Nhô Belarmino E Nhá Gabriela









Página Inicial


Para saber mais...


Página Índice dos Compositores e Intérpretes


Ouvir Música Caipira





Salvador Graciano, o Nhô Belarmino, nasceu num lugarejo chamado Santaria, pertencente a Rio Branco do Sul-PR no dia 04/11/1920 e faleceu em Curitiba-PR no dia 20/06/1984. Sua esposa Júlia Alves Graciano, a Nhá Gabriela, nasceu em Curitiba-PR no dia 28/07/1923 e faleceu também em Curitiba-PR no dia 28/03/1996.

Salvador começou bem cedinho: com apenas oito anos de idade, já gostava de cantar e alegrar a vizinhança contando anedotas. Sendo de família de músicos, Salvador Graciano aprendeu tocar diversos instrumentos musicais, dentre eles, a Viola e a Gaita (Pequeno Acordeon) de Oito Baixos.

Foi aos 14 anos de idade que Salvador adotou o nome artístico de Nhô Belarmino por ser, segundo ele, "um nome exótico e gozado". E em 1935, aos quinze anos de idade, ele costumava se apresentar juntamente com sua irmã Pascoalina em festinhas nas redondezas de sua Rio Branco do Sul natal. Era a Dupla "Nhô Belarmino e Nhá Quitéria", que permaneceu ativa durante quatro anos. Com o casamento da irmã Pascoalina, o marido não quis que ela continuasse com a carreira artística e, conseqüentemente a Dupla se desfez.

Sua primeira composição foi "Linda Serrana" (Nhô Belarmino), em 1936, quando contava 16 anos de idade. Nessa época, Nhô Belarmino integrava o regional da PRB2, a Rádio Clube Paranaense; esse conjunto acompanhava os cantores que na época se apresentavam ao vivo na renomada emissora.

Em 1939 (após a separação da Dupla "Nhô Belarmino e Nhá Quitéria"), Nhô Belarmino formou uma Dupla com Chiquinho Montalto, Dupla essa que participou de diversos programas na Rádio Clube Paranaense. E foi nessa famosa emissora de Curitiba-PR que Nhô Belarmino conheceu Júlia Alves, que veio a ser sua esposa em 23/12/1939 e com quem também formou a Dupla "Nhô Belarmino e Nhá Gabriela", que veio a ser a mais famosa e representativa Dupla Caipira Raiz do Estado do Paraná.

Tudo aconteceu por volta de 1937, quando Júlia trabalhava numa fábrica de tecidos na Capital Paranaense. Numa tarde, quando o material de confecção havia se acabado, as funcionárias haviam sido dispensadas mais cedo. Resolveram então acompanhar uma colega de trabalho num ensaio na Rádio Clube Paranaense, já que ela participava de um programa de calouros. Chegando à emissora, Júlia conheceu Salvador e iniciaram o namoro que resultou no casamento que durou 45 anos, com os filhos: Clóris, Ivan e Rui.

"Nhô Belarmino e Nhá Gabriela" iniciaram profissionalmente em meados de 1940 quando Nhô Belarmino promoveu um show no bairro de Santa Cândida. Nesse dia havia chovido bastante e os outros artistas da equipe não puderam chegar ao local. Como a chuva, no entanto, foi passageira, o povo compareceu e lotou o salão. Bilheteria aberta, público chegando, ingressos que não podiam ser devolvidos... E os artistas não chegavam! Então Júlia mais algumas primas e amigos resolveram improvisar: uns declamavam, outros contavam piadas e Nhô Belarmino cantava.

E em dado momento Júlia e Salvador resolveram cantar juntos o famosíssimo valseado "Cavalo Zaino" (Raul Torres). E agradaram de tal maneira que foram convidados a fazer outras apresentações em outros dias! Nascia então, quase que por acaso, a Dupla "Nhô Belarmino e Nhá Gabriela". A foto à esquerda foi gentilmente enviada pelo Radialista, Produtor e Pesquisador Maikel Monteiro de Curitiba-PR (ver abaixo nas Referências Bibliográficas).

Nhô Belarmino "batizou" a esposa e companheira de Dupla com o nome artístico de Nhá Gabriela em homenagem a uma tia dele que apreciava bastante a Música Caipira.

