), Guido (Leonel), Antônio, João, Maria de Lourdes e Alzira, todos os segredos da Arte que havia aprendido com seu pai Romano Leonel de Souza. Somente Nélson que nasceu com outra habilidade: jogar futebol..."

Como Dupla Caipira, os Irmãos Leonel iniciaram a carreira artística em Bariri-SP no início da década de 1950. E, nessa época eles se apresentaram pela primeira vez na Rádio Cultura de Pederneiras-SP.

Apresentaram-se também em Corvo Branco-SP, Arealva-SP, Itapuí-SP e outras localidades. Continuaram trabalhando na roça de café, mas valeu o apoio permanente do amigo Euclides ("Cride") Riqueza que, depois de conseguir para eles um programa exclusivo na Rádio Cultura de Pederneiras-SP, conseguiu licença do Sr. Américo para levá-los à Capital Paulista em 1954.

Em São Paulo-SP os Irmãos Leonel conheceram seus maiores ídolos que eram Tonico e Tinoco. E o nome artístico "Leôncio e Leonel", adotado pela dupla a partir de então foi por sugestão do Tonico, da Dupla Coração do Brasil que já fazia enorme sucesso!

E foi na Rádio América de São Paulo-SP que a dupla se iniciou profissionalmente, em 1955, quando foram apresentados ao Nhô Crispim por Teddy Vieira e Euclides Riqueza. Nhô Crispim apresentava o programa "Alvorada Sertaneja", ao vivo, das 06:00 as 07:00 da manhã.

Com o término do contrato com a Rádio América, a Rádio Bandeirantes de São Paulo-SP já estava de olho na jovem dupla que foi contratada e lá permaneceu por oito anos; o Comendador Biguá começou a apresentá-los no programa "Amanhecer da Minha Terra", na respectiva emissora.

Seguiram-se também algumas temporadas nas Emissoras Associadas (grupo do qual a inesquecível Rádio Tupi de São Paulo-SP fazia parte), ao lado de Ado Benatti (Zé do Mato), apresentações em shows e excelentes propostas. Leôncio e Leonel continuaram atuando nos programas "Serra Da Mantiqueira", comandado pelo Comendador Biguá e "Brasil Caboclo" do Capitão Barduino.

Em 1956, Diogo Mulero, o Palmeira, era Diretor Artístico da RCA-Victor e descobriu o talento de Leôncio e Leonel, convidando-os para gravar o primeiro disco, o que se deu no dia 06/08/1956, tendo nesse 78 RPM, logo de início, o maior sucesso da dupla, que foi "Casinha de Aço" (Roque José de Almeida - Teddy Vieira).

E na RCA-Victor, a Leôncio e Leonel gravaram 5 discos 78 RPM, com as seguintes músicas

  • Casinha De Aço (Roque José de Almeida - Teddy Vieira)
  • Adeus Terra (Osvaldo Aude - Ado Benatti - Riqueza)

  • Namoro Invejoso (Teddy Vieira - Lourival dos Santos)
  • Mula Ruzia (Palmeira)

  • Mãe Do Assassino (Teddy Vieira - Sebastião Victor)
  • Dois Corações Que Se Amam (Teddy Vieira - Biguá)

  • Vai De Roda (Palmeira - Teddy Vieira)
  • Botina Aperta No Pé (Raul Torres)

  • Encontro D´Aparecida (Ado Benatti - Sulino)
  • As Duas Jóias (Ado Benatti - Teddy Vieira)

    Em 1957, Palmeira, trocou a "Etiqueta do Cachorrinho" pelo "Selo do Galinho" (no dizer do excelente Radialista, Produtor e Pesquisador Maikel Monteiro da Rádio Paraná Educativa (e-Paraná)-AM de Curitiba-PR) e passou a ser Diretor Artístico da Chantecler, para onde levou seus artistas como as Irmãs Galvão, Sulino e Marrueiro, além de Leôncio e Leonel e da própria dupla Palmeira e Biá que eram duplas que gravavam até então na RCA. Na Chantecler, Leôncio e Leonel estrearam em 1958 com a Moda de Viola "Boi Fumaça" (Sulino - Moacir dos Santos) e o Cururú "Morena de Casa Branca" (Raul Torres - Sebastião Teixeira).