Em 1942, acompanhados por Nhô Dito (Chiquinho Montalto), Júlia e Salvador formaram o "Trio Caipira" que estreou nesse mesmo ano com bastante sucesso na PRB-2, a Rádio Clube Paranaense.

Em 1948 transferiram-se para a ZYM-5 Rádio Guairacá permanecendo nessa emissora por mais de 20 anos, animando diversos programas de auditório. Nessa época, músicas como "Passarinho Prisioneiro" (Luiz Vieira Filho - Nhô Belarmino) e "Linda Serrana" (Nhô Belarmino) passaram a ser conhecidas e cantadas por seus ouvintes.

Com o sucesso alcançado no Estado do Paraná, Nhô Belarmino e Nhá Gabriela tornaram-se famosos em vários locais do Brasil. A Dupla chegou a trabalhar por um ano na Rádio Gaúcha em Porto Alegre-RS, e também por vários meses na Rádio Guanabara (hoje Bandeirantes) no Rio de Janeiro-RJ, além de vários programas na Rádio Bandeirantes de São Paulo-SP, dos quais também participaram. A foto acima e à direita foi gentilmente enviada pelo Radialista, Produtor e Pesquisador Maikel Monteiro de Curitiba-PR (ver abaixo nas Referências Bibliográficas).

Nhô Belarmino e Nhá Gabriela gravaram o primeiro disco em 1953, na RCA-Victor (hoje BMG), com as músicas "Linda Serrana" (Nhô Belarmino) e "Parabéns Paraná" (Nhô Belarmino - Pereirinha). Essa gravação fez parte das comemorações do Centenário de Emancipação do Estado do Paraná.

E, nos demais discos que se seguiram, Nhô Belarmino gravou cantando em Dupla com sua esposa e também solando o Acordeon, em composições tais como "Dançando Descalço" (Nhô Belarmino), "Brincando com Oito Baixos" (Nhô Belarmino), "Mocinhas da Cidade" (Nhô Belarmino), "Paranaguá" (Nhô Belarmino), "Mocinhas do Sertão" (Nhô Belarmino), "Passarinho Prisioneiro" (Luiz Vieira Filho - Nhô Belarmino), "Defendendo O Meu Sertão" (Nhô Belarmino), "Moreninha do Vanerão" (Lord Wilson - Ubiratan), gravações que foram sucesso não só em Curitiba-PR e Região, mas também em todo o Brasil.

O primeiro LP da Dupla foi gravado em 1961 pela RCA-Camdem (hoje BMG). E, ao longo da carreira, Nhô Belarmino e Nhá Gabriela gravaram 17 Discos 78 RPM, 3 Compactos (Vinil) e 11 LP's, sendo que Nhô Belarmino foi compositor de cerca de 99% das músicas gravadas pela Dupla.

Nhô Belarmino teve diversos parceiros na composição, destacando-se dentre todos, o amigo Moacyr Ângelo Lorusso. Compositor incansável, Nhô Belarmino estava sempre compondo alguma coisa. Foi nesse mesmo ano de 1953 que veio o estrondoso sucesso do "Passarinho Prisioneiro" (Luiz Vieira Filho - Nhô Belarmino). E em 1959 veio a consagração definitiva no cenário musical brasileiro com a gravação do famosíssimo clássico "As Mocinhas da Cidade" (Nhô Belarmino), cujo sucesso rendeu à Dupla diversas viagens pelos mais diversos Estados Brasileiros em shows e apresentações que foram memoráveis.

Além das gravações em disco e das participações em programas na Rádio Guairacá e na Rádio Clube Paranaense, em companhia de seus filhos Cloris e Ivan, Nhô Belarmino e Nhá Gabriela também apresentaram na TV durante vários anos o programa "Minha Palhoça" e também o "Rancho de Belarmino e Gabriela", programas nos quais eles se apresentavam com diversas Duplas paranaenses, tais como "Nascimento e Zeloni", Mensageiro e Mexicano, "Leonel Rocha e Campos", além de outras Duplas já consagradas em todo o Brasil, tais como Tonico e Tinoco e Léo Canhoto e Robertinho.

O casal também se apresentou em diversos circos e teatros na Capital Paranaense, e também no Interior do Estado, além dos Estados de Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro. "Passarinho Prisioneiro" (Luiz Vieira Filho - Nhô Belarmino) e "Mocinhas da Cidade" (Nhô Belarmino) são sem dúvida os maiores exemplos do seu sucesso no Paraná e em todo o Brasil.

"Mocinhas da Cidade", por sinal, foi gravada por inúmeros intérpretes, inclusive pelo cantor "luso-brasileiro" Roberto Leal, além da belíssima gravação de Pena Branca, no CD "Semente Caipira", gravado na Kuarup Discos, que foi por sinal o primeiro CD que Pena Branca gravou após o falecimento do seu irmão e companheiro Xavantinho.

Lamentavelmente, a Kuarup Discos se viu obrigada a encerrar suas atividades, no início de 2009, após mais de 30 anos de Excelente Atividade... Resta-nos a esperança de que esse Acervo Musical não seja perdido e que os respectivos CD's e DVD's sejam adquiridos por outra Gravadora/Produtora o mais breve possível, retornando assim aos catálogos de vendas...

De acordo com Ubiratan Lustosa, Estudioso do Rádio no Estado do Paraná, em sua excelente História do Rádio Paranaense, em seu site Nosso Encontro Com Ubiratan Lustosa, "Na vida particular, Salvador e Júlia eram um casal unido, simpático, simples, que gostava de receber os amigos em suas casas em Curitiba-PR e na litorânea cidade de Matinhos-PR".

Após vários anos de sucesso, um derrame cerebral vitimou Nhô Belarmino na década de 1980 e interrompeu a carreira musical e as apresentações da Dupla.

Rolando Boldrin convidou Nhô Belarmino para participar do seu programa e cantar “Passarinho Prisioneiro" (Luiz Vieira Filho - Nhô Belarmino), música que há mais de 30 anos atrás já tinha uma Mensagem Ecológica e da qual o criador do inesquecível "Som Brasil" era fâ desde criança.

Nhô Belarmino, sem ensaio e há vários dias sem exercitar a voz, não queria interpretar o "Passarinho Prisioneiro". Seu filho, o Acordeonista Ivan Graciano, também compositor, explicou ao Rolando Boldrin sobre o problema de saúde de seu pai. Rolando pediu então que Nhô Belarmino cantasse uma musica mais simples; e o próprio Rolando Boldrin decidiu ele mesmo interpretar o "Passarinho Prisioneiro”, até que Nhô Belarmino também começou a cantar junto com o Rolando...

...“você não sabe o bem que fez a meu pai...” Foi o que Ivan Graciano disse depois ao "Cantadô" Rolando Boldrin.

Foi no ano de 1983 a última gravação de Nhô Belarmino cantando, quando ele regravou "As Mocinhas da Cidade" no álbum "Curitiba Cidade da Gente". Pouco tempo depois, em seu último trabalho, ele participou de um Compacto Simples (Vinil) apenas tocando; quem cantou no compacto “Salve, Salve Paraná” e "Moro Lá” foi sua esposa Nhá Gabriela.

E no mês de Junho de 1984, Jurandir Ambonatti organizou diversos espetáculos comemorativos dos 60 anos da Rádio Clube Paranaense. A convite do radialista Léo Pereira, genro de Nhô Belarmino e Nhá Gabriela, eles estiveram presentes no antigo Ginásio do Clube Atlético Paranaense, completamente lotado.

Nhô Belarmino subiu ao palco conduzido numa cadeira de rodas. Ao lado de Nhá Gabriela, ele resolveu cantar e foi entusiasticamente aplaudido, tendo sido talvez uma das maiores ovações de sua carreira artística.

Com esse novo alento, Nhô Belarmino chegou a pensar em retornar aos palcos. Mas foi a última apresentação, pois ele faleceu poucos dias depois, nesse mesmo ano de 1984.

Na foto abaixo (também do site Nosso Encontro Com Ubiratan Lustosa), em sua última apresentação, que foi em 1984, podemos ver Nhô Belarmino (sentado), ladeado por sua esposa Nhá Gabriela e pelo filho Ivan Graciano. Na foto também aparecem Leonel Rocha (de chapéu) e ao seu lado Jurandir Ambonatti:



Alguns anos depois, Nhá Gabriela, incentivada pelos familiares, voltou a cantar, tendo feito Dupla com seu filho Ivan Graciano, até o dia em que ela também adoeceu, vindo a falecer, em 1996, 12 anos depois de seu esposo Nhô Belarmino.