    Por essa época, Leôncio e Leonel já faziam bastante sucesso em todo o Brasil. E em 1961 gravaram na Chantecler o primeiro LP, intitulado "A Voz do Sertão". Como o Radialista Maikel Monteiro nos faz lembrar, "...nessa época era preciso fazer muito sucesso para lançar LP's, caso contrário eram somente 78 rpm...".

    A dupla viajou bastante pelas Regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil. No início da década de 1970, eles se mudaram para Londrina-PR onde residiram por cinco anos e atuaram na Rádio Auri Verde naquela cidade.

    Voltando de Londrina-PR, Leôncio e Leonel foram morar definitivamente em Bariri-SP. Como não aceitavam "certas imposições" das gravadoras de um modo geral, a dupla ficou sem gravar no período de 12 anos que foi de 1984 até 1996, quando, por insistência dos amigos, colegas e fãs, voltaram a gravar e a viajar.

    Leôncio e Leonel apresentram seus programas na Rádio Cultura de Bariri-SP até Novembro de 2002 quando Leoncio veio a falecer. Leonel continuou trabalhando na mesma emissora após o falecimento do irmão, no entanto, não voltou mais a cantar.

    A maior parte do repertório de Leôncio e Leonel é composta de Toadas, apesar da dupla também ter gravado Modas de Viola, Pagodes, Cateretês, e outros ritmos diversos. Além de composições próprias, Leôncio e Leonel também gravaram músicas de diversos renomados compositores, dentre os quais, Moacyr dos Santos, Sulino, Roque José de Almeida, Roberto Stanganelli, Benedito Seviero e José Fortuna, apenas para citar alguns.

    Calcula-se que a gravadora Chantecler seja detentora de 95% das gravações de Leôncio e Leonel. Além da Chantecler, a dupla também gravou na RCA-Victor (os 5 primeiros discos 78 RPM, conforme já foi dito), na Tropicana e na Tocantins.

    A Discografia de Leôncio e Leonel é composta por 27 "Bolachões" 78 RPM, 3 compactos e 22 LP´s, além de 4 CD´s de coletâneas, 3 CD's remasterizados de LP's e 2 CD's "de carreira" ("Cenário Da Natureza" (Gravadora SBCTrans - 1998) e "Casinha De Aço (Gravadora Tocantins - 2002)).

    Quero aqui destacar o CD "Leôncio & Leonel - Os Grandes Sucessos", lançado pela Allegretto, que é uma coletânea com 18 de suas mais representativas interpretações, com destaque para "Velho Catireiro" (Roque José de Almeida) (da qual o Apreciador pode ouvir um trecho quando da abertura dessa página), "As Duas Jóias" (Ado Benatti - Teddy Vieira), "Flor do Sertão" (Nino Nunes), "O Pobre e o Rico" (Sulino - Moacyr dos Santos), "Via Sacra no Sertão" (Roque José de Almeida) e "Tire o Olho Gordo" (Roberto Stanganelli - Italúcia), além da bem humorada "Bambolê de Baiano" (Roque José de Almeida).


    Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Leonel e o Compositor Nhô Chico, em Jaú-SP, no ano de 2009. Foto gentilmente cedida pelo Juninho Caipira, filho do Compositor Nhô Chico.




    Longe dos palcos, já na década de 1990, Leonel apresentava programas de Música Caipira Raiz na Bariri Rádio Clube e também na Rádio Cultura de Bariri, emissoras essas onde trabalhavam também os seus filhos Laudenir e Laudecir.

    O falecimento do Leôncio, no dia 15/11/2002, no entanto, acabou silenciando a Dupla. Leonel deixou de lado a Viola Caipira, que passou a ser tocada somente em algumas reuniões de Família, no rancho onde ele residia, em Bariri-SP, às margens do Rio Tietê.

    Na foto abaixo, Laudenir, Leonel e Laudecir, numa das últimas Apresentações de Leonel:




    Leonel partiu para o Oriente Eterno às 09:00 da manhã do dia 27/04/2013, aos 78 anos de idade, vítima de um acidente vascular cerebral, após uma cirurgia à qual ele havia se submetido para a colocação de duas pontes de safena, no Hospital de Base de Bauru-SP, onde ele estava internado há vários dias, em conseqüência de um infarto...

    Seu corpo foi velado na Câmara Municipal de Bariri-SP e o sepultamento se deu 08:00 da manhã do dia 28/04/2013 Cemitério Municipal de Bariri-SP.