No ano de 1978, Mário Vendramel entrevistou a Nhô Belarmino e Nhá Gabriela e para o Museu da Imagem e do Som. Ao que consta, tamanho é o descaso com a Cultura, a Fita Magnética se deteriorou pela ação do tempo e não se sabe se ainda existe algum registro dessa entrevista de Nhô Belarmino e Nhá Gabriela no Museu da Imagem e do Som.

Ivan Graciano, por outro lado, mantém a atividade artística como Compositor, Acordeonista, Produtor Fonográfico e Presidente da Ordem dos Músicos do Paraná. Proprietário da BG Gravações, (fundada em 1977 juntamente com Nhô Belarmino), onde Nhô Belarmino e Nhá Gabriela chegaram a gravar dois LP's, Ivan vem proporcionando aos mais humildes Artistas Regionais que eles possam gravar os seus sonhados CD's. Ivan é também conhecidíssimo animador das noites curitibanas, sendo que foi dos primeiros a perceber as potencialidades do Forró, coordenando seus animados bailes populares na Sociedade União Bacacheri.

De acordo com o Jornalista Aramis Millarch, em seu Tablóide Digital, Ivan também chegou a apresentar o "Forró de Nhô Belarmino e Nhá Gabriela" no simpático bairro Santa Felicidade na Capital Paranaense, local esse que acabou tendo o alvará cassado por intrigas políticas. Após o episódio, Ivan, com um "público cativo e seguro", levou a apresentação a outros espaços na Sociedade Rio Branco, no bairro do Ahu de Baixo, depois em São José dos Pinhais-PR, no Barigui do Seminário e finalmente no "Arco Íris" (Avenida Churchil Nº. 309) (local hoje arrendado ao músico Marabá (Antonio Pereira dos Santos)).

Em Curitiba-PR, no Centro da Cidade, pode-se visitar, no cruzamento da Rua Cruz Machado com a Alameda Cabral, a "Fonte Mocinhas da Cidade", que homenageia Nhô Belarmino e Nhá Gabriela. Com desenhos do Artista Fernando Canalli, possui colunas com pinhões nos capitéis que emolduram quadros de azulejos com versos da letra da música “Mocinhas da Cidade" (Nhô Belarmino), que foi sem dúvida o maior sucesso da Dupla.

E, de acordo com o Deputado Rafael Greca de Macedo, idealizador da "Fonte Mocinhas da Cidade", "Para que não nos esqueçamos de nós mesmos. Porque a Cidade somos nós que fazemos. E uma cidade é o conjunto de seus poetas, a memória de seus cantores, a perene lembrança de seus músicos e compositores. Generoso, o povo alimenta os artistas com inspiração e aplauso. Recebe de volta, no ciclo da criação, as harmonias compostas." Citado no dia 26/03/2003, no sétimo aniversário de falecimento de Nhá Gabriela.


E, na foto abaixo, uma panorâmica da "Fonte Mocinhas da Cidade", no dia 05/09/2005, ocasião na qual pude rever a Capital Paranaense, além de ter conhecido também o "Cumpadre" José Francisco e o "Cumpadre" Maikel Monteiro que apresentam o programa "Brasil Caboclo" na Rádio Paraná Educativa (e-Paraná) - AM-630 kHz:




Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Ricardinho, o Dr. Afonso Celso Barreiros e José Francisco, na Livraria Acervo, em Curitiba-PR, no dia 17/10/2009. O Dr. Afonso Barreiros é Advogado em Curitiba-PR e um admirador da Dupla "Nhô Belarmino e Nhá Gabriela". Ele é considerado o "Guardião da Fonte", pois, num trabalho voluntário, ele mantém sempre atenção à conservação da mesma, comunicando de imediato os setores responsáveis, em caso de qualquer problema e/ou irregularidade!




Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Ricardinho, Nézio, o Dr. Afonso Celso Barreiros (o "Guardião da Fonte") e José Francisco, na Livraria Acervo, em Curitiba-PR, no dia 17/10/2009.




Segue abaixo o texto "A Fonte Encantada" de autoria do "Guardião da Fonte", o Dr. Afonso Celso Barreiros:

" O Poeta Imortal Guimarães Rosa escreveu, num momento de rara inspiração, que 'as pessoas não morrem, ficam encantadas'.