    Leonel: receba de Ricardinho essa singela homenagem...


    Na foto abaixo, estatua em tamanho real da Dupla "Leôncio e Leonel", na Praça da Matriz de Bariri-SP:





    Como o Apreciador pode perceber, trata-se de uma excelente Dupla Caipira Raiz que merece estar entre os passageiros "embarcados nesse trem". No entanto, com as pesquisas que venho fazendo, pouquíssimo material encontrei sobre "Leôncio e Leonel". Na Internet, só encontrei alguma informação sobre a dupla nos sites do Dicionário Ricardo Cravo Albin de Música Popular Brasileira e da Gravadora Revivendo, no entanto, informações resumidíssimas e muito vagas.

    Quero, por outro lado, agradecer pela preciosíssima colaboração que foi enviada por Laudecir Leonel de Sousa, filho do Leonel e que mora em Bariri-SP. Laudecir enviou uma excelente Biografia da dupla e é graças a ele que constam as datas de nascimento e também os nomes de Batismo de Leôncio e Leonel nesse resumo biográfico.

    Quero agradecer também aos Irmãos Ferreira, excelente Dupla Caipira de Bariri-SP (eles se apresentaram de forma brilhante e conquistaram o Segundo Lugar no III FESMURP - Festival de Música Sertaneja Raiz de Pardinho-SP em Junho de 2005), pois foram eles que me puseram em contato com o Laudecir.

    Quero agradecer também ao José Cervan, que é Empresário do Duo Glacial, e que também me ajudou bastante no contato inicial com o Laudecir.

    Quero agradecer também pela preciosíssima colaboração que me foi enviada pelo Radialista, Produtor e Pesquisador Maikel Monteiro que, ao lado de seu grande Amigo José Francisco, produz e apresenta o excelente Programa Brasil Caboclo que vai ao ar aos Domingos às 07:00 da manhã pela Rádio Paraná Educativa (e-Paraná) de Curitiba-PR (AM 630 kHz), e que conhece a fundo a trajetória de diversos excelentes intérpretes da Música Caipira Raiz, tais como as Irmãs Galvão, Tonico e Tinoco, Nhô Belarmino e Nhá Gabriela, Tuta e Tota, Jacó e Jacozinho, Abel e Caim, Mineiro e Manduzinho, Luizinho, Limeira e Zezinha, Pininha e Verinha, Mogiano e Mogianinho e "Leôncio e Leonel", apenas para citar alguns!!!

    O "Cumpadre" Maikel Monteiro é um excelente colaborador desse site, e me forneceu preciosíssimas fotos e informações importantíssimas, além do esclarecimento de várias dúvidas que ocorreram durante a elaboração de diversos resumos biográficos!

    O resumo biográfico das Primas Miranda e das Duplas Mensageiro e Mexicano e Nízio e Nézio, por sinal, foi fornecido na íntegra por Maikel Monteiro!

    Muito Obrigado, mais uma vez, "Cumpadres" Maikel e Zé Francisco!!! Parabéns por esse gesto que enriquece e ajuda cada vez mais e de forma brilhante a Preservação da Memória Musical Brasileira!!

    Quero agradecer também pela preciosíssima colaboração que foi enviada pelo Apreciador Antônio Rodrigues de Ribeirão Preto-SP, que conheceu a Dupla pessoalmente e forneceu algumas fotos da Dupla e informações adicionais oriundas da inesquecível Revista Sertaneja - Ano 1 - Nº. 3 de 1958. Esse link, por sinal é parte integrante do excelente Site de Paulo Moura Castro dedicado à dupla Tonico e Tinoco.



    Muito obrigado a todos, por esse gesto, que ajuda a enriquecer a Memória Musical Brasileira!!






    Essa viagem pela Música Caipira Raiz não pára por aqui: Clique aqui e pegue o trem, que ele agora irá para Avaré-SP: conheça essa dupla que, apesar de ter gravado poucos discos, é excelente na interpretação da genuína Música Caipira Raiz, além de seus integrantes serem também excelentes compositores com mais de 300 obras musicais gravadas pelos mais renomados intérpretes. Conheça a dupla Tuta e Tota.


    Ou então, se você preferir outro compositor ou intérprete, clique aqui e "pegue outro trem para outra estação", na Página-Índice dos Compositores e Intérpretes.
















  • Voltar ao Topo