Referia-se, com toda certeza o Mestre Escritor, que não morrem, ficam encantadas, aquelas pessoas de almas puras, generosas e sensíveis, assim como são os Poetas, os Artistas do povo, Mensageiros da Paz, do amor e da alegria.

'Nhô Belarmino e Nhá Gabriela' são dessas pessoas especiais e por isso não morreram e não morrerão jamais. Apenas ficaram encantadas e nesse encanto permanecem vivas no coração dos seus familiares, dos muitos amigos e dos milhares de admiradores.

Não passa despercebido, quem passa pelo cruzamento da Rua Cruz Machado com a Alameda Cabral, bem no centro da Capital Paranaense, um monumento em homenagem a esses dois Caipiras de raro talento, que colocaram Curitiba-PR e o Paraná no cenário nacional da nossa Boa Música Sertaneja.

A fonte
'Mocinhas da Cidade', nome da Música de maior sucesso da Dupla, entre outros tantos, é parada obrigatória para um momento de reflexão e para relembrar os versos da canção gravada nos azulejos, sob o som tranqüilo das águas que brotam da fonte, tendo ao centro a imagem iluminada dos imortais 'Nhô Belarmino e Nhá Gabriela', um trabalho primoroso do artista Fernando Canalli, por obra e graça do então prefeito Rafael Greca de Macedo, que tomou a iniciativa de prestar esta merecida homenagem aos mais famosos e admiráveis caipiras da Terra dos Pinheirais.

Justa homenagem que Curitiba-PR presta aos seus cidadãos ilustres, Salvador e Julia Graciano, o Nhô Belarmino e a Nhá Gabriela, que permanecerão sempre, assim, encantados, bem no coração da nossa cidade e, eternamente, na memória do seu povo.

Quando a Canção
'Mocinhas da Cidade' foi gravada, há quase cinco décadas, ainda criança, bem longe de Curitiba-PR, lá pelo Interior Paulista, eu já ouvia esses Caipiras com sotaque tipicamente curitibano, bem diferente do jeito de falar da gente da nossa região.

A televisão, naquele tempo, ainda era um sonho e era pelo rádio que se ouvia o
'não é sede não é nada, moreninha, eu vim aqui só pra te vê'.

Não é demais lembrar que, mais tarde, para não desagradar as mocinhas da roça, a Dupla gravou também
'Mocinhas do Sertão', sem dúvida uma bela canção, outro grande sucesso, mas o xote 'Mocinhas da Cidade' é que ficou marcado como sendo a moda dos Caipiras da terra do 'leite quente'.

O Tempo passou e quis o destino, caprichoso, que eu viesse morar nesta bela Curitiba-PR e quis mais: quis que da janela da minha casa eu pudesse ouvir o suave barulho das águas da fonte
'Mocinhas da Cidade' e ali, extasiado, fico contemplando a beleza e o encanto da fonte, e até parece, fechando os olhos, que ouço entoar a bela melodia e me vejo dizendo a essa Dupla genial: 'eu vim aqui só pra te vê!'.

Se, eventualmente, a água não está brotando, se um vândalo comete o crime de uma pichação ou mesmo a ação do tempo deixa com menos brilho a minha fonte encantada, lá vou eu buscar auxílio junto ao setor competente da administração da cidade para os reparos necessários, o que me rendeu o título de
'Guardião da Fonte', aliás, honroso título que os amigos mais próximos e também admiradores da Dupla carinhosamente me outorgaram.

Sempre digo que existem na cidade milhares de apartamentos: grandes, pequenos, com piscina, sem piscina, com mais isso ou mais aquilo, mas, uma
'fonte encantada', só o meu tem.

Para os vizinhos, que também desfrutam dessa maravilha, pode ser que seja apenas uma bela fonte, isso porque, talvez, ainda não tenham percebido que ela é muito mais do que isso. É, além de bela, encantada, para quem vê com os olhos da alma.

Se você quiser conhecer um apartamento com uma fonte muito especial, venha visitar o meu. Será um prazer recebê-lo para um dedo de prosa e quem sabe tocar umas Modas de Viola, contemplando da janela as belezas da minha fonte encantada e ouvindo o suave murmúrio do brotar de suas águas.

Essa é a fonte
'Mocinhas da Cidade', a minha fonte, que também pode ser sua e de todos aqueles que, como eu, aprenderam a admirar esses inesquecíveis e encantados 'Nhô Belarmino e Nhá Gabriela', Caipiras da melhor estirpe, orgulho do Paraná, que conquistaram, merecidamente, lugar de destaque no cenário nacional da nossa Música Sertaneja.

Sua benção,
'Nhô Belarmino e Nhá Gabriela'. Obrigado pelo legado que deixaram, Obras-Primas que enriquecem o repertório da nossa melhor e mais autêntica Música Popular Brasileira. "



Quero aqui destacar o CD "Mocinhas Da Cidade", produzido por Roberto Stanganelli, lançado pela Movieplay e que apresenta uma seleção de 14 sucessos bastante representativos da Dupla "Nhô Belarmino e Nhá Gabriela", dentre os quais podemos destacar "Mocinhas da Cidade" (Nhô Belarmino), "Mocinhas do Sertão" (Nhô Belarmino), "Paranaguá" (Nhô Belarmino), "Passarinho Prisioneiro" (Luiz Vieira Filho - Nhô Belarmino), "Recordando O Sul" (Siqueira - Nhô Belarmino) e "O Lenhador" (Moacyr Ângelo Lorusso - Nhô Belarmino).


Quero destacar a produção do excelente Filme-Documentário-Musical "Belarmino e Gabriela" que estreou de forma solene no Museu Oscar Niemeyer em Curitiba-PR no dia 25/10/2007! Dirigido por Geraldo Pioli, com roteiro de Geraldo Pioli e Altenir Silva, Direção Musical de Ivan Graciano, e com a participação de Ivan Graciano, Rui Graciano e Soraya Valente, além de Cassianinho, Marinho Gallera, Jota Eme, Lico Luvizotto e do grupo Viola Quebrada. Parabéns a todos que participaram dessa maravilhosa Produção, de fundamental importância para a Preservação da Memória Musical da escelente Dupla que foi Nhô Belarmino e Nhá Gabriela, e que tão bem representa musicalmente o Estado do Paraná!!


Na foto abaixo, Geraldo Pioli (de chapéu branco) na Estréia Nacional do Filme "Belarmino e Gabriela" no dia 25/10/2007 no Museu Oscar Niemeyer, na Capital Paranaense:




E, na foto abaixo, da esquerda prá direita, Margareth Makiolke, Ricardinho, Oswaldo Rios e o Vice-Governador do Paraná Orlando Pessuti, na estréia do filme "Belarmino e Gabriela", no Museu Oscar Niemeyer em Curitiba-PR no dia 25/10/2007, lembrando que Margareth e Oswaldo são integrantes do excelente grupo Viola Quebrada que também participou do filme!




Quero aqui destacar o excelente Livro de Ivan Graciano "Belarmino e Gabriela - Histórias, Causos e Prosas" - ISBN: 978-85-99034-20-0 - lançado em Setembro de 2009 pela Gramophone Produtora Cultural - Curitiba-PR, com prefácio escrito pelo excelente Radialista, Produtor e Pesquisador Maikel Monteiro (que apresenta o programa "Brasil Caboclo" (juntamente com seu amigo José Francisco) que vai ao ar todos os Domingos às 07:00 da manhã pela Rádio Paraná Educativa (e-Paraná) de Curitiba-PR - AM-630 kHz). Acompanham o Livro dois excelentes CD's contendo raríssimas gravações da Dupla "Nhô Belarmino e Nhá Gabriela", além de interpretações mais recentes a cargo de Ivan Graciano, autor do livro e filho do inesquecível casal paranaense!!

Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Ricardinho, José Francisco, Ivan Graciano e Maikel Monteiro, no dia 17/10/2009 na Rádio e TV Paraná Educativa em Curitiba-PR.




Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Ricardinho, José Francisco e Ivan Graciano, que estava autografando o Livro "Belarmino e Gabriela - Histórias, Causos e Prosas", em Curitiba-PR, no dia 19/10/2009.




Na foto abaixo, da esquerda prá direita, o Radialista Ubiratan Lustosa, Ivan Graciano (filho do casal Nhô Belarmino e Nhá Gabriela) e Ricardinho, no dia 18/01/2007, em Curitiba-PR, por ocasião do aniversário do Radialista Maikel Monteiro que conhece a fundo a trajetória dessa excelente Dupla Caipira Paranaense:




Na foto abaixo, da esquerda prá direita, Ivan Graciano, Ricardinho, José Francisco, Maikel Monteiro e Geraldo Pioli, também no dia 18/01/2007, aniversário de Maikel. Geraldo Pioli foi o Diretor do excelente Filme-Documentário sobre a vida dessa excelente Dupla que foi Nhô Belarmino e Nhá Gabriela, filme esse que teve sua estréia solene no Museu Oscar Niemeyer em Curitiba-PR no dia 25/10/2007, conforme mencionado logo acima.




Na foto abaixo, Ivan Graciano e Ricardinho, no mesmo dia 18/01/2007, quando pudemos participar com bastante alegria do aniversário de Maikel Monteiro.




E, na foto abaixo, Rui Graciano (à direita), Soraya Valente (à esquerda) e Ricardinho (ao centro) no Museu Oscar Niemeyer em Curitiba-PR no dia 25/10/2007, quando da estréia solene do Filme-Documentário Musical "Belarmino e Grabriela". Rui Graciano também é filho de Nhô Belarmino e Nhá Gabriela e, juntamente com a Esposa Soraya Valente, formam uma excelente Dupla que preserva a Memória Musical da célebre Dupla Paranaense!.





Obs.: As informações contidas no texto dessa página são originárias do Livro de Ayrton Mugnaini Jr. "Enciclopédia das Músicas Sertanejas", do Livro de Rosa Nepomuceno "Música Caipira - Da Roça Ao Rodeio" e também dos sites: Nosso Encontro Com Ubiratan Lustosa, Tablóide Digital - Aramis Millarch, Tripod, IMMUB - Instituto Memória Musical Brasileira, Fundação Joaquim Nabuco, Instituto Moreira Salles, Deputado Rafael Greca e Dicionário Ricardo Cravo Albin de Música Popular Brasileira. Ver também mais detalhes e links na página Para saber mais... onde constam as Referências Bibliográficas sem as quais a elaboração desse site teria sido impossível.

Quero agradecer também pela preciosíssima colaboração que me foi enviada pelo Radialista, Produtor e Pesquisador Maikel Monteiro (com Ricardinho, na foto à esquerda) que produz e apresenta, ao lado de seu grande Amigo José Francisco, o programa "Brasil Caboclo" que vai ao ar aos Domingos às 07:00 da manhã pela Rádio Paraná Educativa (e-Paraná) de Curitiba-PR (AM 630 kHz), e que conhece a fundo a trajetória de diversos excelentes Intérpretes da Música Caipira Raiz, tais como as Irmãs Galvão, Tonico e Tinoco, Tuta e Tota, Jacó e Jacozinho, Leôncio e Leonel, Abel e Caim, Mineiro e Manduzinho, Luizinho, Limeira e Zezinha, Pininha e Verinha e Mogiano e Mogianinho, apenas para citar alguns!!! Maikel é um excelente colaborador desse site, e me forneceu preciosíssimas fotos e informações importantíssimas, além do esclarecimento de várias dúvidas que ocorreram durante a elaboração de diversos resumos biográficos!

O resumo biográfico das Primas Miranda e das Duplas Mensageiro e Mexicano e Nízio e Nézio, por sinal, foi fornecido na íntegra por Maikel Monteiro, que também me forneceu duas raríssimas fotos e preciosíssimas informações sobre a Dupla "Nhô Belarmino e Nhá Gabriela"!!!

Muito Obrigado, mais uma vez, "Cumpadres" Maikel e Zé Francisco!!! Parabéns por esse gesto que enriquece e ajuda cada vez mais e de forma brilhante a Preservação da Memória Musical Brasileira!!



Essa viagem pela Música Caipira Raiz continua: Clique aqui e pegue o trem, que ele agora irá para Bofete-SP: conheça um pouquinho desse verdadeiro "Patriarca" da Música Caipira Raiz que foi Adauto Ezequiel, o Carreirinho que "permaneceu na estrada" até depois de seus 80 anos de idade, tendo formado sua última Dupla com seu parceiro tricordiano Sebastião Gonçalo, o Carreiro.


Ou então, se você preferir outro compositor ou intérprete, clique aqui e "pegue outro trem para outra estação", na Página-Índice dos Compositores e Intérpretes.

















Voltar ao Topo